Libertadores

Dono do confronto, o Talleres despacha o Colón em Santa Fe e chega com moral às quartas de final

O empate em Córdoba não parecia tão bom ao Talleres, até pela superioridade do time, mas o Matador se impôs também na visita a Santa Fe

O Talleres está nos livros de história das competições continentais como o último campeão da Copa Conmebol. Pela Libertadores, no entanto, o histórico de La T é bem mais modesto. Esta é apenas a terceira participação dos cordobeses no torneio e, nas duas anteriores, a equipe não tinha conseguido alcançar os mata-matas. A barreira foi quebrada em 2022, para que o Matador desse também um passo além rumo às quartas de final. A classificação inédita nesta quarta-feira, para se colocar entre os oito melhores do certame, foi irreparável. Novamente o Talleres jogou bem melhor que o Colón e derrubou os santafesinos em pleno Cemitério de Elefantes. O triunfo por 2 a 0 marca um momento inesquecível para o clube de Córdoba.

O Colón até saiu no lucro durante a partida de ida. Dentro de casa, o Talleres foi muito melhor e criou bem mais chances, mas saiu em desvantagem e precisou buscar o prejuízo. O empate por 1 a 1 não parecia o melhor dos mundos para La T, especialmente pela força que os santafesinos costumam ter em casa. Porém, os cordobeses não se intimidaram com o clima dentro do Cemitério de Elefantes. A equipe de Pedro Caixinha foi superior e teve muito mais contundência, diante da crise recente que abala os sabaleros.

Durante o primeiro tempo, o Talleres já se impôs em Santa Fe, mas não conseguiu o gol. O goleiro Ignacio Chicco realizou defesas importantes na meta do Colón, teve ajuda da zaga para salvar a bola quase sobre a linha e as oportunidades desperdiçadas pareciam ter seu preço para os cordobeses, especialmente depois do que tinha acontecido na partida de ida. Por sorte, os santafesinos não tinham muitas ideias além das bolas longas para Wanchope Ábila. O alívio dos visitantes veio com o primeiro gol de La T logo na abertura do segundo tempo, aos dois minutos. Matías Godoy fez a jogada pela esquerda e tocou rasteiro para Federico Girotti fuzilar.

O resultado aumentava a pressão sobre o Colón. Os sabaleros precisavam sair ao ataque e tinham mais a bola, mas encontravam muitas dificuldades para criar suas chances. Mesmo a categoria de Pulga Rodríguez não era suficiente, limitado a bolas paradas. Ábila perdeu uma chance quando poderia partir sozinho, mas deu tempo à recuperação da marcação. E a entrada de Facundo Farías, estranhamente relegado ao banco, não resolveu. O Talleres, por outro lado, era mais perigoso. Ainda teve o domínio nos minutos posteriores ao gol e, mais para o final, quando os sabaleros abafavam, aproveitou a abertura nos contragolpes. O segundo gol saiu nos acréscimos, aos 52, com dois jogadores que saíram do banco. Após a recuperação no campo de ataque, Diego Ortegoza deu o passe na medida, para o chute cruzado de Ángelo Martino entrar rasante.

O Colón tinha o rótulo de líder de seu grupo, mas foi amplamente dominado pelo Talleres no confronto. Os placares até não dão a melhor dimensão do que foi a diferença entre os dois times, especialmente pela quantidade de chances criadas pelos cordobeses. É provável que, de novo, La T parta sem tanta atenção às quartas de final contra o Vélez. O time de Pedro Caixinha, porém, cresce na competição e se mostra faminto por continuar fazendo história.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo