Libertadores

Elenco do Flamengo apoia Andreas Pereira: “Independente de quem erra, todos erramos”

O meia de 25 anos errou o domínio no lance que terminou com o gol da vitória do Palmeiras em Montevidéu

*Direto de Montevidéu

Cometer um erro que resulta em gol do adversário e na derrota da sua equipe é difícil em qualquer situação. Muito mais na prorrogação de uma final de Libertadores. A noite será dura para Andreas Pereira, meia do Flamengo que começou muito bem na Gávea, mas agora terá que lidar com o momento em que perdeu a bola para Deyverson, no campo de defesa, antes do segundo gol da derrota rubro-negra por 2 a 1 no Estádio Centenário de Montevidéu.

Pelo menos, ele pode contar com o apoio do restante do elenco. “Ele está abalado. Deve estar muito abalado”, afirmou Filipe Luis, substituído ainda no primeiro tempo por lesão. “Mas é um grande jogador, tem muita qualidade. No tempo dele, ele vai se recuperar e poderá fazer outras grandes temporadas. Todos nós perdemos essa final”.

“Nós sempre entramos em campo para acertar, mas por mais concentrados, estamos sujeitos a erros”, acrescentou o meia Diego, que ficou no banco de reservas. “Passamos para ele que estamos juntos. Independente de quem erra, todos nós erramos. A vitória é nossa, a derrota também”.

Arrascaeta caracterizou o lance como um acidente de trabalho. “Já aconteceu comigo. Temos que estar perto dele, apoiar muito. É um jogador muito importante para nós. Estava fazendo uma grande partida, mas o futebol tem isso. Infelizmente aconteceu com ele. Faz parte. Levantar a cabeça e continuar”, disse.

O goleiro Diego Alves, que quase defendeu o chute de Deyverson com o pé, também expressou solidariedade. “É difícil o momento que o Andreas está passando. A gente tenta confortar. Não tem um culpado. Sabemos que às vezes a imprensa quer buscar um culpado, mas isso pode acontecer no futebol. Em campo, pode acontecer de tudo. Infelizmente, foi uma situação contra nós. Em 2019, Conseguimos comemorar o título em dois ou três minutos, e dessa vez perdemos em um detalhe que com certeza vai servir de aprendizado para ele”, afirmou.

Já David Luiz, que passou por uma ou outra situação como essa na carreira, disse que o futebol tem dessas coisas mesmo. “Ele é um menino de ouro. Vem fazendo uma temporada tremenda. Fez um jogo fantástico, e um lance e tudo vai por água abaixo. A única coisa que eu falei para ele é que, por mais que analisem somente esse lance, não perdemos por causa disso. Nossa visão tem que ser mais profunda e ampla”, cobrou.

“Fico triste porque ele é um grande amigo, um grande jogador e porque nós merecíamos mais. E ter a humildade de reconhecer que o Palmeiras veio com uma estratégia de jogar nos nossos erros e  aconteceu. É um grande adversário, que propôs um jogo mais defensivo. Faltaram detalhes. Se uma bola entra, aquelas que passaram pertinho, tudo mudaria. O futebol é dessa forma. É a bola que bate na rede. O que cabe a nós é nos reerguer”, completou.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo