O Sheffield United reestreou na Premier League, após 12 anos vagando pelos outros degraus da pirâmide, com um empate por 1 a 1 contra o Bournemouth, fora de casa. O bom resultado foi garantido aos 43 minutos do segundo tempo, quando o centroavante e capitão do time completou uma sobra dentro da área. O nome desse homem é Billy Sharp, e o curioso é que, apesar de ser o maior artilheiro do futebol inglês neste século, o jogador de 33 anos abriu sua contagem na elite apenas no último sábado.

A conta considera os gols marcados desde o início do século nas quatro primeiras divisões do Campeonato Inglês, ou seja, League Two, League One, Championship e Premier League, e foi alcançada no primeiro dia deste ano, quando Sharp marcou na vitória por 3 a 0 sobre o Wigan e chegou a 220 tentos, superando Rickie Lambert. O terceiro na lista é Wayne Rooney, com 208, todos na Premier League.

“É um grande feito pessoal. Rickie foi um grande artilheiro, então foi legal finalmente alcançá-lo. Espero continuar marcando para que ninguém me alcance”, disse Sharp, à BBC, naquela época. Desde então, ele marcou mais oito. “Meu pai é quem me conta tudo. Eu preciso saber – ele tem uma estatística para todos os jogos. Eu sabia o que o próximo gol significava. Alan Shearer e Michael Owen foram meus dois jogadores favoritos, e eu sempre tento aparecer nas posições corretas”.

E foi assim, com posicionamento e oportunismo, como no gol contra o Bournemouth, que Sharp construiu a sua lenda nas divisões inferiores da Inglaterra. Formado no próprio Sheffield United, e nascido na cidade, apareceu entre os adultos do clube do seu coração em 2004, mas teve poucas chances. Foi emprestado ao falido Rushden & Diamonds, pelo qual marcou nove vezes em 16 jogos, seus únicos gols pela League Two, a quarta divisão da Inglaterra.

Retornou do empréstimo e foi imediatamente vendido ao Scunthorpe United, que estava na terceirona. Dois anos bastaram para que o Sheffield United reconhecesse o erro. Sharp fez 53 gols em 82 partidas, e o os Blades o compraram de volta, por € 3 milhões, 20 vezes a mais do que o haviam vendido. A segunda passagem, porém, também não deu certo, e seu novo desafio foi no Doncaster.

Ele voltou a encontrar o caminho do gol, com 40 em 82 partidas pela segunda divisão. Nada mal para um gordinho de Sheffield. Sean O’Discroll, seu treinador na época, havia tentando motivá-lo dizendo que, quando Sharp não está motivado e intenso, ele “é só mais um gordinho de Sheffield”. A resposta aconteceu em um dérbi contra o Sheffield United. Sharp marcou e mostrou uma camisa por baixo do uniforme que dizia: “Gordinho de Sheffield”.

Um ano depois, Sharp voltou a usar a camisa por baixo do uniforme como veículo, mas para passar uma mensagem muito mais séria, triste e emocionante. Seu filho Luey Jacob havia passado apenas dois dias neste planeta, antes de morrer por um problema no estômago. Sharp usou o trabalho para ocupar a cabeça. Três dias depois, já estava em campo contra o Middlesbrough, fez um gol (golaço, aliás) e o dedicou a Luey. “Esse foi para você, filho”, dizia a camiseta.

Do Doncaster, Sharp foi para o Southampton, e seus 15 gols ajudaram no acesso dos Saints à Premier League. Dois jogos, quatro minutos contra o Manchester City, e 14 diante do Wigan, foram sua única experiência na elite do futebol inglês até o último sábado. Partiu em uma série de empréstimos, para o Nottingham Forest, o Reading e de volta ao Doncaster, antes de ser negociado em definitivo com o Leeds. Apenas cinco gols em 35 partidas naquela temporada foram a senha de que Sharp precisava voltar para casa.

E, enfim, ele conseguiu oferecer sua especialidade ao Sheffield United. Chegou ao clube na terceira divisão e marcou 51 gols em 90 partidas, ao longo de duas temporadas. Na segunda, sob o comando de Chris Wilder, outro filho da cidade, conseguiu o acesso à Championship. Fez 23 gols na campanha do acesso à Premier League, quatro maior artilheiro do torneio, ao lado de Dwight Gayle.

Agora, tem a chance de calar os críticos e provar que tem futebol suficiente para atuar na elite, em que cada gol será precioso para o Sheffield United, que provavelmente lutará ferozmente contra o rebaixamento. Em apenas oito minutos em campo, nesta segunda passagem, já fez o primeiro.

 

Os gols de Billy Sharp nas divisões do Campeonato Inglês:

Premier League (primeira divisão): 3 jogos, 1 gol
Championship (segunda): 322 jogos, 114 gols
League One (terceira): 172 jogos, 104 gols
League Two (quarta): 16 jogos, 9 gols
Total: 513 jogos, 228 gols