Libertadores

Sem sustos, Palmeiras vence a Universidad Católica e marca um Choque-Rei apetitoso nas quartas da Libertadores

O Palmeiras venceu novamente por 1 a 0 e agora enfrentará o São Paulo na próxima fase da Libertadores

Perdeu gols, é verdade, mas também criou muitas chances e praticamente não foi ameaçado pela Universidad Católica nesta quarta-feira. O Palmeiras teve uma atuação muito segura no Allianz Parque, marcou o gol que precisava para ter um pouco de tranquilidade, venceu novamente por 1 a 0 e avançou às quartas de final da Libertadores, para um apetitoso confronto contra o São Paulo.

Somente em um intervalo de cinco minutos na primeira metade da etapa inicial, o Palmeiras criou quatro boas chances e acertou travessão. Matías Viña sequer saiu do banco para fazer sua despedida – iminente próximo reforço da Roma – e Renan foi o lateral esquerdo. Mesmo sem a força do apoio do uruguaio, Wesley e Gustavo Scarpa tacaram o terror na Universidad Católica por aquele lado, o mais produtivo do campeão sul-americano.

Foram 20 finalizações palmeirenses, dez no alvo, apesar do único gol, marcado por Marcos Rocha, aos 35 minutos do primeiro tempo, e em nenhum momento a vaga pareceu em risco, confirmando a boa fase do time de Abel Ferreira, líder do Brasileirão e agora com oito vitórias consecutivas em todos os torneios.

Foi difícil superar a marcação forte da Católica nos primeiros minutos, mas, uma vez desvendado o segredo, as chances foram saindo naturalmente. Contestado, muitas vezes até ridicularizado, Deyverson foi o ponto focal do ataque palmeirense. Recebeu o cruzamento de Scarpa e cabeceou com perigo, aos 14 minutos. Depois, emendou um voleio no travessão no rebote de um chute de Wesley e também ganhou pelo alto para obrigar o goleiro Sebastián Pérez a mais uma boa defesa.

Aos 35 minutos, Veiga aproveitou o centro de Wesley para acertar a trave. O rebote caiu para Marcos Rocha chapar com precisão e colocar o Palmeiras na frente. Rocha quase deu a assistência para o segundo, pouco depois do intervalo, mas Renan finalizou de primeira em cima de Pérez. A chance mais aguda da Universidad Católica, uma cabeçada de Valencia da entrada da pequena área aos 18 minutos, passou por cima do travessão.

O segundo tempo foi disputado em um ritmo menor, mas, ainda assim, a cada seis ou sete minutos o Palmeiras chegava com perigo. Zé Rafael pegou a sobra de um escanteio e exigiu mais uma grande defesa de Pérez. Depois, Dudu ajeitou de calcanhar para Deyverson carimbar a defesa. Zé Rafael arriscou de fora da área, outra intervenção do goleiro da Católica. Scarpa ainda mandou no lado de fora da rede após boa tabela com Gabriel Veron.

O primeiro jogo, no Chile, foi mais ameaçador ao Palmeiras. Ali, Weverton precisou fazer algumas boas defesas para manter a sua meta intacta, embora o sistema defensivo tenha funcionado bem no segundo tempo. No Allianz Parque, a vaga não veio com um placar mais amplo pela imprecisão das finalizações, mas não houve riscos. Agora, foco total no Choque-Rei das quartas de final contra o São Paulo.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo