Brasil

Atlético-MG quase dobra média de lucro com mudança do Mineirão para a Arena MRV

Com saída do Mineirão e inauguração da Arena MRV, Atlético tem um 'boom' nas receitas em dias de jogo

O Atlético-MG completou 20 na Arena MRV em sua última partida no estádio, contra o Sport, pela Copa do Brasil. Na casa própria, inaugurada no segundo semestre de 2023, o Galo já quase conseguiu dobrar a média de lucro em relação aos números de quando jogava no Mineirão. A mudança, financeiramente, foi um passo importante para o clube.

A Arena MRV foi inaugurada em 27 de agosto de 2023, quando o Atlético venceu o Santos por 2 a 0, no início do returno do Campeonato Brasileiro. Desde então, o Galo atuou mais 19 vezes em sua casa, somando 14 vitórias, três empates e três derrotas. Mas, além do bom retrospecto, o estádio também trouxe ao Galo um belo retorno financeiro.

Ao todo, o Atlético teve uma renda bruta de mais de R$ 43 milhões nos 20 jogos na Arena MRV, somando bilheteria e consumos internos, como estacionamento e lanchonetes, com o diferencial de não precisar mais “pagar aluguel” e ainda poder administrar os próprios custos. Dessa forma, o Galo teve uma renda líquida (soma das receitas menos o custo) de R$ 25,4 milhões, tendo uma margem de lucro de quase 60%.

Esse valor de renda bruta (R$ 43 milhões) no Mineirão, daria ao Galo “apenas” cerca de R$ 17 milhões de renda líquida, já que a margem de lucro no Gigante da Pampulha era de 41%. Só em 2024, com 11 jogos realizados, o Atlético já teve mais lucro (R$ 15,7 milhões) do que em todo o ano de 2022 (R$ 12,5 milhões) e 2023 (R$ 10,8 milhões) no Mineirão.

Os valores do Mineirão consideram os jogos do clube no estádio como mandante no período pós-pandemia, ou seja, desde agosto de 2021.

Lucro do Atlético: Mineirão x Arena MRV

  • Mineirão: R$ 45,6 milhões em 60 jogos
  • Média: R$ 760 mil
  • Arena MRV: R$ 25,4 milhões em 20 jogos
  • Média: R$ 1.273.429,35

Se mantiver exatamente a mesma média, quando atingir os mesmos 60 jogos na Arena MRV, o Atlético terá um lucro de R$ 76 milhões, ou seja, mais de R$ 30 milhões a mais que nos 60 jogos do Mineirão.

Isso sem levar em consideração que o Atlético já reduziu o custo médio da abertura do estádio de R$ 1,1 milhão (em 2023), para R$ 700 mil, podendo diminuir mais ainda com alguns ajustes. Além disso, haverá variações, provavelmente para cima, na bilheteria. Por exemplo, uma semifinal de Libertadores ou Copa do Brasil tem um ticket médio naturalmente mais elevado, aumentando assim o lucro também.

Na partida contra o Peñarol, pela fase de grupos da Libertadores, o Atlético teve 76% de margem líquida, mostrando como essas receitas variam a depender da importância do jogo.

Torcida do Galo tem se adaptado cada vez mais a nova casa (Pedro Click/Atlético)

Outros dados do Atlético na Arena MRV

  • 675 mil torcedores na soma dos jogos
  • 33.780 de média de público por jogo
  • 75% de taxa de ocupação
  • 42.592 é o recorde de público do estádio

Arena MRV terá atendimento exclusivo a casos de assédio

Algo que, infelizmente, é cada vez mais comum nos estádios de futebol são os números de assédios, principalmente com mulheres. Diante disso, a Arena MRV e o Atlético vão passar a ter, já a partir do próximo jogo, uma equipe exclusiva para cuidar desses tipos de casos. Além disso, haverá uma sala reservada, no Juizado Especial Criminal (Jecrim), onde a vítima poderá realizar a denúncia de forma isolada e segura, com amparo das autoridades presentes.

Ao todo, serão 41 funcionários na Arena MRV em prol dessa causa, todos treinados pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social de Minas Gerais (Sedese-MG), que firmou parceria com o Atlético para expandir o protocolo “Fale Agora”, de enfrentamento à violência sexual nos espaços de lazer em Minas Gerais. Nos banheiros do estádio atleticano haverá explicações em cartazes para as vítimas denunciarem os ocorridos.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo