Libertadores

Grupo F da Libertadores: o Palmeiras pegou sua chave mais difícil dos últimos anos

Em busca de seu quarto título, Palmeiras é favorito a ser líder do grupo, mas não há dúvidas de que a chave deste ano é mais difícil do Alviverde desde 2016

Um dos principais times a serem batidos no continente desde 2020, o Palmeiras, por mais um ano, é o grande favorito a ser o líder de seu grupo na Copa Libertadores. Mas, tanto por tradição quanto por comprovada qualidade técnica dos adversários, o time de Abel Ferreira terá seu maior desafio da série de participações consecutivas iniciadas em 2016.

Confira a situação de cada time do Grupo F no guia especial da Libertadores da Trivela.

Grupo F: Palmeiras, Independiente del Valle, San Lorenzo e Liverpool

Palmeiras

Palmeiras na Libertadores

  • Participações: 24
  • Títulos: 3
  • Última participação: 2023
  • Melhor participação: Campeão (1999, 2020, 2021)

Obsessão de sua torcida, comissão técnica e diretoria, a Libertadores é sempre o maior objetivo do Palmeiras ano após ano. Em 2024, o Verdão quer espantar a sina de parar nas semifinais, como aconteceu diante do Athletico-PR e do Boca Juniors, nos dois últimos anos.

Com a mesma espinha dorsal desde a chegada de Abel ao clube, o Palmeiras vive um primeiro semestre muito bom, calcado nos desempenhos individuais de Endrick, Flaco López e Aníbal Moreno.

Independiente del Valle

Independiente del Valle na Libertadores

  • Participações: 10
  • Títulos: Nenhum
  • Última participação: 2023
  • Melhor participação: vice-campeão (2016)

O Del Valle faz um bom ano. Em três rodadas do seu atual campeonato Nacional, tem três vitórias em três jogos. Na temporada passada, porém, perdeu o Equatoriano para a LDU. Depois de um 0 a 0 na ida, como mandante, e um 1 a 1, fora de casa, levou um 3 a 0 na disputa por pênaltis. Campeão da Recopa Sul-Americana em 2023, o time, que passa por um processo de renovação, tem um histórico bem desfavorável contra o Palmeiras.

Foram apenas dois jogos, mas, além de perder as duas, pela Libertadores de 2021, levou 5 a 0 no Allianz Parque — 1 a 0 em Quito. Além do conhecido no Brasil Junior Sornoza, o time equatoriano tem como destaque Kendry Paez, garoto que vive situação bem parecida à de seu quase xará palmeirense Endrick. Aos 16 anos, ele já foi negociado com o Chelsea (por 10 milhões de euros, valor muito mais modesto, é verdade), ao qual se apresentará somente aos 18.

San Lorenzo

San Lorenzo na Libertadores

  • Participações: 18
  • Títulos: 1
  • Última participação: 2021
  • Melhor participação: Campeão (2014)

A tradicional equipe, que tem o vencedor do Oscar Viggo Mortensen e o Papa Francisco na torcida, vive algumas turbulências internas. Ídolo do clube, o técnico Ruben Insua acusou uma movimentação para tentar fritá-lo. Em entrevista coletiva, ele disse haver grupos que desejam sua ruína e demissão.

Curiosamente, o clube passou por uma recente eleição, na qual todos os candidatos fizeram um pacto em torno da manutenção do treinador, independentemente do eleito — venceu Marcelo Moretti, 48, um jovem advogado e empresário do ramo da gastronomia. Os resultados em campo não são mesmo grande coisa. Com 12 pontos em dez jogos, está em 9º no Grupo B do Nacional argentino. No ano, em treze jogos, tem quatro vitórias, seis empates e apenas três vitórias. Uma das derrotas foi para o Vasco, em amistoso jogado no dia 18 de janeiro.

Liverpool

Liverpool na Libertadores

  • Participações: 3
  • Títulos: Nenhum
  • Última participação: 2023
  • Melhor participação: Fase de grupos, em 2023

Atual campeão uruguaio e da Supercopa local, o Liverpool vive um começo de temporada complicado. No Uruguaio, ainda não conseguiu sair de campo com três pontos, em cinco partidas disputadas. No momento da publicação desse texto, é o 11º de uma tabela que conta com 16 clubes.

A última vitória da equipe de Montevidéu aconteceu em 6 de fevereiro, com um 1 a 0 sobre o Nacional, pelas oitavas da Copa Uruguaia. Mas, nas quartas de final, o time já foi eliminado, pelo Peñarol, com um 3 a 1.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo