Libertadores

River Plate travou o São Paulo no Morumbi, que fica com classificação ameaçada

O São Paulo conseguiu arrancar um empate do River Plate no Morumbi nos últimos minutos, em um jogo que terminou 2 a 2. A busca pelo empate diminuiu o tamanho do prejuízo do time, que ficou em situação difícil em termos de classificação. Jogará contra LDU e River Plate fora de casa e termina a fase de grupos contra o Binacional, no Morumbi. Precisará fazer resultados nos jogos fora para não ficar fora da próxima fase.

[foo_related_posts]

Sem Luciano, suspenso ainda pela expulsão no Gre-Nal, e Daniel Alves, machucado. Fernando Diniz escalou Igor Gomes e Hernanes junto a Gabriel Sara como titular, além de Vitor Bueno e a volta de Pablo. O River Plate não tinha seu lateral esquerdo, Casco, e colocou Fabrizio Angeleri no lugar.

Dominando a bola no início do jogo, o São Paulo abriu o placar aos 10 minutos. Reinaldo aproveitou cruzamento do outro lateral, Igor Vinícius, para bater de primeira. O chute foi torto, mas a bola desviou em Enzo Pérez e entrou: 1 a 0. A vantagem do time do Morumbi não durou muito. Aos 18 minutos, Matías Suárez dominou, tocou para Julián Álvarez, que cruzou para Rafael Borré finalizar livre dentro da área e marcar: 1 a 1. Foi o placar do primeiro tempo.

No segundo tempo, Diniz tirou Pablo e colocou Brenner no lugar do centroavante. Voltando de lesão, ele ainda não tinha condições de jogar os 90 minutos. Só que em campo, outros jogadores não faziam boa partida. Hernanes era um deles. O jogador, porém, continuou em campo e parecia sofrer para acompanhar o forte meio-campo do River, além de não conseguir fugir da marcação.

Desde o primeiro tempo, o River complicou muito a saída de bola do São Paulo, o que levou a muitos erros. Constantemente o São Paulo ficou arriscado de perder a bola e algumas vezes efetivamente a perdeu. O que acontecia é que a bola não saía limpa já do campo de defesa. E isso complicava as coisas para o time do Morumbi. Enquanto isso, o time argentino estava bem posicionado, defensivamente seguro. O São Paulo não conseguia chegar à área adversária.

O River chegou com perigo e, com a defesa do São Paulo perdida, fez o segundo gol. Lucas Martínez pegou o rebote de um cruzamento para a área e tocou para Julián Álvarez, livre dentro da área. Ele finalizou no alto, forte e marcou: 2 a 1 para o River, aos 35 minutos do segundo tempo.

Parecia um gol que daria a vitória ao River. O São Paulo não conseguia chegar bem ao ataque, embora tentasse na base do abafa. Em um lance de boa tabela e triangulação, o São Paulo conseguiu empatar. Reinaldo tocou para Hernanes, que achou um bom passe de volta para o lateral na linha de fundo. Ele cruzou na direção de Brenner, mas o Angeleri tocou na bola e marcou contra: 2 a 2.

Vitor Bueno, que fazia uma partida apagada, deixou o campo para a entrada de Paulinho Bóia. Jonas Toró entrou no lugar de Gabriel Sara. Fisicamente mais inteiros, os dois melhoraram o time. O São Paulo, porém, pressionava mais na base do abafa. O time se precipitava em alguns lances, fruto natural de um time muito jovem, e Hernanes, o veterano do time, não conseguiu dar o ritmo que o time precisava. Igor Gomes, que fez isso no primeiro tempo, não conseguia mais na reta final. O time perdeu energia e não conseguiu ameaçar o River. O jogo ficou mesmo empatado em dois gols.

A situação agora é complicada para o São Paulo. Na próxima rodada, no dia 22 de setembro, vai até Quito enfrentar a LDU, que já tem seis pontos – o São Paulo tem quatro. Na quinta rodada, o time paulista vai até Buenos Aires enfrentar o River Plate.

Por fim, na última rodada, volta ao Morumbi para jogar contra o Binacional. Por ter perdido para o Binacional, o São Paulo precisará de pontos fora de casa contra LDU ou River – ou talvez os dois – para ficar com uma vaga. Além, claro, de vencer o Binancional na última rodada, mas precisa chegar nessa última rodada precisando só de si. Longe de ser impossível, mas bastante perigoso. O São Paulo precisará ser mais constante nos jogos para que não sofra e fique fora da próxima fase.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo