BrasilCampeonato Brasileiro

Apesar dos gols no fim, a rodada do BR-13 ficou devendo

Tudo bem, sabíamos que uma hora ou outra o Brasileirão iria ter uma rodada mais murcha. A média de gols foi baixa, tivemos cinco empates em nove partidas (São Paulo x Inter já tinham jogado antecipadamente em julho) e o que teve mais disputa foi Atlético Mineiro x Botafogo, que empataram em 2 a 2.

Bato novamente na tecla que estamos curtindo como nunca o campeonato, com grandes craques, candidatos inesperados e bons clássicos.

Tá, Santos x Corinthians foi tão interessante quanto separar feijão, mas nem por isso o brilho dos outros dérbis foi ofuscado. O destaque dessa rodada fica mesmo por conta do goleiro artilheiro Lauro, que depois de 10 anos resolveu marcar outro gol no mesmo Flamengo.

Um raio cai mesmo duas vezes no mesmo lugar

O Flamengo novamente jogou no Mané Garrincha em Brasília. E essa turnê fora do Maracanã terminou com um herói inesperado. Sofrendo para ganhar da Portuguesa, o Rubronegro abriu o placar com João Paulo e lá no finzinho, com 47 do segundo tempo, levou um gol fatal de Lauro, o goleiro da Lusa. É o segundo gol de Lauro, 10 anos depois de ter marcado contra o mesmo Flamengo, quando jogava pela Ponte Preta. Um raio cai sim no mesmo lugar. Gol de cabeça, contra o Flamengo, 10 anos depois, no mesmo mês de agosto, jogando por um time paulista que começa com a letra P (tá bom, chega). O Leandro Stein até fez um post para relembrar outros célebres gols de goleiro com a bola rolando: clique aqui para ler.

Fred salva um Fluminense sem nada de diferente

O Fluminense parou de perder. Mas isso não significa que tenha voltado a ganhar. Ao contrário do jogo de domingo, quando saiu na frente da Ponte Preta e levou o empate no final com gol de William, o Tricolor carioca precisou ficar em desvantagem contra o Vitória no Barradão para acordar e se mobilizar no jogo, empatando em 1 a 1. A parte óbvia é que Fred foi o cara a marcar o gol, aproveitando uma falha de Wilson na saída pelo alto. Com Luxemburgo, o Flu continua sendo um campeão bem abaixo da média no Brasileirão. Será que o culpado era mesmo Abel Braga?

Cruzeiro tirando de letra o Brasileirão

O bom trabalho de Marcelo Oliveira à frente do Cruzeiro é visível. Com um time bem entrosado e perigoso, o técnico novamente coloca a raposa na liderança do campeonato. A briga está dura com o Botafogo, mas ao que depender dos jogadores, todos os outros compromissos antes do duelo direto com o Glorioso serão levados a sério, bem a sério. Contra o Criciúma, teve até gol de letra de Ricardo Goulart, e a vitória dos mineiros foi assegurada com classe. 2 a 1 contra o Tigre, que até tentou complicar o jogo no Heriberto Hülse, mas era pedir demais para o humilde time treinado por Vadão. Veremos no segundo turno, mas parece que o Cruzeiro tem sim fôlego para se manter ali para buscar o título.

Paulo Baier
O Furacão virou copeiro com Wagner Mancini

Num campeonato de pontos corridos e trocentas rodadas, a regularidade é premiada. O Atlético Paranaense penou no começo, mas se encontrou com Wagner Mancini. É a quarta vitória seguida do Furacão, que derrubou o Bahia jogando na Vila Capanema por 1 a 0, gol do interminável Paulo Baier. E a fórmula do sucesso é justamente somar esses pontos sem precisar esbanjar um futebol de Barcelona ou Bayern. O Atlético faz bem o papel do time que come quieto e corre por fora. Na quinta colocação, os paranaenses podem comemorar a franca recuperação com quatro vitórias consecutivas e agora esperam beliscar uma vaguinha sul-americana. Não é mais tão absurdo assim…

Goiás, o bom menino que quer um presente

O Goiás faz a lição de casa, tira boas notas e come bem no almoço e na janta. Walter, o artilheiro robusto está aí e não me deixa mentir. Vencendo o Náutico por 2 a 1 com dois gols de seu centroavante gordinho, o Esmeraldino é o reflexo de um time acertadinho, mas que ainda precisaria de uma peça ou outra para se estabelecer no pelotão intermediário. Jogando em casa no Serra Dourada, o Goiás ainda vai arrancar pontos de muita gente. E ai dos que tirarem sarro da forma física de Walter. Se continuar assim, a equipe goiana deve mesmo ser presenteada pelo Papai Noel ao fim do ano.

Espírito de Libertadores

Pensa bem, quando é que você viu o Atlético Mineiro completamente rendido esse ano? A campanha na Libertadores foi tão dramática que chegava a irritar. Adepto de fortes emoções, o Galo interrompeu a série de derrotas com um empate valioso diante do Botafogo, no finalzinho. A invencibilidade no Independência já foi, mas o espírito guerreiro continua lá. Até os 48 minutos do segundo tempo, o Fogão ia colecionando mais três pontos e agravando a ressaca atleticana, mas o menino Luan apareceu para salvar a pátria e dar números finais ao duelo: 2 a 2. Incrível como o time não joga a toalha quando joga sério.

Bate o pé, Botafogo

Não dá pra botar muita culpa no Botafogo por levar um gol no final diante de um Atlético Mineiro em busca de redenção. Talvez o empate tenha sido mais questão de insistência do que de vacilo dos cariocas. Mas será mesmo que o resultado não podia ter sido garantido antes? Contra o Vasco, no domingo, um baita sufoco, mas a vitória com brilho de Rafael Marques. Uma semana antes, contra o Flamengo, gol de Elias no fim que sacramentou o empate em 1 a 1. O time de Oswaldo de Oliveira tem sim muita capacidade para resolver tudo antes do apito final. Bate o pé e mostra quem manda, Botafogo!

O Santos não passou vergonha de novo

A dor de cabeça gerada na Vila Belmiro após o 8 a 0 poderia ter influenciado diretamente no duelo contra o Corinthians, mas o Santos bateu de frente com o Timão e conseguiu um empate em casa. Para quem chegava com superioridade, o alvinegro de Parque São Jorge ficou devendo. Depois do gol de Paulo André, ficou a sensação de que seria um novo massacre. Ilusão que foi quebrada com a marcação santista e certa preguiça por parte do Corinthians em campo. Willian José empatou e os torcedores na arquibancada devem ter feito um grande UFA após o apito final.

William, o salvador da Ponte

William é o artilheiro do Brasileirão. Ao lado do argentino Maxi Biancucchi, o atacante da Ponte Preta soma oito gols e é o maior responsável pelo fato da Macaca não estar na zona de rebaixamento. Apelidado de Batoré, William marcou quatro gols nas últimas três partidas e teve papel fundamental para garantir dois pontos para a equipe campineira contra Fluminense e Vasco, fazendo gols no fim do segundo tempo. Não fosse por ele…

Dependência é o escambau

Sem Alex, o Coxa foi até a Arena do Grêmio para enfrentar o tricolor gaúcho. Era derrota certa, diziam uns, o time depende do capitão, diziam outros. Em parte isso é bem verdade, mas nesta quinta-feira, o Coritiba soube neutralizar o Grêmio e saiu com uma importante vitória por 1 a 0, gol de Deivid, que aos poucos volta para a equipe titular de Marquinhos Santos. Era primordial não voltar para Curitiba de mãos vazias e nesse ponto, o Coxa está de parabéns. Já o Grêmio, sem Zé Roberto…

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é zagueiro ocasional, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo