Libertadores

Nacional-URU e Atlético Nacional proporcionaram um épico na Libertadores: 4×4 cheio de reviravoltas em Montevidéu

Nacional de Montevidéu x Atlético Nacional era um encontro pela Libertadores que, por sua tradição, merecia atenção especial. O momento pode não ser dos melhores, com os uruguaios saindo de uma temporada instável (mesmo terminando com o título no final) e os colombianos classificados a partir das preliminares. Mas, num grupo equilibrado, seria um jogo decisivo. E, no fim das contas, a noite no Gran Parque Central guardou uma das partidas mais emocionantes da Libertadores nos últimos anos. Entre reviravoltas, o empate por 4 a 4 dimensiona bem a insanidade e não deixa nenhum dos lados de mãos abanando. Gonzalo Bergessio, com uma tripleta pelos tricolores, e Andrés Andrade, criando a maioria dos lances dos verdolagas, foram os melhores em campo.

Treinado por Alexandre Guimarães, o Atlético Nacional merece respaldo, mesmo saindo da pré-Libertadores. Os Verdolagas têm bons jogadores. Passaram por Guaraní e Libertad para confirmar a classificação à fase de grupos, enquanto a estreia guardou uma boa vitória sobre a Universidad Católica. Já o Nacional inicia sua nova campanha com o título recente no Campeonato Uruguaio, faturado mesmo sem conquistar o Apertura ou o Clausura. O técnico Alejandro Capuccio é uma boa novidade na beira do campo, embora o grande reforço seja Andrés D’Alessandro. O camisa 10, porém, não evitou a derrota por 2 a 0 contra o Argentinos Juniors na estreia e desta vez ficou só no banco.

O primeiro tempo no Gran Parque Central já seria prolífico e proporcionaria um grande jogo. Foram 21 finalizações só na primeira etapa. O Atlético Nacional teve mais a bola e criou mais chances, mas não sustentou sua vantagem por muito tempo. Depois que o Nacional já tinha mandado uma bola na trave, os Verdolagas pressionaram e abriram o placar aos oito minutos, num cruzamento de Jefferson Duque para Jarlan Barrera definir de cabeça. Contudo, quatro minutos depois, o artilheiro Gonzalo Bergessio apresentou seu cartão de visitas e empatou para o Bolso.

O Nacional quase virou, em bola salva em cima da linha por Yerson Mosquera. Só depois o Atlético Nacional passou a dominar, parando no goleiro Guillermo Centurión. O caldo engrossou um pouco mais para os uruguaios aos 42, quando Guzmán Corujo deixou o corpo sobre Mosquera dentro da área e recebeu o vermelho direto – em decisão que pareceu exagerada. Com um a mais, os colombianos não demoraram a capitalizar. Depois de uma linda troca de passes, Andrés Andrade aproveitou um rebote e anotou o segundo aos 47. Só que, de novo, os Verdolagas cederam o empate. O Bolso igualou aos 49, numa jogadaça do ex-colorado Leandro Fernández. O argentino fintou a marcação e chutou com raiva, em tiro que tocou no travessão antes de entrar.

E quem pensava que o Nacional não teria forças para aguentar a pressão com um a menos se enganou. Os tricolores voltaram ao segundo tempo aproveitando melhor os espaços e consumariam a virada. O terceiro veio aos seis minutos, num cruzamento de Camilo Cándido que Bergessio completou de cabeça. O Atlético Nacional até realizou duas mudanças, mas antes disso o Bolso marcaria o quarto, na tripleta de Bergessio aos 19. Desta vez, Fernández cobrou falta e o artilheiro de novo resolveu de cabeça.

Foi apenas na reta final do jogo que a desvantagem numérica pesou ao Nacional. Os uruguaios não conseguiriam preservar a vantagem, diante da pressão do Atlético Nacional – que tinha mais volume e arriscava, mas demorou a acertar o pé. O terceiro gol dos colombianos foi uma besteira de Renzo Orihuela, que se antecipou ao goleiro Centurión e cabeceou contra as próprias redes aos 29. Já no fim, a perseverança dos Verdolagas deu resultado, com o empate aos 40. Dois destaques da equipe participaram da jogada. Andrade fez uma linda jogada pela direita e cruzou para Barrera chutar no canto. Ainda quase deu para Barrera virar, mas seu tiro passou a centímetros da trave. O empate saiu de bom tamanho a ambos, ainda mais pela emoção.

O Atlético Nacional lidera o Grupo F da Libertadores, com quatro pontos. O Nacional soma o seu primeiro ponto e já vive uma situação delicada. A rodada será complementada nesta quinta, quando a Universidad Católica receberá o Argentinos Juniors no Chile. A única chave sem brasileiros promete uma das disputas mais emocionantes desta edição.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo