Libertadores

São Paulo se complica com pouco futebol, chances perdidas e empate diante do Racing no Morumbi

Jogando no Morumbi, São Paulo abriu o placar, desperdiçou chances no primeiro tempo, sofreou o empate e jogou pouco futebol no segundo tempo

O São Paulo fez um jogo abaixo do esperado diante do Racing no Morumbi e só empatou por 1 a 1 no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores. O time comandado por Hernán Crespo desperdiçou boas chances no primeiro tempo, quando surgiram as oportunidades, mas fez um jogo muito ruim na segunda etapa. Diante de uma boa defesa, o clube brasileiro pouco conseguiu criar na etapa final e sai do Morumbi com a sensação de derrota, mesmo com a igualdade no placar.

O resultado é obviamente melhor para o Racing, que decide em casa o segundo jogo, na próxima terça-feira, no Cilindo de Avellaneda. Novo empate por 1 a 1 leva a decisão para os pênaltis. Empate por 0 a 0 dá a vaga ao Racing pelo gol fora de casa. Empate por dois ou mais gols dá a classificação ao São Paulo. Quem vencer também se classifica.

O desempenho do São Paulo foi preocupante, porque diante de um adversário razoavelmente bem organizado, não conseguiu criar praticamente nada no segundo tempo. Terá que ir à Argentina para no mínimo fazer um gol para sobreviver na disputa.

LEIA TAMBÉM: Comandado por Nenê, Fluminense se impõe com vitória categórica contra o Cerro Porteño no Paraguai

Os times

O Racing não entrava em campo desde o dia 4 de junho, quando perdeu a final da Copa da Liga Argentina para o Colón. São 40 dias sem jogar. No mesmo período, o São Paulo fez 11 partidas. Enquanto um time vem há muito tempo sem jogar, o outro está com um acúmulo de jogos.

Até por isso, o técnico Hernán Crespo levou a campo uma equipe mais descansada. O lateral Reinaldo ficou no banco de reservas, com a entrada de Wellington no seu lugar na ala esquerda. Daniel Alves era desfalque, já com a seleção olímpica, além de Miranda, Emiliano Rigoni, Bruno Alves e Luciano.

Martín Benítez começou a partida no banco. Algo que chamou a atenção foi a entrada de três volantes no meio com Luan, Liziero e Rodrigo Nestor. Igor Gomes e Eder formaram a dupla de frente, com muita liberdade.

No Racing, o desfalque era Fabian Sánchez, ainda se recuperando de lesão. Na parada, o Racing trouxe de volta o ídolo Lisandro López, que teve uma rápida passagem pelo Atlanta United na MLS, e voltou ao clube argentina aos 38 anos. Seu último jogo foi no dia 24 de abril e ele ainda tenta recuperar a boa forma física.

Início truncado

O jogo começou com poucas chances. Os dois times tentando encontrar espaços, mas o São Paulo não conseguia chegar com perigo e o Racing também não. A solução, então, eram chutes de fora da área.

O Racing tinha mais posse de bola, mas também construía pouco. Arriscou um chute de fora da área aos 18 minutos que levou perigo. O São Paulo via a aproximação dos meio-campistas a Éder que, isolado entre os zagueiros, não conseguia levar perigo.

O São Paulo teve um problema aos 27 minutos do primeiro tempo. O atacante Éder sentiu uma lesão na coxa e precisou ser substituído. Entrou Vitor Bueno no seu lugar.

Goleiro falha e São Paulo abre o placar

O lateral Wellington cruzou, mas a bola foi nas mãos do goleiro Gabriel Arias. O problema é que o chileno bateu roupa: falhou feio, deixou a bola escapar, rebatendo para frente, e a bola bateu em Vitor Bueno e sobrou para ele, sem goleiro, só tocar para o gol vazio. O São Paulo abriu o placar: 1 a 0 no Morumbi, aos 35 minutos.

Logo depois, o São Paulo desperdiçou uma imensa chance de fazer o segundo gol. Em contra-ataque, Wellington fez o drible no meio-campo, arrancou, avançou até a entrada da área e rolou para o lado. Vitor Bueno achou que era só empurrar para a rede, mas tocou fraco e o goleiro Arias desta vez conseguiu defender.

As chances se empilharam de repente. Aos 39 minutos, Rodrigo Nestor apareceu livre no ataque e, com liberdade, encheu o pé, mas mandou por cima. Ele tinha Vitor Bueno livre pelo meio, mas preferiu o chute direto. Dado o gol que Bueno perdeu pouco antes, ele nem reclamou muito.

Racing empata o jogo no fim do primeiro tempo

Depois de perder muitas chances, o São Paulo acabou tomando uma ducha de água fria. Antes do intervalo, o Racing conseguiu empatar. Enzo Copetti recebeu na entrada da área, de costas, girou e bateu no canto, vencendo o goleiro Tiago Volpi. Empate no Morumbi: 1 a 1.

LEIA TAMBÉM: Em jogo travado e sem inspiração, Atlético Mineiro sai da Bombonera com um empate por 0 a 0

Segundo tempo

O São Paulo voltou a campo com mais ímpeto para chegar ao ataque. As chegadas, porém, eram mais em cruzamentos do que qualquer outra coisa. Por isso, depois de 15 minutos, o técnico Hernán Crespo mudou o time. Colocou em campo Gabriel Sara e Martín Benítez nos lugares de Liziero e Igor Gomes.

O Racing chegou perto do segundo gol. Em um chute de fora da área de Mauricio Martínez, Volpi precisou se esticar para defender a bola rasteira, no canto, e jogar para escanteio. Logo depois, Martínez precisou ser substituído por lesão.

Apesar das tentativas de mudança, o São Paulo pouco conseguia fazer para criar jogadas. Se aproximava da área do Racing, sempre bem defendida e diante de um time que tinha dificuldades de trabalhar as jogadas.

Crespo ainda apostou nos garotos com a entrada de Marquinhos e a saída de Vitor Bueno e Talles no lugar de Nestor. Não melhorou o time. Os garotos até mostraram vontade, mas o time não encontrava espaço no ataque.

Aos 39 minutos, o Racing quase virou o jogo. Em um cruzamento de Fabrício Domínguez, o lateral Mena, quase embaixo do gol, tocou par afora. Um minuto depois, Benítez chutou forte de fora da área e fez o goleiro Arias trabalhar.

Ao longo do segundo tempo, o Racing parecia mais confortável no jogo, com um empate que lhe era mais favorável pensando no próximo jogo. O jogo ficou com certa tranquilidade até o final. O empate por 1 a 1 ficou no placar e o Racing saiu de campo bem mais feliz.

Ao São Paulo, será preciso uma vitória na Argentina, o que é historicamente muito complicado para o clube. A única que aconteceu até hoje foi a vitória sobre o River Plate, no jogo de volta da semifinal da Libertadores de 2005. Pelo futebol apresentado, será complicado. O time precisa jogar mais se quiser sonhar. O Racing fica muito mais perto da vaga nas quartas de final. O São Paulo precisará do retorno dos jogadores ausentes e ainda conseguir um resultado que será histórico para o clube. Se a classificação vier, e não parece o mais provável no momento, precisará ser com um grande jogo.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo