Brasil

Apresentação do Brasileiro – I

A temporada do futebol nacional enfim se inicia no fim de semana. Repetindo a mesma fórmula e o mesmo número de clubes pelo terceiro ano consecutivo, o Campeonato Brasileiro resiste às tentativas obscuras pela volta do mata-mata e se consolida como uma competição dura e que põe em prova o planejamento e a estrutura dos participantes.

Para 2008, fica clara uma evolução no planejamento de parte dos clubes integrantes da primeira divisão. Sem forçar a barra, é possível apontar seis candidatos ao título, equipes que se prepararam e têm elencos numerosos e com qualidade. Ainda assim, as projeções iniciais são inconsistentes, pois só após o fechamento da janela internacional de transferências e o fim do primeiro turno é possível traçar algo definitivo.

Ainda assim, faremos, nas linhas abaixo, a apresentação de metade dos concorrentes ao título. A segunda parte vem na próxima segunda-feira e, como critério, adotamos a classificação de 2007 para ordenar os clubes.

Nome do Clube: São Paulo Futebol Clube
Estádio: Morumbi (80 mil pessoas)
Principal jogador: Adriano (atacante)
Fique de olho: Aislan (zagueiro)
Competição continental que disputa: (Libertadores e Sul-Americana)
Contratação: Jancarlos (lateral-direito)
Técnico: Muricy Ramalho
Objetivo na temporada: brigar pelo título
Aproveitamento na temporada: 64%
Time base: (3-4-1-2) Rogério Ceni, Alex Silva, André Dias e Miranda; Jancarlos, Hernanes, Richarlyson e Jorge Wagner; Éder Luís; Adriano e Borges

Atual bicampeão e detentor de algumas fórmulas que se tornaram modelo para os pontos corridos, o São Paulo mostra sua competência quando são classificados todos os torneios desde 2003. Para 2008, porém, há alguns ajustes a serem feitos. Principal jogador do time, Adriano parte para a Europa no meio do ano e deixará saudades. Além disso, o elenco tricolor tem se mostrado pequeno e atrapalhado os planos de Muricy Ramalho, que se nega a usar valores da base, como Eric, Sérgio Mota e Aislan.

Ainda assim, o time titular do São Paulo é fortíssimo e conhece, como ninguém, a fórmula para vencer a Série A. O retorno de Alex Silva tem sido benéfico para a defesa, que só precisa ver Rogério Ceni voltar aos seus melhores dias. Para pensar em título, entretanto, a direção do clube precisará trabalhar bem no planejamento do meio do ano e o desempenho na Libertadores, indiscutivelmente o grande objetivo de 2008, servirá como termômetro para o resto da temporada.

Nome do Clube: Santos Futebol Clube
Estádio: Vila Belmiro (20 mil pessoas)
Principal jogador: Kléber Pereira (atacante)
Fique de olho: Wesley (atacante)
Competição continental que disputa: (Libertadores)
Contratação: Lima (atacante)
Técnico: Emerson Leão
Objetivo na temporada: brigar pela Libertadores
Aproveitamento na temporada:56%
Time base: (4-2-3-1) Fábio Costa, Betão, Domingos, Fabão e Kleber; Marcinho Guerreiro (Adriano) e Rodrigo Souto; Wesley, Molina e Rodrigo Tabata (Lima); Kleber Pereira

É indiscutível que o trabalho de Emerson Leão na Vila Belmiro é muito bom. Após um início turbulento, o treinador encontrou a cara da equipe, que também achou uma forma prática e eficiente de atuar. Entretanto, o Santos de hoje parece ser um time muito mais para um mata-mata do que para pontos corridos. Costuma ser difícil manter um foco de futebol vigoroso por longas 38 rodadas.

É claro que isso não é regra. O Grêmio, em 2006, por exemplo, fez uma grande campanha com um time dessas características. Entretanto, para Leão subir o patamar técnico de sua equipe, seria interessante um investimento na contratação de reforços pontuais, especialmente um parceiro para Molina, hoje referência no meio. Experientes, Rodrigo Souto, Betão, Fábio Costa, Kleber e Kleber Pereira, somados, compõem uma base experiente em Série A.

Nome do Clube: Clube de Regatas Flamengo
Estádio: Maracanã (92 mil pessoas)
Principal jogador: Ibson (meia)
Fique de olho: Erick Flores (meia)
Competição continental que disputa: (Libertadores)
Contratação: Nenhuma
Técnico: Caio Júnior
Objetivo na temporada: brigar pelo título
Aproveitamento na temporada: 75%
Time base: (3-4-1-2) Bruno, Jaílton (Kléberson), Fábio Luciano e Ronaldo Angelim; Léo Moura, Toró, Cristian e Juan; Ibson; Marcinho e Souza

A reação flamenguista no fim de 2007 ficou como uma das marcas do torneio. Para 2008, ainda que tenha perdido Joel Santana para a África do Sul, o Flamengo tem condições e precisa pensar em título. Para isso, porém, precisará de uma trajetória mais constante do que vem tendo nos últimos anos. Então, a ressaca pelo título estadual e a eliminação na Libertadores não podem interferir na campanha rubro-negra.

Para pensar efetivamente em título, o Flamengo precisa resolver algumas questões. O retorno de Ibson para a Europa é praticamente certo e o clube tem jogadores valorizados que podem seguir o mesmo caminho, embora o elenco, no momento, seja suficiente. Outro ponto é a adaptação de Caio Júnior à Gávea, algo sobre o qual pairam algumas dúvidas. Caso se saia bem nessas questões, o Fla é um dos candidatos ao título brasileiro de 2008.

Nome do Clube: Fluminense Football Club
Estádio: Maracanã (92 mil pessoas)
Principal jogador: Thiago Neves (meia)
Fique de olho: Tartá (meia)
Competição continental que disputa: (Libertadores)
Contratação: Nenhuma
Técnico: Renato Gaúcho
Objetivo na temporada: brigar pelo título
Aproveitamento na temporada: 71%
Time base: (4-3-1-2) Fernando Henrique, Gabriel, Thiago Silva, Luiz Alberto e Júnior César; Ygor; Arouca (Dodô) e Cícero; Conca; Thiago Neves e Washington

No último ano, o Fluminense surpreendeu por conseguir manter uma regularidade no Brasileiro, mesmo tendo a classificação para a Libertadores assegurada. Renato Gaúcho, com um ótimo trabalho, conseguiu permanecer com um time forte, mesmo com contratações inadequadas. No fim das contas, as saídas de Gustavo Nery e Leandro Amaral trouxeram mais benefícios que contratempos.

A questão é que o Fluminense tem jogadores valorizados, especialmente Thiago Neves e Thiago Silva. Ambos são essenciais para o bom nível da equipe de Renato Gaúcho e há, nas Laranjeiras, quem garanta que ao menos um deles vai para a Europa, mesmo caminho que pode seguir Arouca. Se conseguir equilibrar o elenco e não perder o foco, o Flu é mais um dos fortes concorrentes ao título brasileiro. Renato tem se mostrado eficiente em manter a motivação do time em alta e isso pode ajudar muito.

Nome do Clube: Cruzeiro Esporte Clube
Estádio: Mineirão (75 mil pessoas)
Principal jogador: Marcelo Moreno (atacante)
Fique de olho: Zé Eduardo (volante)
Competição continental que disputa: (Libertadores)
Contratações: Jajá (atacante), Camilo (meia) e Jhonatas (atacante)
Técnico: Adílson Batista
Objetivo na temporada: brigar pelo título
Aproveitamento na temporada: 69%
Time base: (4-3-1-2) Fábio, Marquinhos Paraná, Espinoza, Thiago Heleno e Jadílson; Fabrício; Charles e Ramires; Wagner; Guilherme e Marcelo Moreno

A jovem e envolvente equipe do Cruzeiro ganhou, de Adílson Batista, um sistema tático mais equilibrado e que tem feito o time menos exposto do que era em 2007. A fórmula, básica para uma competição de pontos corridos, é a principal novidade para o time que, em alguns momentos da última Série A, se apresentava como maior oponente ao bicampeonato do São Paulo.

Entre os trunfos cruzeirenses, o fato de ter um elenco numeroso e de qualidade é algo bem relevante. É bem possível que, na primeira divisão, não haja qualquer treinador com tantas opções como Adílson. Dessa forma, os principais desafios para o treinador passam a ser controlar a juventude da equipe e ter preparo suficiente para atenuar possíveis transferências para a Europa no meio do ano. Não é segredo que o clube tem jogadores valorizados, tampouco que sua diretoria está sempre aberta para negociações.

Nome do Clube: Grêmio de Foot-Ball Porto-Alegrense
Estádio: Olímpico (55 mil pessoas)
Principal jogador: Roger (meia)
Fique de olho: Rafael Carioca (volante)
Competição continental que disputa: (Copa Sul-Americana)
Contratações: Amaral (volante), Makelele (meia/volante), Réver (zagueiro) e Tcheco (meia)
Técnico: Celso Roth
Objetivo na temporada: brigar por vaga na Sul-Americana
Aproveitamento na temporada: 80%
Time base: (4-3-1-2) Victor, Paulo Sérgio, Léo, Réver e Hidalgo; Eduardo Costa e Rafael Carioca (Makelele); Julio dos Santos (Tcheco) e Roger; Soares e Perea

Como pode uma equipe perder dois jogos em 20 e ficar em crise? Pergunte ao Grêmio. O time de Celso Roth (e que teve Vágner Mancini) conseguiu, na mesma semana, ser eliminado do Campeonato Gaúcho e da Copa do Brasil. Não bastasse isso, reformulou toda sua diretoria e vive um momento politicamente estável. Ah, o time também não é muito bom.

Em sua história, é verdade, o Grêmio conseguiu sucesso com jogadores tecnicamente limitados. Porém, o ambiente no Olímpico não é saudável e Celso Roth já começará o Brasileiro com a corda no pescoço. A solução gremista é conseguir uma química entre direção, elenco, comissão técnica e torcida. Assim, mesmo com um time médio, é possível fazer uma campanha digna. Isso, porém, não é tão simples como pode parecer.

Nome do Clube: Sociedade Esportiva Palmeiras
Estádio: Parque Antártica (35 mil pessoas)
Principal jogador: Valdívia (meia)
Fique de olho: Bruno (goleiro)
Competição continental que disputa: (Copa Sul-Americana)
Contratações: Jumar (volante), Sandro Silva (Mirassol), Fabinho Capixaba (Mirassol) e Jefferson (Guaratinguetá)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
Objetivo na temporada: brigar pelo título
Aproveitamento na temporada: 69%
Time base: (4-2-2-2): Marcos, Elder Granja, Gustavo, Henrique e Leandro; Léo Lima e Pierre; Diego Souza e Valdívia; Kléber e Alex Mineiro

Nos últimos anos, o Palmeiras viveu entre a imagem de clube estruturalmente defasado e que hesitava nas partidas em que precisava decidir. Os primeiros meses de 2008, porém, dão uma imagem diferente. Em parte pelo time forte e também pelo que Vanderlei Luxemburgo naturalmente representa no clube em que dirige. O título estadual, por sua vez, aliviou a pressão interna e comprovou a evolução.

O ponto de interrogação palmeirense, porém, passa principalmente pela parceria com a Traffic. Segundo se comenta, os investidores podem vender alguns de seus jogadores a qualquer momento, o que é algo perigoso. Ainda assim, há muito tempo não se via um Palmeiras tão forte. A presença de Luxemburgo – cinco vezes campeão brasileiro – não pode ser desprezada.

Nome do Clube: Clube Atlético Mineiro
Estádio: Mineirão (75 mil pessoas)
Principal jogador: Danilinho (meia/atacante)
Fique de olho: Renan Oliveira (atacante)
Competição continental que disputa: (Copa Sul-Americana)
Contratações: Petkovic (meia), Almir (meia) e Castillo (atacante)
Técnico: Geninho
Objetivo na temporada: brigar por vaga na Sul-Americana
Aproveitamento na temporada: 58%
Time base: (4-3-1-2): Juninho, Coelho, Marcos, Leandro Almeida e T.Feltri; Rafael Miranda; Márcio Araújo e Renan; Petkovic; Danilinho e Marques

Por um lado, pouco dinheiro para investir e um treinador bastante pressionado. Por outro, um time que joga junto há algum tempo e alguns jovens promissores. O panorama atleticano para este Brasileiro é basicamente esse e, mesmo no ano do centenário, é difícil encontrar alguém que pense em título na Cidade do Galo. Ainda assim, há material humano suficiente para fazer uma campanha média, como em 2007.

Um dos grandes obstáculos para o Atlético é a janela de transferências no meio do ano. A direção não esconde de ninguém que, caso boas propostas apareçam, negócios serão realizados. Assim, é difícil ver o Galo brigando pelas primeiras posições. Por outro lado, se mantiver a base atual e um treinador estável, talvez o centenário atleticano termine de uma forma melhor do que a prevista.

Nome do Clube: Botafogo de Futebol e Regatas
Estádio: Engenhão (45 mil pessoas)
Principal jogador: Wellington Paulista (atacante)
Fique de olho: Eduardo (zagueiro)
Competição continental que disputa: (Copa Sul-Americana)
Contratações: Bruno Silva (zagueiro), Carlos Alberto (meia) e Alexsandro (atacante)
Técnico: Cuca
Objetivo na temporada: brigar por vaga na Sul-Americana
Aproveitamento na temporada: 70%
Time base: (3-3-1-3) Castillo, Renato Silva, André Luís e Leandro Guerreiro; Alessandro, Túlio e Diguinho; Lúcio Flávio; Jorge Henrique, Wellington Paulista e Zé Carlos (Triguinho)

O Botafogo é um dos clubes mais afetados pelo modelo de pontos corridos. É habitual, em General Severiano, acontecerem crises em um período longo como o do Brasileiro. E essa é, muitas vezes, a causa para a instabilidade botafoguense. Nas últimas semanas, porém, o clube parece ter, enfim, se dado conta desse problema. Ao perder novamente para o Flamengo na final do estadual, não houve grande choque entre os alvinegros.

Na prática, o Botafogo tem um time que não deixa a desejar em relação aos demais. A defesa, ponto fraco do time no ano passado, está sensivelmente melhor, e Wellington Paulista chegou fazendo gols como poucos têm feito no Brasil. A aposta arriscada em Carlos Alberto, eventualmente, pode render frutos positivos, até porque o elenco em si é pequeno. Com poucas opções para Cuca e um ambiente instável, o Botafogo briga por Sul-Americana. Em uma perspectiva mais otimista, pode chegar à Libertadores.

Nome do Clube: Club de Regatas Vasco da Gama
Estádio: São Januário (35 mil pessoas)
Principal jogador: Leandro Amaral (atacante)
Fique de olho: Alex Teixeira (meia/atacante)
Competição continental que disputa: (Copa Sul-Americana)
Contratações: Leandro Amaral (atacante), Landu (atacante) e Madson (meia)
Técnico: Antônio Lopes
Objetivo na temporada: brigar por vaga na Sul-Americana
Aproveitamento na temporada: 68%
Time base: (3-4-1-2): Tiago, Vílson, Eduardo e Jorge Luís; Wagner Diniz, Jonílson, Leandro Bomfim e Pablo (Madson); Morais; Edmundo e Leandro Amaral

Quase todo começo de Campeonato Brasileiro, nos últimos anos, é a mesma coisa. Com um elenco fraco, pequeno, cheio de refugos e jogadores inexperientes, o Vasco brigará contra o rebaixamento – é o que se diz. Na raça, porém, quase sempre o clube acaba encontrando boas soluções ao longo do torneio e se mantém na zona intermediária. Em alguns momentos, como no primeiro turno da última Série A, até se posiciona em uma condição melhor.

Esse cenário tem toda a pinta de se repetir em 2008. Antônio Lopes, Edmundo, Leandro Amaral e Jean compõem uma base que esteve fora por algum momento, mas que pode dar certo, dentro do possível. Assim, com mais algumas boas atuações de Wagner Diniz e um outro garoto que se destaque – há Pablo, Souza e Alex Teixeira -, os vascaínos ficarão mais uma vez na mesma situação dos últimos anos.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo