Libertadores

O Inter se recuperou na Libertadores com uma vitória contundente, amassando o Táchira no Beira-Rio

O Internacional precisava de uma resposta imediata na Libertadores, diante da derrota na estreia contra o Always Ready. Dentro do Beira-Rio, os colorados tinham o favoritismo contra o Deportivo Táchira. E o time de Miguel Ángel Ramírez correspondeu, com uma vitória de muita autoridade. O resultado foi encaminhado já no primeiro tempo, com os 4 a 0 no placar garantidos por uma exibição firme. Cuesta e Galhardo tiveram participações importantes no triunfo, assim como Patrick, que aproveitou muito bem a nova chance como titular.

O Internacional mais uma vez entrava no 4-3-3, com a volta de Patrick na ponta esquerda. Taison era outra novidade, mas apenas no banco de reservas, recuperando o ritmo. Quando a bola rolou, o domínio do Inter ainda levou algum tempo para engrenar e o time cometeu erros defensivos, que não se tornaram tão custosos. Mas, com o passar dos minutos, as trocas de passes começaram a fluir e as chances se tornaram mais frequentes. Maurício quase tinha aberto o placar aos 19, mas o goleiro Christopher Varela salvou. Logo na sequência, Rodinei cobrou escanteio e Cuesta cabeceou firme, para abrir o placar. Cuesta ainda poderia ter feito o segundo, mas Varela salvou a nova cabeçada quase em cima da linha.

O gol pareceu abrir a porteira para o Inter, que já chegaria ao segundo com 24 minutos. Galhardo fez uma grande jogada, ao arrancar até a área e tirar a marcação. O chute de Maurício foi travado, mas Patrick emendou o rebote de primeira e balançou as redes. A comemoração teve a máscara do Pantera Negra. O Deportivo Táchira até saiu um pouco mais ao jogo depois disso, assustando numa batida de Nelson Hernández. Contudo, os aurinegros também cediam espaços e os avanços gaúchos geravam preocupações constantes. Quando chegou novamente com força, o Inter guardou o terceiro aos 42. Lançado por Cuesta, Galhardo fintou a marcação e mandou para dentro.

A rotação do Inter até parecia um pouco mais baixa no segundo tempo, mas os colorados permaneciam com as melhores oportunidades. Patrick carimbou o goleiro de frente para a meta, antes que Varela fizesse uma grande defesa em cabeçada de Dourado aos 12. A vida dos anfitriões só se complicou um pouco mais aos 13, quando Palacios cometeu falta no limite da grande área e recebeu o segundo amarelo, deixando a equipe com um homem a menos. Logo Miguel Ángel Ramírez realizaria duas alterações, com as entradas de Yuri Alberto e Marcos Guilherme, nos lugares de Galhardo e Patrick.

A desvantagem numérica não significava uma pressão sistemática do Deportivo Táchira. Pelo contrário, o Inter continuava encontrando espaços para atacar em velocidade. A bola até permanecia mais com os venezuelanos, mas dava para acreditar no quarto. Aos 28, sairiam também Rodinei (lesionado) e Edenílson, com as incursões de Heitor e Nonato. E o próximo gol nasceu mesmo num contragolpe, aos 30. Lançado com liberdade, Yuri Alberto ganhou da marcação e bateu na saída do goleiro. Varela salvaria o quinto pouco depois, numa bela trama concluída por Nonato. Por fim, Zé Gabriel precisou sair com dores, adiando a reestreia de Taison. Nada que atrapalhasse a festa. Ainda cabia o quinto, mas a zaga afastou quase em cima da linha mais um de Yuri Alberto.

O Internacional se emparelha na liderança do Grupo B. Os colorados chegam aos três pontos, igualados a Always Ready e ao próprio Deportivo Táchira. O complemento da segunda rodada acontece na quinta-feira, quando o Olimpia recebe o Always Ready em Assunção. Na próxima semana, o Inter receberá os paraguaios no Beira-Rio, fechando a primeira metade da campanha na fase de grupos.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo