Brasil

Craques, bad boys, radialista treinador: Flamengo do pior ataque do mundo no Meu Time de Botão

Por Paulo Júnior e Leandro Iamin

Pior ataque do mundo, pior ataque do mundo; pare um pouquinho, descanse um pouquinho, Romário, Sávio e Edmundo.

Quem diria que um trio ofensivo formado pelo melhor jogador do planeta eleito pela Fifa, por um jovem então bicampeão brasileiro e por uma revelação do clube alçada (entre tantos) a status de novo Zico seria lembrado muito mais pela paródia de um jingle originalmente criado por um comercial da Varig que pelos lances e gols dentro de campo?

OUÇA OS PODCASTS DA TRIVELA EM PARCERIA COM A CENTRAL 3

Foi o que aconteceu com o Flamengo de 1995, ano do centenário do clube de maior torcida do país, e a trinca ofensiva, caso a geração MSN e BBC não reconheça, foi montada com Romário, contratado junto ao Barcelona, Edmundo, que chegou do Palmeiras dos lactodólares, e Sávio, prata da casa, vindo do Espírito Santo ainda aos 14 anos.

O time comandado por Vanderlei Luxemburgo, campeão nacional com o Palmeiras, até começou bem no Campeonato Carioca, com ótima campanha na Taça Guanabara e título para cima do Botafogo num encontro histórico do duelo Romário x Túlio: o botafoguense foi expulso, o Baixinho marcou duas vezes e a taça foi para a Gávea com a vitória por 3 a 2.

O regulamento à época, porém, não colocava o campeão da primeira fase na grande decisão: apenas oferecia pontos extras na fase final. E, mesmo com a bonificação do rival, o Fluminense chegou à última rodada precisando vencer o Flamengo para dar a volta olímpica. No jogo decisivo, com óbvia cara de decisão, 120 mil pessoas assistiram ao gol de barriga de Renato Gaúcho e à volta olímpica tricolor.

O Flamengo, com dois meses para o Campeonato Brasileiro, remontou o elenco e contratou Edmundo. Mas o time naufragou, primeiro com Luxemburgo demitido, depois com Edinho também não resistindo, e por último com o radialista Washington Rodrigues, o Apolinho (!), como treinador. É isso mesmo. A maior torcida do país acompanhou no ano do aniversário de 100 anos um time com o melhor jogador do mundo, o Animal, cobiçado por todos, e um jornalista como comandante. Surreal.

A histórica apresentação de Edmundo com Romário puxando a música dos bad boys:

A campanha no Brasileiro é trágica, sem Maracanã, devido a uma briga com a FERJ, e apanhando da maioria dos rivais. Na Supercopa dos Campeões da Libertadores, aquela em que Edmundo levou um impressionante soco de Zandoná contra o Vélez Sarsfield, a chance de terminar o ano em alta com a torcida escapou por pouco: a vitória por 1 a 0 no jogo de volta da final contra o Independiente foi insuficiente diante da derrota por dois gols no primeiro jogo.

É tanta história que o Flamengo de 1995 rendeu uma edição do Meu Time de Botão, podcast da Central 3 apresentado por Leandro Iamin e Paulo Junior que detalha os estrelões de escalações históricas. Geralmente, campeãs ou marcantes dentro de campo. Esta, muito mais pelo folclore de um time que não vingou.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo