Libertadores

Desta vez Hulk converteu o pênalti e colocou o Atlético Mineiro nas quartas de final

O craque do Galo marcou na reta final do jogo de volta contra o Emelec e levou o Mineirão à loucura

Um pênalti convertido por Hulk, aos 34 minutos do segundo tempo, tirou a torcida que transformou o Mineirão mais uma vez em caldeirão e garantiu a vitória por 1 a 0 do Atlético Mineiro sobre o Emelec que avança o Galo às oitavas de final da Libertadores. Apesar da superioridade dos donos da casa, foi um duelo tenso, decidido em um momento no qual o empate parecia inevitável.

No Equador, Hulk havia decepcionado na mesma situação: um pênalti nos minutos finais para arrancar a vitória do Atlético. Dessa vez, chapou com determinação e precisão no canto direito do goleiro Pedro Ortíz, que havia feito boas defesas no primeiro tempo para frustrar os mineiros. Se o sistema defensivo funcionou direitinho, os visitantes pouco fizeram para ameaçar o goleiro Éverson.

Ainda assim, a partida caminhava empatada até o pênalti cometido em um toque de mão de Eddie Guevara, durante uma jogada de Vargas pela direita, e o risco era palpável. O domínio do Atlético Mineiro sempre foi amplo. Faltou converter as oportunidades, e isso teve também o dedo do goleiro Ortíz.

Aos 15 minutos, por exemplo, Hulk recebeu ótima bola de Vargas dentro da área. Mesmo bem marcado, encontrou espaço para chapar no canto mais distante. Ortíz se esticou para fazer grande defesa. Na cobrança do escanteio, Rubens desviou na primeira trave e quase alcançou Calebe na segunda, mas o Emelec conseguiu o corte. Alguns minutos depois, Ortíz fez outra grande intervenção em cabeçada de Junior Alonso, após cobrança de escanteio curta.

O Galo chegava com frequência, Hulk mais uma vez sobrava em campo, especialmente nas arrancadas. Faltou um pouco de sofisticação na criação das jogadas, capricho no passe, para criar oportunidades mais claras. Das 21 finalizações atleticanas, apenas cinco foram no alvo. A de Calebe, aos três minutos da etapa final, foi para fora – mas bem por pouco. Um chute colocado de fora da área muito perigoso.

Turco Mohammed lançou Eduardo Sasha e Matías Zaracho aos 15 minutos. Foi um momento de pressão mais estéril. O Emelec até acertou uma finalização, sua única na partida, com uma batida de longe de Sebastián Rodríguez, sem problemas para Éverson. O Galo teve escanteios e pediu pênalti, alegando toque de mão, antes de conseguir o que se transformou no gol de Hulk, na marca da meia hora.

O Emelec foi obrigado a sair um pouco mais. Não passou de bolas lançadas à área. Deu alguns espaços ao Atlético, que alternou a busca pelo segundo gol com o amadurecimento para administrar os minutos finais e garantir a festa das milhares de pessoas que comemoraram a classificação no Mineirão.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo