Libertadores

Libertad ficou a um fio da eliminação, mas encontrou um gol salvador no fim para avançar no saldo

O Grupo H da Libertadores terá um segundo classificado às oitavas de final da Libertadores basicamente porque precisa ter um. Afinal, o grande mérito do Libertad foi, na última rodada, ter perdido de menos do Independiente de Medellín do que o Caracas perdeu do Boca Juniors – e isso graças a um gol salvador aos 34 minutos do segundo tempo que diminuiu a derrota dos paraguaios para 4 a 2 e foi suficiente para assegurar a vaga no saldo de gols.

Os dois candidatos à segunda vaga chegaram empatados em sete pontos e em um gol negativo de saldo. O Caracas levava vantagem nos gols marcados – 8 x 6. Esteban Andrada precisou defender um pênalti dos venezuelanos nos primeiros minutos, mas o Boca Juniors fez valer sua superioridade construindo a vitória por 3 a 0 ainda no primeiro tempo.

Lisandro López abriu o placar com uma forte cabeçada, e Tevez apareceu na entrada da pequena área para desviar de carrinho o cruzamento rasteiro de Frank Fabra. A um minuto do fim da etapa inicial, Carlitos marcou novamente. Recolheu uma bola dividida, deu um tapa para invadir a área e bateu firme.

Enquanto isso, o Libertad havia feito 1 a 0, aos quatro minutos, com um chutaço de Adrián Martínez no ângulo. Chutaço? Larry Angulo ficou com inveja e empatou com um melhor ainda, da intermediária, e empatou a partida. Com o placar do outro jogo, os paraguaios poderiam até perder por dois gols de diferença. Era só não relaxar demais.

Pois bem. Entre os 15 e os 18 minutos do segundo tempo, José Estupiñán acertou outro lindo chute de média distância e Javier Reina fez 3 a 1 – adivinha como? – com uma batida de canhota de fora da área. O Libertad ainda estava passando, na conta do chá, só não poderia levar outro gol e aí… levou outro gol. Reina deu um belo passe da intermediária e deixou Carlos Monges livre na entrada da área. Bastou tocar na saída de Martín Silva.

O Libertad estava a 20 minutos de uma eliminação vexatória, mas conseguiu encontrar o gol que precisava. Daniel Bocanegra cruzou da direita, Óscar Cardozo ajeitou de cabeça para Sebastián Ferreira dominar e girar batendo no canto.

Foi um belo gol, e também um gol muito importante. Libertad e Caracas ficaram nos sete pontos, mas os paraguaios chegaram a três gols negativos de saldo, contra quatro dos venezuelanos. Foi por pouco, hein?

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo