Brasil

A saída de Ronaldinho é o melhor reforço que o Fluminense poderia ter neste momento

A constatação era meio óbvia pela matemática, mas dura pelo que se imagina do Fluminense: Fred reconheceu que o Tricolor estava brigando para fugir do rebaixamento. Um cenário bizarro para um time com elenco para lutar por Libertadores, exatamente o que estava fazendo até algumas semanas atrás, quando tudo começou a dar errado nas Laranjeiras. Nesse momento, a melhor notícia possível (além dos três pontos que vieram com a vitória providencial sobre o Goiás, claro) é a saída de Ronaldinho.

NOSTALGIA: Para se lembrar do gênio: os 50 gols mais bonitos de Ronaldinho Gaúcho

O ídolo de Barcelona e Atlético Mineiro anunciou seu rompimento de contrato com o clube carioca na noite desta segunda. Sem o jogador no elenco, o Fluminense não perde nada tecnicamente, mas tem um enorme alívio econômico e psicológico. Talvez o que vinha faltando para o time.

Equipes com a capacidade técnica do Flu raramente são rebaixadas. Elas têm recursos para, em algum momento, encontrar os pontos que precisam para escapar, por maior que seja o susto. A queda só ocorre em casos excepcionais, como dissociação enorme entre elenco e diretoria/comissão técnica ou se o grupo está todo quebrado e descompromissado. Ronaldinho, desde que chegou, pode ter criado essa instabilidade.

O Fluminense vinha mostrando grande competência em fazer a transição do modelo de co-gestão coma Unimed com a vida independente. Jogadores da base voltavam a ganhar destaque, enquanto que os nomes mais produtivos da época do patrocínio gordo, como Fred e Diego Cavalieri, se mantiveram nas Laranjeiras. Seria otimismo demais esperar uma disputa de título em 2015, mas  dava para brigar no topo da tabela.

Ronaldinho foi a recaída da diretoria. Seduzida pela possibilidade de ter um dos maiores jogadores do século 21, o clube contratou o meia em uma medida que tinha muito mais a cara de Celso Barros: o importante era o retorno de exposição da marca, não em campo. Desde então, o Flu degringolou. O time de Enderson Moreira, que estava ajeitado, ficou bagunçado e sem uma cara, perdendo 9 dos 16 jogos que fez desde a estreia do jogador.

A questão não é necessariamente algum problema que o meia tenha criado, mas o modo como sua chegada desestabilizou um ambiente que estava resolvido. Não precisa muito para isso. Basta a equipe ter de se adaptar para acomodar o jogador e alguns companheiros ficarem descontentes com alguém de salário tão alto produzindo tão pouco para o embalo se perder. Por isso, a permanência de Ronaldinho poderia dificultar muito a recuperação do Tricolor, agora comandado por Eduardo Baptista.

Nesse contexto, o anúncio da saída de Ronaldinho é um reforço para o time, até porque o processo parece ter sido pacífico e suve, com poucas chances de criar novos traumas.

Foto de Ubiratan Leal

Ubiratan Leal

Ubiratan Leal formou-se em jornalismo na PUC-SP. Está na Trivela desde 2005, passando por reportagem e edição em site e revista, pelas colunas de América Latina, Espanha, Brasil e Inglaterra. Atualmente, comenta futebol e beisebol na ESPN e é comandante-em-chefe do site Balipodo.com.br. Cria teorias complexas para tudo (até como ajeitar a feijoada no prato) é mais que lazer, é quase obsessão. Azar dos outros, que precisam aguentar e, agora, dos leitores da Trivela, que terão de lê-las.
Botão Voltar ao topo