Brasil

Barcos, “centefor” que o poeta Percival Bacci não viu

Me fala, sobrinho, você que acopanha futebol porque é que o Parmera não tem um centefor decente desde o César Maluco.

Muitas vezes ouvi a pergunta do poeta e nunca tive respostas. Até tentava enganar, elogiando o centefor de plantão, mas realmente não era alguém à altura do Palmeiras do meu tio.

Centefor é como ele falava, na brincadeira, lembrando a grafia antiga do futebol brasileiro, quando center foward ainda existia, antes de virar centroavante. Agora, com essa moda de hat trick é capaz de ressuscitarem o center-foward, half, back, linesman, referee. Para o tio, centefor tinha de usar o 9. “Se não usa a nove, não assusta, centroavante tem de usar a nove, tem de respeitar a liturgia”, dizia. Era a mesma certeza com que nos anos 70, ironizava nossas calças boca de sino. “Calça tem de ter bolso para carregar carteira, isso aí que vocês usam nem sei que nome pode ter”

O poeta havia sido, ele mesmo, um centoavante respeitado em Casa Branca. Jogava com um gorrinho e dizia fazer muitos e muitos gols. Vai saber, mas se há quem acredite nos mil gols de Túlio….

Ele, que já não poeta, já não joga xadrez, já não estuda italiano, já não advoga, já não cuida de dentes, adoraria ter visto pelo menos um jogo de Hernán Barcos com a camisa de seu Palmeiras. Barcos é tudo de bom, tudo que um torcedor comum pode querer. Faz gols, vibra em carro, corre, dá passes, é solução. É centefor.

Pena, para os palmeirenses, que Barcos seja apenas um eficiente bandaid em uma perna dilacerada, seja um analgésico comum para uma dor enorme, seja insuficiente para tirar o Palmeiras de onde a incompetência de seus dirigente levou o time do poeta.

Contra o Botafogo, fez um gol de oportunista e um outro de craque. Dois gols de centroavante. Garantiu um ponto, mas o time precisava desesperadamente de três. O empate foi insuficiente para impedir a escapada do Sport. Agora, o Palmeiras tem 33 pontos contra os 36 dos pernambucanos e os 40 de Bahia e Portuguesa. Precisa ultrapassar dois desses três para continnuar na primeira divisão.

A sina do centroavante é também responsável pela ascensão do Bahia. Quando Dida soltou a bola, Souza estava lá para marcar. E não é coincidência que a falta de vitórias da Lusa comece junto com a falta de gols de Bruno Mineiro, o centroavante que estava levando o time a ter uma vida tranquila, o que já acabou.

Com centroavante não se brinca. Gum e Rafael Toloi perceberam isso na pele, permitindo os gols de Luís Fabiano e Fred.

Quem tem centravante em forma, com pólvora seca pode sonhar. Pode ficar na série A em 2013.

Os jogos de quem ainda briga contra o rebaixamento são:

Portuguesa – 40 pontos – Botafogo (f), Crêmio (c), Inter (f) e Ponte Preta (c)

Bahia – Cruzeiro (f), Ponte Preta (c), Náutico (c) e Atlético-GO (f)

Sport – Figueirense (f), Botafogo (c), Fluminense (c), Náutico (f)

Palmeiras – Fluminense (c), Flamengo (f), Atlético-GO (c) e Santos (f)

MEU PALPITE – BAHIA ESCAPA, PALMEIRAS CAI E LUSA PASSA MUITO SUFOCO PARA SEGURAR SPORT

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Bloqueador detectado

A Trivela é um site independente e que precisa das receitas dos anúncios. Considere nos apoiar em https://apoia.se/trivela para ser um dos financiadores e considere desligar o seu bloqueador. Agradecemos a compreensão.