Libertadores

O Fluminense conquistou uma vitória gigante no Monumental e se classificou em primeiro, ao lado do River

Precisando da vitória para não depender de ninguém, Fluminense teve uma grande atuação, sobretudo no primeiro tempo

Se o River Plate viveu um épico na rodada anterior da Libertadores, desta vez o Fluminense desfrutou de uma noite memorável no Monumental de Núñez. Os tricolores não tinham um goleiro improvisado pela frente, mas se impuseram contra um adversário com desfalques e construíram uma vitória maiúscula, justo no aniversário de 120 anos dos millonarios. O primeiro tempo guardou a melhor atuação do Flu na temporada, com dois gols e a maestria de Fred para servir seus companheiros com assistências. Já no segundo tempo, uma expulsão atrapalhou ainda mais as pretensões dos argentinos. Com o triunfo por 3 a 1, o Tricolor não apenas confirma a classificação que estava em xeque, como também sai com a liderança do grupo.

O River Plate não precisou recorrer a Enzo Pérez no gol desta vez. Franco Armani estava recuperado da COVID-19. Da mesma forma, novidades importantes vinham com as voltas de Nicolás de la Cruz e Rafael Santos Borré. Apesar disso, a lista de ausentes por conta da doença ainda era ampla. Já o Fluminense também mudava em relação à derrota para o Junior. Caio Paulista e Gabriel Teixeira eram opções no ataque desde o início, com Nenê de volta à armação.

O Fluminense começou o jogo disposto a tirar proveito das limitações do River Plate e da falta de ritmo dos jogadores. A equipe abafava desde os primeiros minutos, com Luccas Claro e Nino mandando para fora em bolas aéreas perigosas. Quando os millonarios chegaram, porém, Marcos Felipe também precisou fazer duas defesas ótimas em sequência – rebatendo o chute de De la Cruz e depois brecando Borré. O susto seria pontual, ainda assim. O Flu buscava o resultado no campo do adversário e não demoraria a sair em vantagem.

O gol veio aos 22 minutos. Fred fez as vezes de armador, aberto pela direita, e deu uma linda bola para Caio Paulista. O atacante passou livre na área e mandou para dentro. O River tentou responder na sequência e Jorge Carrascal fez um carnaval na esquerda, mas sua pancada explodiu na trave de Marcos Felipe. Então, o Tricolor se refez do susto com o segundo gol aos 29. Fred lançou com maestria e Nenê seria o responsável pela finalização. Numa batida seca com pouco ângulo, o veterano ainda contou com um desvio para vencer Armani. A impressão era de que dava para sair mais. Mesmo que o Flu se contivesse, teve outras oportunidades e Nenê acertou o lado de fora da rede numa cobrança de falta. Era uma noite perfeita aos cariocas.

O River Plate começou o segundo tempo com três mudanças, colocando três titulares recuperados da COVID-19. Nada que diminuísse a sede do Fluminense, que só não marcou o terceiro porque Yago Felipe acertou o travessão logo aos seis minutos. Que os millonarios tivessem mais a bola, o Flu se fechava bem e não dava muitos espaços às finalizações. Além disso, as escapadas ao ataque criavam problemas. Prova disso veio com a expulsão de Jonathan Maidana aos 22, ao deixar o cotovelo em cima de Caio Paulista na entrada da área. Com um a menos, ficaria mais difícil ao River.

O Fluminense pôde dosar melhor suas forças na reta final e realizou diversas substituições, incluindo a entrada de Abel Hernández e Luiz Henrique. O River, de qualquer forma, não é time de desistir fácil. Os millonarios seguiam lutando e tinham seus melhores momentos mandando a bola na área para tentar uma desesperada reação. Neste momento, uma vitória do Junior no jogo paralelo eliminaria os argentinos, mas os colombianos só empatavam. Aos 40, o River se reavivou quando Federico Girotti se antecipou a um cruzamento rasteiro e mandou para dentro. A tensão aumentou para a reta final. Mas, nos acréscimos, o Flu definiu a vitória com seu terceiro gol. Abel Hernández achou Yago Felipe livre e o meio-campista deu uma linda finalização de trivela na saída de Armani.

O Fluminense cumpriu sua parte para avançar na liderança do Grupo D. O desempenho fora de casa teve um peso tremendo no sucesso tricolor e a equipe passou com 11 pontos, sete deles somados longe de seus domínios. Já o River Plate ficou em segundo mesmo, com nove pontos. O Junior não fez o mínimo contra o Independiente Santa Fe e o empate por 0 a 0 eliminou ambos. Com sete pontos, ao menos, o clube de Barranquilla acaba repescado à Copa Sul-Americana.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo