Brasil

Cristaldo foi o grande nome da vitória do Grêmio sobre o Brasil e provou por que Renato não pode prescindir dele

Autor de um golaço e muito participativo na vitória do Grêmio sobre o Brasil de Pelotas, Franco Cristaldo mostrou que não pode ser reserva do time de Renato Portaluppi

A vitória por 2 a 0 sobre o Brasil de Pelotas, na noite de domingo (10), que classificou o Grêmio para a semifinal do Campeonato Gaúcho, teve um grande destaque: Franco Cristaldo. Autor do golaço que abriu o placar para o Tricolor, no final do primeiro tempo, o meia argentino se movimentou muito durante os 90 minutos e fez o jogo do time de Renato Portaluppi fluir, principalmente na segunda etapa.

No primeiro tempo, o Grêmio encontrou dificuldades para furar as recuadas linhas do Brasil, que se postaram no 5-4-1. Ainda assim, Cristaldo era o jogador mais lúcido do sistema ofensivo gremista, e o que mais tentava. A primeira finalização do jogo foi dele, aos 19 minutos, quando obrigou Gabriel a fazer importante defesa. Aos 40, após nova tentativa do camisa 10, a bola sobrou para Diego Costa, que, impedido, concluiu para as redes.

O gol gremista finalmente surgiu aos 45 minutos. E foi uma pintura. Próximo à meia-lua da grande área, Cristaldo recebeu passe de Mayk, dominou já tirando da marcação, e acertou belo chute no ângulo esquerdo para explodir a torcida na Arena do Grêmio.

No segundo tempo, Cristaldo se movimentou por todo ataque. Descolou bons passes — um deles em cruzamento rasteiro, pela direita, que virou assistência para finalização de Diego Costa, defendida por Gabriel — e deu até carrinho, no perde-pressiona, para evitar contra-ataque do Brasil.

Renato cobra bastante de Cristaldo, mas reconheceu grande atuação do meia

Essa maior participação de Cristaldo nos jogos, além da intensidade e da combatividade, são aspectos cobrados por Renato, que levaram o treinador a substituir o meia no intervalo de diversas partidas, desde o ano passado, e até prescindir dele em alguns duelos. O exemplo mais recente foi o clássico Gre-Nal, perdido pelo Grêmio por 3 a 2, no qual o camisa 10 sequer entrou em campo.

Mas até Renato reconheceu o grande jogo feito por Cristaldo contra o Brasil. E revelou que tem dado atenção especial para o seu camisa 10.

— Eu converso muito com o Franco. Eu mostro jogadas de alguns meias que eu gosto. Peço para ele fazer mais ou menos igual, porque ele tem essa capacidade. O meia faz normalmente o time jogar. Eu corrijo algumas coisas nele. Procuro corrigir, conversar bastante com ele, dar conselhos sobre a maneira que ele precisa se comportar dentro do campo. E por incrível que pareça essa semana eu treinei ele, conversei com ele, expliquei o posicionamento dele. Ninguém está inventando nada de mais. Ele chuta bem, não só pelo gol de hoje. Ele tem que pisar mais na área, se aproximar mais do atacante, fazer o time jogar, buscar os espaços, abrir a defesa do adversário. Essa é a função do meia. E isso tudo hoje ele fez — elogiou Renato.

Autor de um duplo-duplo logo em sua primeira temporada no Brasil, Cristaldo é peça fundamental para o Grêmio

Mas não foi só contra o Brasil. Mesmo que Cristaldo tenha tido atuações apagadas em alguns jogos deste início de 2024, desde o ano passado, seu primeiro no futebol brasileiro, o meia argentino tem sido peça decisiva no Grêmio. Tanto é que encerrou a última temporada com um duplo-duplo: 11 gols e 12 assistências em 54 jogos.

Eventualmente, em jogos nos quais aposta em uma postura reativa, pode até ser compreensível Renato abrir mão de Cristaldo. Mas se o treinador gremista quer ter a bola, e jogar no seu 4-2-3-1 habitual, a função de meia tem um dono — isso é indiscutível.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo