Brasil

Cinco anos depois de deixar o clube, Renato Augusto volta com tudo para ser um jogador fundamental ao Corinthians

Aos 33 anos, Renato Augusto retorna ao clube onde viveu um dos melhores momentos da sua carreira para ser o principal jogador do Corinthians

O Corinthians anunciou nesta quinta-feira o retorno de Renato Augusto ao clube. Aos 33 anos, o meio-campista volta depois de ficar cinco anos no Beijing Guoam, da China, para onde foi justamente depois de saiu do alvinegro. Quando deixou o clube, no final de 2015, era campeão brasileiro e tinha sido eleito o melhor jogador do Campeonato Brasileiro no time comandado por Tite. Retorna com um status de ídolo, com mais idade e em um time que precisa muito dele para voltar a ser competitivo, ao menos pensando no alto da tabela, algo que parece ainda distante para o momento.

LEIA TAMBÉM: Renato Augusto: “No futebol sul-americano, ninguém vai se defender”

Embora chegue sem custos de transferência, porque se desvinculou do clube da China, Renato Augusto chega como um dos maiores salários do elenco e assinou até dezembro de 2023, quando terá 35 anos. Ele foi anunciado de uma maneira nostálgica para o corinthiano: com a sirene do Parque São Jorge sendo tocada logo pela manhã. Na sua primeira passagem, de 2013 a 2015, o meia fez 127 jogos, com 68 vitórias, 38 empates e apenas 21 derrotas, e fez 15 gols.

Quando foi contratado, em 2013, Renato Augusto vivia com uma nuvem de desconfiança por um aspecto: o físico. O talento nunca foi questionável, mas a sua inconstância por causa das lesões gerava desconfianças. Foi anunciado em dezembro de 2012 e, na época, ele já tinha um sonho de se tornar volante. Acabou indo por esse caminho, recuando e armando o time mais perto dos volantes do que dos atacantes – o que não o impediu de eventualmente aparecer no ataque, até mesmo no jogo da seleção contra a Bélgica, em 2018, quando entrou bem depois do Brasil já ter ido mal até ali. Foi de Renato Augusto o gol do Brasil e também perderia uma grande chance de marcar o seu segundo e empatar o jogo.

O meia ainda tinha contrato com o Beijing Guoam até dezembro, mas conseguiu a liberação antecipada porque não recebia salários. Entrou em acordo com os chineses para se desvincular sem acionar a Fifa. Para abrir espaço na folha salarial, o Corinthians abriu mão de alguns jogadores, como Ramiro, que foi para o Al-Wasl, dos Emirados Árabes, por empréstimo; Bruno Méndez, que foi emprestado ao Internacional; Rómulo Otero, que vinha sendo pouco aproveitado; e Jemerson, que viu o seu empréstimo acabar em junho e não teve o vínculo renovado, já que recebia um salário de nível europeu. Além desses jogadores, desde o começo do ano o Corinthians emprestou diversos jogadores.

A tentativa do Corinthians parece ser de ter menos jogadores, mas com maior capacidade de serem importantes e decisivos. A aposta em Giuliano, anunciado na última semana, é outra na mesma direção. Tal qual Renato Augusto, são jogadores de nível mais alto do que o atual elenco do time e que chegam para jogarem. Também como Giuliano, Renato Augusto contribui para o setor mais carente do time, de criação de jogadas.

Desde a sua última passagem pelo Corinthians, Renato Augusto já se tornou um jogador para atuar mais recuado no meio-campo, e não como um meia-atacante, como surgiu no Flamengo e como jogou também no Bayer Leverkusen, na Alemanha. No Corinthians, joga de forma mais recuada, no centro do meio-campo, como um organizador que pega o time de frente. Não é um marcador, mas é alguém que consegue ler bem os espaços e usar isso a favor do time.

LEIA TAMBÉM: A China, os milhões e o direito de criticar quem escolhe viver a aventura oriental

Os pontos de atenção aqui são que ele chega com um salário alto por dois anos e meio. Não se sabe como ele retorna da China e há sempre uma desconfiança, especialmente do ponto de vista físico. Vimos alguns jogadores voltarem bem, outros voltarem mal. E alguns que voltaram bem uma vez e mal em outra, como Hernanes.

Se serve como algum parâmetro, Renato Augusto foi um jogador constante na China. Foi um dos que mais criou chances de gol para o seu time no período que esteve por lá, de 2016 a 2019, com 2,5 chances por jogo. É o quarto que mais criou no período, atrás de Oscar, Jonathan Vieira e Adrian Mierzejewski. Isso contando apenas jogadores que atuaram ao menos 30 jogos.

É um reforço de peso, tanto do ponto de vista de trazer um jogador identificado com o clube, quanto do ponto de vista técnico. Seu último jogo, porém, foi em 10 de dezembro, o que significa que são sete meses sem jogar. Será preciso entrar em forma com o time precisando que ele faça isso o mais rápido possível.

É uma contratação que tem potencial para ajudar muito o Corinthians. Com o time tendo se tornado mais seguro defensivamente, o setor de criação de jogadas e de ataque é o que mais sofre nos jogos do time. Com Renato Augusto, a qualidade do time aumenta muito. Ao mesmo tempo que jogadores como Matheus Vidal e Luan perdem espaço e podem até ser negociados, se surgirem propostas por eles, até para continuar tentando reduzir a folha salarial.

Em campo, Renato Augusto tem tudo para assumir a camisa 8, que ficou vaga após a saída de Ramiro, e ser um jogador para se construir o time em volta, soltando mais Giuliano por um dos lados do campo e fazendo uma combinação interessante. Até porque Renato Augusto é um jogador raro, de muita inteligência em campo, tanto que foi muito importante na seleção brasileira no ciclo rumo à Copa 2018. Tite não achou mais um jogador para fazer algo parecido com o que Renato fez pelo time desde 2016. O último testado foi Lucas Paquetá e parece ser o que se deu melhor nisso. Talvez Gerson seja esse jogador, mas ainda não foi testado.

Claro que Renato Augusto não é um jogador como Gerson, que ainda tem 24 anos e um futuro imenso pela frente. No momento, o ex-flamenguista é um jogador com potencial de ser não só de seleção, mas titular dela. Renato Augusto já passou do seu melhor, mas ainda tem potencial para ser um diferencial em um clube como o Corinthians.

Mais velho, a tendência é que fisicamente ele perca um pouco da potência, mas ele é um jogador que pode atuar de forma mais inteligente em campo e ao lado de jogadores de mais potência física, como Gabriel ou mesmo Xavier. Com Cantillo, talvez haja algum conflito, mas é possível adaptá-los a jogarem juntos. Dependerá do trabalho de Sylvinho nesse sentido.

De qualquer forma, o torcedor tem motivos para comemorar. Renato Augusto é um jogador que pode trazer um bom jogo, bons passes, boas jogadas para um Corinthians que precisa muito disso. Com ele e Giuliano, o clube passa a ter dois jogadores de um nível que não tinha. O técnico Sylvinho terá que encontrar uma forma de colocá-los em campo juntos, o que, em tese, não deve ser complicado, e fazê-los render, o que aí é outra história. Na teoria, Renato chega para ser o jogador mais importante do Corinthians, provavelmente não só em 2021, mas no mínimo também no próximo ano.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo