América do SulLibertadores

Universidad de Chile S/A, melhor empresa do que time

O leitor mais afeito ao noticiário econômico já deve ter ouvido a expressão “realização de lucros”. O processo ocorre quando investidores da bolsa de valores aproveitam a alta de determinada ação para vendê-la e então embolsar o dinheiro . A outra opção seria  ficar com o papel apostando em uma alta ainda maior. Sempre que há uma realização de lucros em massa determinada ação cai. É o que acontece com a Universidad de Chile, virtualmente eliminada da Copa Libertadores 2013.

Depois dos títulos do Apertura e Clausura do Chile e da Copa Sul-Americana de 2011, quando foi o melhor time do continente e uma das sensações do futebol mundial, La U passou por uma primeira reformulação, com a saída  do centroavante Gustavo Canales, do zagueiro Marco González e do craque daquele time, Eduardo Vargas. Com alguns substitutos vindos de equipes menores e outras das categorias de base a Universidad de Chile de Jorge Sampaoli conseguiu manter o estilo de jogo direto, de marcação pressão e intensidade para faturar o Apertura 2012 e chegar até as semifinais da Copa Libertadores perdendo nos detalhes para o Boca Juniors.

Após o fim do torneio continental La U perdeu mais jogadores-chave. Saíram o volante Marcelo Díaz e os atacantes Angelo Henríquez e Junior Fernandes. A equipe nota 10 da Sul-Americana e que havia se tornado nota 8 ao fim da Libertadores se tornou um time nota 6 novamente sem substitutos à altura dos atletas que saíram. A maior prova foi a constrangedora eliminação para o São Paulo na Sul-Americana do ano passado, com uma vexatória derrota por 5 a 0 no Pacaembu.

Após aquela eliminação, Jorge Sampaoli assumiu a seleção do Chile e Dario Franco, que assim como o antigo treinador tem em Marcelo Bielsa a principal fonte de inspiração de seu trabalho, se tornou o comandante da Universidad de Chile. Apesar da promessa feita pela diretoria de que reforços à altura e até melhores que os que deixaram o clube chegariam, pouco foi feito.  Dentro de campo, por sua vez, Franco alternou o 4-3-3 e o 3-4-3 sem conseguir repetir o jogo intenso e rápido dos áureos tempos de Sampaoli e com o agravante de escolhas equivocadas. Resultado: com a derrota por 1 a 0 em casa para o Olimpia nesta quinta-feira, La U conseguiu apenas duas vitórias, três derrotas, quatro gols marcados e sete sofridos nesta Libertadores, o que, salvo um milagre, resultará em uma eliminação precoce.

Sem sombra de dúvida é o ponto mais baixo da equipe azul desde o início de 2011.  Em termos de resultados, é claro… Porque em termos de lucros… De lá pra cá a Azul Azul, que é a sociedade anônima responsável pela administração do clube – que inclusive tem ações na bolsa, como todos os outros clubes chilenos – teve receitas de 28 milhões e 400 mil dólares com as vendas de Eduardo Vargas, Canales, Gonzalez, Fernandes, Díaz, Henríquez e Matías Rodriguez. Ao mesmo tempo, as despesas para trazer reforços foram de 12 milhões e 700 mil dólares com as chegadas de Ruidíaz, Morante, Garcés, Cereceda, Fernandes (que depois foi vendido), Videla, Civelli, Ubilla, Gutiérrez, Cortés, Contreras, Velázques, Ramón Fernández e Isaac Díaz. Destes apenas Ubilla é titular incontestável, enquanto Ruidíaz e Morante já deixaram o clube por não atenderem os requisitos.

Ou seja, La U contratou muito, gastou pouco e não se reforçou.  Alie-se este fato com a  pouca experiência do treinador, a recorrente falta de um camisa 9 e o mau desempenho de atletas como Rojas, Marino e Lorenzetti e têm-se a total decadência futebolística e sucesso econômico da Universidad de Chile.

Vale a pena? Cabe à Azul Azul pensar e repensar.

Mais chilenas

– A Unión Española venceu o Deportes Iquique por 1 a 0 e manteve a liderança da competição, agora com 22 pontos em nove jogos. A Universidad Católica ocupa a segunda posição, depois de vencer o Cobresal por 2 a 1 fora de casa e chegar a 19 pontos. O O’Higgins é o terceiro, também com 19 pontos, mesmo depois de perder por 2 a 0 para o Everton, enquanto a Universidad de Chile ocupa a quarta posição depois do empate por 1 a 1 com o Cobreloa.

– A nota lamentável da rodada ficou por conta do Colo-Colo, que teve a partida contra o Audax interrompida por causa da violência de seus torcedores. A hinchada do Cacique atirou objetos contra o trio de arbitragem. Quando o jogo foi suspenso ,o Colo-Colo perdia por 3 a 1, resultado que foi mantido depois de decisão da federação.

Paraguaias

– O Nacional assumiu a liderança do Campeonato Paraguaio depois de vencer o Sportivo Luqueño por 3 a 1. Com o resultado o Nacional tem 18 pontos em sete jogos, contra 16 do General Díaz, que ficou no 1 a 1 com o Rubio Ñu. O Libertad é o terceiro com 12 pontos após triunfo por 4 a 3 sobre o Sol de America.

– O fim de semana também teve o clássico entre Olimpia e Cerro Porteño. O Decano confirmou a melhor fase e venceu por 1 a 0. O Ciclón é o lanterna com quatro pontos, enquanto o Olimpia é o sexto, com nove pontos.

Colombianas

No Apertura da Colômbia o Santa Fe folgou, mas é líder, com 17 pontos em oito jogos. O Deportivo Pasto é o segundo, também com 17 pontos, após vencer o Independiente Medellín por 1 a 0.

– Once Caldas, Atlético Nacional, Itagüí, Cucuta, Millonarios e Deportivo Cali seriam os outros que hoje estariam classificados para a fase de mata-mata do torneio.

Venezuelanas

– No Clausura 2013 o Zamora fez 4 a 0 no Yaracuyanos e lidera o torneio com 24 pontos. A equipe, no entanto, tem 11 jogos contra nove do vice-líder Anzoátegui, que ganhou de 2 a 0 do Llaneros de Guanare e que tem 23 pontos.

– O Trujillanos é o terceiro, seguido por Mineros de Guayana e Deportivo Lara.

Peruanas

– No Descentralizado 2013 o Alianza Lima perdeu do Unión Comercio por 2 a 1, mas mantém a liderança com 14 pontos em sete jogos. O Sporting Cristal, porém, chegou após a vitória por 5 a 0 sobre o Inti Gas e tem agora 13 pontos. O Real Garcilaso, que não jogou na rodada, também tem 13, mas em seis jogos.

Uruguaias

– Normalmente polarizado entre os dois grandes do país, o Clausura uruguaio tem uma incomum competitividade nessas primeiras rodadas. O Defensor Sporting venceu o El Tanque Sisley por 3 a 0 e chegou a 12 pontos em seis jogos. Mesma pontuação do próprio El Tanque e do Danubio, que perdeu do Nacional por 1 a 0. O Peñarol é o quarto com 11 pontos depois de fazer 3 a 1 no Central Español.

– Com a vitória o Nacional é o sétimo, com nove pontos em seis jogos.

Equatorianas

– No Equador o Emelec segue imbatível e depois de vencer a Liga de Loja por 2 a 1 chegou a 24 pontos em oito jogos. O Deportivo Quito é o segundo,com 17 pontos após vitória por 2 a 1 no clássico contra a LDU. O Independiente é o terceiro, com 16 pontos depois de vencer o El Nacional por 2 a 1.

– A LDU ocupa a quarta posição, com 15 pontos, enquanto o atual campeão Barcelona tem 11 e ocupa a sétima posição.

Bolivianas

Na Bolívia o Oriente Petrolero fez 4 a 1 sobre os reservas do The Strongest e chegou a 29 pontos em 13 jogos na liderança da competição. O Bolívar é o segundo, com 28 pontos em 11 jogos, após o 3 a 1 sobre o Blooming. O Jorge Wilstermann é o terceiro com 22 pontos e 13 jogos depois de perder do San José por 2 a 0.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo