Libertadores

Rodrygo e Sasha lideraram um Santos superior ao Nacional, mesmo com um a menos

O Santos encontrou-se em uma situação delicada na segunda rodada da fase de grupos da Libertadores. Após ter sido derrotado pelo Real Garcilaso, na estreia, vencia pela magra margem de 1 a 0, com um jogador a menos e todo o segundo tempo pela frente. Eis que surge Rodrygo, 17 anos, menino da Vila, e faz uma jogadaça para ampliar a vantagem, no segundo minuto da etapa final, e dar tranquilidade para a equipe de Jair Ventura completar sua boa atuação. Venceu o Nacional, no Pacaembu, por 3 a 1, com dois gols de Eduardo Sasha.

LEIA MAIS: Privatizar o Pacaembu é uma ideia perfeitamente justificável, mas que se faça direito

O primeiro tempo foi equilibrado, sem muitas chances de gol para nenhum dos lados. O Santos abriu o placar em falha do goleiro Conde, que não conseguiu defender uma cabeçada de Sasha que foi em sua direção. Citaddini, lançado por Gabriel, cruzou bem para Sasha, que se esticou e por pouco não marcou o segundo.

Gabigol tem jogado bem neste seu retorno ao Santos, mostrando que o futebol que o levou à Europa não desapareceu, apesar dos problemas que ele teve por lá. Mas a cabeça quente também continua a mesma. Cartões amarelos por reclamação são quase uma certeza para ele. Contra o Nacional, levou a primeira advertência por demasiada exaltação em lance em que nem estava envolvido. Pouco antes do intervalo, levou a segunda por chegar atrasado em uma ação defensiva no meio-campo.

A expulsão poderia ter complicado a vida do Santos, mas Rodrygo fez questão de impedir que isso acontecesse. O moleque saiu correndo pelo lado esquerdo, passou por dois marcadores e tocou entre as pernas de Conde para fazer um golaço. Foi um alívio, uma certa margem de segurança, para os donos da casa se defenderem nos minutos seguintes, sempre de olho no contra-ataque. E a atuação péssima do Nacional, incapaz de levar perigo mesmo com um homem a mais, contribuiu.

O terceiro gol poderia ter saído aos 27 minutos, quando Arthur Gomes, que havia entrado no lugar de Rodrygo, sofreu um pênalti. Ele mesmo bateu, para defesa de Conde, que também abafou o rebote. Jean Mota, em uma terceira tentativa, mandou para fora. O Nacional descontou com Oliva, mas, logo na sequência, Sasha recebeu boa bola de Alisson e bateu cruzado para assegurar os três pontos para o Santos, que se recupera bem da derrota na primeira rodada. No entanto, terá o importante desfalque de Gabriel para a viagem à Argentina, onde enfrentará o Estudiantes, no começo de abril.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo