América do SulArgentinaBrasilSul-Americana

Os medalhões que os clubes brasileiros enfrentarão na primeira fase da Copa Sul-Americana

A Copa Sul-Americana teve o seu pontapé inicial ainda em fevereiro. No entanto, a segunda competição mais importante da América do Sul só começa de verdade aos brasileiros nesta semana. Todos os seis representantes do país estreiam até quinta-feira, e em maio definem as suas classificações. Mas não espere moleza logo de cara. Algumas equipes terão bastante trabalho para avançar à segunda fase. O Corinthians, em especial, faz o confronto mais pesado, diante da Universidad de Chile – apesar de seu mau momento nos últimos meses. Já a Ponte Preta pegará outra pedreira, com o Gimnasia La Plata em boa campanha no Campeonato Argentino.

E, como de costume no futebol sul-americano, os elencos estão recheados de medalhões. Jogadores que agregam experiência na empreitada rumo a uma boa campanha continental. Abaixo, destacamos as figurinhas carimbadas que os times brasileiros terão pela frente nesta etapa:

Nacional-PAR

bareiro

Adversário do Cruzeiro, o Nacional Querido deixou para trás o sucesso de três anos, quando foi finalista da Libertadores. Os tricolores ocupam apenas o 11° lugar no Apertura Paraguaio, com uma vitória em 10 jogos no ano. E olha que rodagem não falta ao elenco de Roberto Torres, especialmente do meio para frente. O camisa 14 é Jonathan Santana, presente na Copa do Mundo de 2010 com a seleção paraguaia. O meio-campista de 35 anos era reserva do Wolfsburg durante a conquista da Bundesliga, em 2008/09. Já no ataque, um show de medalhões. Campeão da Libertadores com o Estudiantes e vice com o Olimpia, Juan Manuel Salgueiro é o encarregado pelos gols, após a malfadada passagem pelo Botafogo. Ídolo do Cerro Porteño e do Vélez, Roberto Nanni voltou a Assunção. Já Fredy Bareiro é outro rodado em terras guaranis, com história nos dois grandes e no Libertad. Também faturou a prata com a Albirroja nos Jogos Olímpicos de 2004.

Universidad de Chile

gonzalo-jara-960x623

O Corinthians terá pela frente um oponente que não é nem sombra do campeão da Sul-Americana com Sampaoli. Pelo contrário, parece mais um arremedo da seleção chilena, cheio de veteranos de La Roja, que não levam a equipe além da quinta colocação no Clausura. No gol, haverá uma “Lei do Ex” diante de Johnny Herrera. Na defesa, Gonzalo Jara se incorporou ao clube após o episódio polêmico com Edinson Cavani na Copa América, deixando o futebol europeu após sete anos. É acompanhado por Christian Vilches, de passagem recente pelo Atlético Paranaense. Gustavo Lorenzetti permanece como referência técnica no meio, tendo ao lado David Pizarro desde o início do ano. O veteraníssimo, de carreira sólida na Itália, voltara ao Santiago Wanderers, mas deixou o clube que o formou em julho. Para os lados do campo, ainda há os ex-gremistas Matías Rodríguez e Jean Beausejour. Este último, aliás, continua sendo convocado à seleção chilena, assim como Jara e Herrera.

Gimnasia La Plata

niell

Desde que o Campeonato Argentino voltou, o Gimnasia venceu os seus quatro jogos, o melhor desempenho desde então. O time treinado por Gustavo Alfaro saltou para a sétima colocação e aparece na briga por uma vaga na próxima edição da Libertadores. Enquanto isso, também pode sonhar com a Sul-Americana, encarando a Ponte Preta. Entre os seus veteranos, dois particularmente conhecidos do público brasileiro: o baixinho Franco Niell, ídolo dos Lobos, e Darío Botinelli, que estava no Toluca. Outra referência ofensiva é Mauro Matos, campeão da Libertadores com o San Lorenzo. Fabián Rinaudo voltou para casa após atuar por Sporting e Catania, assim como Lucas Lobos, por anos referência no Tigres de la UANL, e Sebastián Romero, de passagem famosa pelo Racing. Já na zaga, a braçadeira fica com Lucas Licht, ex-Getafe e Racing.

Defensa y Justicia

jonas

O São Paulo pegará um estreante continental, que ocupa o modesto 22° lugar no Campeonato Argentino. Mas que, em compensação, possui um dos jogadores mais estrelados desta Copa Sul-Americana. Jonás Gutiérrez foi homem de confiança na seleção argentina e disputou a Copa do Mundo de 2010. Brilhou por Vélez e Mallorca, antes de se tornar um dos maiores ídolos recentes da torcida do Newcastle, por todo o seu empenho em campo. Da torcida, porque, depois de vencer um câncer nos testículos e salvar os Magpies do rebaixamento, o meia acabou sem ter o seu contrato renovado. Após atuar pelo Deportivo de La Coruña, o veterano de 33 anos passou a vestir a camisa do Defensa y Justicia desde o último ano. Ao lado de Pablo Alvarado, ex-San Lorenzo, é um dos únicos do elenco acima dos 30 anos de idade.

Danubio

olivera

Os rivais do Sport aparecem no 12° lugar do Apertura Uruguaio, com uma vitória em oito rodadas. No sistema defensivo, chamam atenção os “foguetes molhados”: o goleiro Salvador Ichazo, de 25 anos, emprestado pelo Torino, e o zagueiro Lucas Olaza, de 22, que não vingou no Atlético Paranaense e estava no Celta de Vigo B. Têm a companhia de Leandro Fernández, que jogou por oito anos no Dynamo Moscou e foi vice da Copa América em 2004 com a seleção, na célebre derrota com gol de Adriano nos últimos instantes. O meio conta com Carlos Grossmüller, que chegou a passar pelo Schalke 04. Por fim, Juan Manuel Olivera é a figurinha carimbada do ataque, após idas e vindas pelo Peñarol.

Liverpool

deamores

Ainda pior que o Danubio no Apertura, ocupando o 14° lugar, o Liverpool não carrega aqueles medalhões conhecidos do futebol sul-americano. O único com 30 anos ou mais é o defensor Carlos Andrés Rodales, que estava no Peñarol. Ainda assim, vale prestar atenção no goleiro Guillermo De Amores. Ele foi eleito o melhor de sua posição no Mundial Sub-20 de 2013. A seleção uruguaia terminou na segunda colocação, derrotada na final pela França de Paul Pogba. Estará no caminho do Fluminense.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo