Brasil

O Santos tem muitos pedidos para o Natal, mas só um deles importa: voltar à Série A

Fábio Carille precisará trabalhar disciplina com jogadores para fazer da temporada desafiadora um pouco mais tranquila

A temporada de 2024 do Santos não será fácil, o clube disputará pela primeira vez a Série B do Brasileirão, e a expectativa é na redução da folha salarial que deve envolver a saída de jogadores para que as finanças do Peixe possam voltar a respirar e estruturar o time.

Fora a segunda divisão do Campeonato Brasileiro, o Peixe disputará o Campeonato Paulista e contando com possíveis classificações no estadual, Santos deve ter 54 jogos no ano. Marcelo Teixeira, presidente eleito, tem prometido reestruturar todo o clube, com mudanças em todos os departamentos, não somente no profissional masculino, mas também na base, futebol feminino e no quadro de funcionários.

Projetando o que precisa ser feito na próxima temporada, com base no que foi o Santos, em 2023, a Trivela separou três prontos que o Peixe precisa colocar sua atenção para que as coisas sejam mais tranquilas no ano do clube.

Organização financeira

O primeiro e principal ponto é se reorganizar financeiramente. O clube vive esse problema há algum tempo, prova disso é o caixa vazio ao final de 2023. A gestão de Andres Rueda chegou a pedir adiamentos a Federação Paulista referente ao campeonato de 2024, com isso, até mesmo a verba que poderia receber de uma das poucas competições que tera no ano, já foi comprometida, outra dificuldade para arrecadação de receitas é a arrecadação do Brasileiro, que na segunda divisão é menor.

O presidente eleito, Marcelo Teixeira, já declarou que pretende fazer uma “limpeza” na folha de pagamentos Santos, segundo ele essas mudanças não serão apenas no futebol masculino, apesar de acumular o principal gasto com salários altos.

A diretoria tem tentando alternativas para tirar a corda do pescoço, uma delas é a negociação com jogadores para que o valor de seus salários sejam reduzidos, até agora dois atletas aceitaram o acordo, Tomas Rincón e o goleiro João Paulo.

Tranquilidade para trabalhar

Que a situação do Santos é complicada, é fato, e disputar a segunda divisão do Brasileiro, não é fácil, ainda mais para clubes grandes, já que entram em campo carregando enorme expectativa para vencer, e isso às vezes não pode não acontecer como o esperado.

É necessário que Fabio Carille tenha tranquilidade para trabalhar o elenco, o treinador voltou ao clube para liderar o planejamento da temporada mais desafiadora de toda a história do Peixe, e tem coisas para arrumar antes do time entrar em campo, entre elas o mau comportamento e falta de disciplina dos atletas, como aconteceu com Marcos Leonardo e Jean Lucas, que viajaram alterados para uma partida do Campeonato Brasileiro.

Retornar bem apara a Série A do Campeonato Brasileiro

Isso é obrigação. Mas retornar a Série A pode não ser uma tarefa tão fácil, isso porque, diferente de anos atrás, o valor dos direitos pagos aos clubes que eram rebaixados não sofriam alteração, ou seja, mesmo na segunda divisão ainda recebiam valores de primeira, mas isso mudou, um exemplo é o Cruzeiro que demorou para conseguir voltar e se estabilizar novamente.

Outro ponto que pode interferir diretamente nas atuações no Brasileirão é a possibilidade de o time não poder jogar na Vila Belmiro, por conta da reforma já programada. A promessa do presidente Marcelo Teixeira é de acelerar o processo da construção da nova arena, ele já tem costurado um acordo para poder mandar jogos no estádio do Pacaembu, – que está e passando por mudanças-, em São Paulo.

Foto de Bruno Lima

Bruno Lima

Bruno Lima nasceu em Santos (SP) e se formou em Jornalismo na Universidade Católica de Santos (UniSantos) em 2010. Antes de escrever para Trivela, passou por A Tribuna.
Botão Voltar ao topo