O técnico do Everton, Carlo Ancelotti, revelou que o treinador do clube rival ao seu, Jürgen Klopp, do Liverpool, achava que jogar a partida de volta da Champions League contra o Atlético de Madrid era “um ato criminoso”. Os espanhóis venceram por 3 a 2 em Anfield depois da prorrogação, em um momento que vários locais já tinham decretado o fechamento de tudo, inclusive estádios, como foi na França. O jogo, no dia 11 de março, teve não só torcida, como ainda permitiu visitantes vindos da Espanha.

A situação de espalhamento do vírus causador da COVID-19 já era emergencial. Naquele mesmo 11 de março, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o novo coronavírus como uma pandemia e cobrou ações fortes dos governos para evitar problemas ainda maiores. Klopp, no dia do jogo, evitou tocar as mãos dos torcedores e ainda brigou com torcedores que tentaram fazer isso no estádio do Liverpool.

“Eu falei com Klopp alguns dias atrás, ele me disse que a decisão de jogar Liverpool x Atlético de Madrid foi um ato criminoso e eu acho que ele está certo”, afirmou Ancelotti em entrevista ao Corriere dello Sport.

O italiano deu a entrevista depois de uma caminhada que fez perto da sua casa, em Liverpool. “Curta. Ainda é permitido, uma por dia, sonho ou com o cachorro, ou andando de bicicleta. No momento, não é necessária uma autorização, mas eu imagino que isso será introduzido também, como na Itália. Você começa a ver um pouco de polícia na rua. O principal foco de atenção é Londres, Liverpool tem espaços largos, Londres é mais compacta”, contou Ancellotti.

“O governo está trabalhando de forma escrupulosamente agora, os britânicos confiam muito no NHS [National Health System, o Sistema Nacional de Saúde do Reino Unido], o Everton está fazendo muito em termos de assistência aos idosos, aos doentes e às pessoas sozinhas. Nós todos estamos vivendo uma vida que não estamos acostumados e que irá nos mudar profundamente”, afirmou o consagrado técnico. “Todos nós teremos que reduzir bastante o tamanho, a começar pelo futebol”.

“Hoje a prioridade é a saúde, limitar a infecção. Tudo mais é secundário. Quando você começar novamente, quando iremos terminar, as datas, as promessas, as esperanças… Acredite em mim, eu não ligo, no momento é o último dos meus pensamentos. A Premier League forçou os clubes a dar a todo mundo três semanas de férias, jogadores, comissão técnica, funcionários. A ideia inicial era começar de novo em maio, mas há dúvida se isso poderá ser feito”, continuou o treinador.

“Eu ouço falar sobre cortar salários, suspensões de pagamentos. Parecem soluções inoportunas. Em breve a economia irá mudar, e isso em todos os níveis: os direitos de transmissão serão menores, os jogadores e técnicos ganharão menos, os ingressos custarão menos, porque as pessoas terão menos dinheiro”, afirmou o técnico.

“Eu repito, o que importante agora é lutarmos contra o vírus de forma efetiva. Então, é claro, se for possível continuar a temporada, bom, se não, amém”, disse o treinador. A volta do futebol ainda é completamente incerta, embora as entidades que dirigem o futebol acreditarem que pode ser possível voltar em maio ou junho. Já se considera a possibilidade de jogar até agosto, inclusive, e emendar uma temporada na outra.

Um dos pontos discutidos é o tempo de preparação que os jogadores precisam para voltar a jogar. Houve relatos da necessidade de um mês de preparação, mas Ancelotti não concorda. “Isso me faz rir, as pessoas estão sempre falando sobre o tempo de preparação. Há até aqueles que estão falando sobre três semanas de treinamento. É uma piada, as preparações são um mito”, declarou ainda o treinador.

“Eu lembro de 2006, por causa do Calciopoli, como o Milan saiu dos quatro primeiros e saímos da Europa. Então, para ajudar a Lazio do rebaixamento, eles tiraram um pouco da punição, e nós fomos forçado a nos classificarmos para a Champions League”, contou Ancelotti. “Eu tive que ligar os rapazes que estavam em férias, porque quatro dias depois teríamos que jogar contra o Estrela Vermelha”.

“Cafu retornou 24 horas antes e jogou 90 minutos. Se você quiser, lembro como terminou em maio. Mas acho que você já sabe”, contou. Ancelotti ainda contou que o time tentou contratar Zlatan Ibrahimovic, mas ele acabou indo para a Inter depois de sair da Juventus.

“Eu lembro que no verão do Calciopoli, nós estávamos tentando trazer Ibrahimovic. E quando [Adriano] Galliani finalmente conseguiu convencer [Silvio] Berlusconi, Zlatan já tinha um acordo com a Inter”, declarou.

O Everton de Carlo Ancelotti está em 12º lugar na Premier League e perdeu por 4 a 0 do Chelsea antes da parada. Desde que chegou, o treinador conseguiu recuperar o time que lutava contra o rebaixamento.