Libertadores

Não deu para alcançar a liderança, mas a vitória tranquila do São Paulo aumenta mais a alegria no Morumbi

São Paulo entrou com reservas e conquistou um triunfo fácil diante do Sporting Cristal, com três gols e três bolas na trave

O São Paulo atravessa uma semana de êxtase. Se o Campeonato Paulista não figura na primeira prateleira de títulos mais cobiçados, não se nega sua representatividade pelo fim do jejum e pelo desafogo tricolor. Já nesta terça-feira, com reservas, o time de Hernán Crespo emendou mais uma boa atuação. A equipe recebeu o Sporting Cristal no Morumbi, já classificada aos mata-matas da Libertadores, e venceu por 3 a 0. Só não deu para terminar na liderança, com o triunfo paralelo do Racing sobre o Rentistas. Mesmo assim, não é a segunda colocação que tira a empolgação são-paulina em meio ao momento positivo.

Depois da conquista do Paulistão, Crespo poupou seus titulares para pegar o Sporting Cristal. A grande novidade era o retorno de Hernanes à equipe titular. E o passeio tricolor não demorou a começar, com uma atuação muito tranquila desde o primeiro tempo. Apesar dos minutos iniciais travados, logo o São Paulo encontrou os primeiros espaços. Rojas carimbou a trave aos 17 e a insistência se seguia. Assim, ficou mais fácil de abrir o placar logo cedo. Aos 25, Hernanes cobrou escanteio e Bruno Alves cabeceou para dentro, em testada que ainda pegou na trave. Era o sinal claro da calmaria são-paulina.

Mesmo que jogasse pela vaga na Copa Sul-Americana, o Sporting Cristal produzia pouco. A partida estava nas mãos do São Paulo, que trabalhava no campo de ataque e não tinha medo de arriscar. Se a intensidade dos tricolores não precisava ser das maiores, muitos jogadores aproveitavam a chance para aparecer. Rojas ainda tentaria outras vezes o seu gol, sem sucesso antes do intervalo. Já Hernanes não fazia uma atuação impecável, mas aparecia entre os mais participativos dos são-paulinos.

Paralelamente, o Racing vencia seu jogo e ia ficando com a liderança. No segundo tempo, Crespo realizou mudanças para dar mais ímpeto ao ataque, com Galeano e Vítor Bueno. O São Paulo passou a tentar mais e Diego Costa mandou mais uma bola na trave. A equipe se acendia e o goleiro Alejandro Duarte fazia boas defesas aos peruanos. Já aos 23, Rojas conseguiu seu tento com muita classe. Depois do lançamento de Rodrigo Nestor, o equatoriano acertou um lindo chute de fora da área, longe do alcance do goleiro. E levaria pouco tempo para a festa se ampliar ao Morumbi.

Aos 25, Vitor Bueno também deixou o seu e anotou o terceiro do São Paulo. Numa jogada de substitutos, Galeano serviu e seu parceiro na frente resolveu, ao dominar e tirar do goleiro. A vitória estava decretada. Com o Sporting Cristal entregue, o Tricolor tinha muita liberdade e a impressão era de que uma goleada poderia sair sem tantas dificuldades – com direito a mais uma bola no travessão, de Diego Costa, aos 30. Todavia, os anfitriões também tiraram o pé do acelerador e administraram um pouco mais o resultado no fim. O placar bastava para a empolgação.

O São Paulo encerra sua campanha na fase de grupos com 11 pontos. Não foi o melhor desempenho, mas os riscos foram limitados dentro de um grupo acessível. A primeira colocação, ainda assim, ficou com o Racing – somando 14 pontos após os 3 a 0 sobre o Rentistas. O Sporting Cristal, com quatro pontos, vai à Copa Sul-Americana. E o resultado seguro no Morumbi infla um pouco mais a confiança tricolor antes do início do Brasileirão.

<iframe width="100%" height="580" src="https://www.sofascore.com/pt/evento/9470695/formacoes/inserir" frameborder="0" scrolling="no" style="max-width: 770px"></iframe>    <div style="font-size:12px;font-family:Arial,sans-serif"><a href="https://www.sofascore.com/pt/GOscW" target="_blank" rel="noopener">Placar ao Vivo São Paulo - Sporting Cristal</a></div>

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo