América do SulConcacafCopa do Mundo

Psicólogo da Costa Rica que veio ao Brasil na Copa foi preso nos anos 80 por ligação com as Farc

Jaime Perozo ficou conhecido na Costa Rica pela sua personalidade forte e discurso confiante. Contratado pela a pedido do técnico Jorge Luis Pinto, o colombiano foi o psicólogo da seleção da Costa Rica durante todo o trabalho que culminou com a ótima campanha dos Ticos na Copa do Mundo de 2014. Ele foi o responsável por motivar o time e a fazer uma equipe sem tradição ter a confiança para se classificar para o Mundial à frente do México, passar em primeiro lugar no grupo que tinha Itália, Uruguai e Inglaterra e só cair nas quartas de final para a Holanda nos pênaltis.

VEJA TAMBÉM: Cuadrado perdeu o pai na guerra do tráfico e foi treinado pelo irmão de Andrés Escobar

Desde então, sua situação se complicou. Primeiro, brigou com Jorge Hidalgo (vice-presidente da federação costarriquenha) e Jorge Luis Pinto. Demitido, voltou à Colômbia. Nesta semana, a imprensa descobriu que, antes de trabalhar com futebol, Perozo teve diversos problemas políticos em seu país natal.

A revelação veio no livro “Líbranos del Bien”, do premiado escritor e jornalista Alonso Sánchez Baute. Na década de 1980, Perozo fez parte de um grupo revolucionário marxista-leninista chamado “Los Independientes”, liderado por Ricardo Palmera. Membros dos Independientes foram por diversos caminhos, da política convencional à guerrilha, onde entraram em conflito com cartéis de droga, militares e organizações paramilitares.

De acordo com a polícia colombiana, Palmera deixou o grupo e se tornou um membro de uma Farc (Força Armada Revolucionária da Colômbia) em 1987 e adotou o nome de Simón Trinidad. O psicólogo seguiu próximo a Palmera/Trinidad. “Perozo foi o responsável por modificar as condutas dos diferentes movimentos revolucionários do país, entre eles a vida de Ricardo Palmera”, comentou Sánchez Baute em entrevista ao jornal costarriquenho Extra.

Atualmente, Perozo não tem problemas com as autoridades colombianas. Palmera foi preso em Quito em novembro de 2004. No mês seguinte, foi extraditado para os Estados Unidos, onde está preso por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Mostrar mais

Ubiratan Leal

Ubiratan Leal formou-se em jornalismo na PUC-SP. Está na Trivela desde 2005, passando por reportagem e edição em site e revista, pelas colunas de América Latina, Espanha, Brasil e Inglaterra. Atualmente, comenta futebol e beisebol na ESPN e é comandante-em-chefe do site Balipodo.com.br. Cria teorias complexas para tudo (até como ajeitar a feijoada no prato) é mais que lazer, é quase obsessão. Azar dos outros, que precisam aguentar e, agora, dos leitores da Trivela, que terão de lê-las.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo