América do SulEliminatórias da Copa

Uruguai derrapa em casa contra o Paraguai e se complica

Atual campeão da Copa América, o Uruguai continua se complicando nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2012. Nesta sexta, a Celeste recebeu o Paraguai no Estádio Centenário, mas não fez por merecer a vitória. A falta de pontaria prevaleceu no ataque e, quando o gol saiu, pouco depois a defesa cedeu o empate por 1 a 1.

Com o resultado, os uruguaios assumem a quarta colocação das eliminatórias, com 13 pontos, mas podem ser ultrapassados por Venezuela e Chile até o fim da noite. Já os paraguaios continuam na lanterna da competição, com apenas oito pontos, igualados à Bolívia.

Óscar Tabárez apostou em um ataque formado por Luis Suárez e Diego Forlán, mantendo Edinson Cavani no banco. Durante os primeiros minutos de jogo, o Paraguai até pressionou para abrir o placar, mas os uruguaios não demoraram a predominar na partida. Com as melhores chances protagonizadas por Luis Suárez, a equipe pecou demais nas conclusões e, quando não errou o alvo, Diego Barreto salvou. Já na melhor oportunidade dos albirrojos, com Pablo Aguillar, Fernando Muslera apareceu bem.

A partida ficou mais aberta no segundo tempo, com Tabárez mandando Cavani e Arévalo Ríos a campo nos lugares de Cristian Rodríguez e Diego Pérez logo nos primeiros instantes. Trabalhando a bola no campo de ataque, o Uruguai tinha dificuldades para encontrar espaços na defesa paraguaia. E, quando teve, Cavani desperdiçou ótima chance. Do outro lado, contudo, a Albirroja também perdeu bom lance, em contra-ataque com maioria numérica.

Aos 36, enfim, a Celeste tirou o zero do placar. Nicolás Lodeiro avançou pela esquerda e cruzou para Luis Suárez emendar de primeira, anotando belo gol. Porém, uma falha da defesa uruguaia acabou custando o empate. Diego Lugano errou a tentar cortar lançamento e Edgar Benítez não perdoou. No fim, os dois times ainda tentaram o segundo tento, sem sucesso.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo