Libertadores

Decisão da Libertadores será a quarta final entre Palmeiras e Santos; relembre as anteriores

Após 14 anos, a final da Libertadores será entre duas equipes brasileiras: Palmeiras e Santos carimbaram a vaga para a decisão do maior torneio do continente nesta semana. O Verdão perdeu para o River Plate, mas se classificou graças à vitória por 3 a 0 em na Argentina. Já o Peixe atropelou o Boca Juniors por 3 a 0 na Vila.

Tanto Palmeiras quanto Santos disputarão a final da Libertadores pela quinta vez na história, igualando o Grêmio e ficando atrás apenas do São Paulo (6) entre os clubes nacionais. Será a primeira vez que os dois times protagonizam a decisão da Taça entre eles – mas os dois já estão acostumados a decidir troféus.

Conforme levantamento do Sites de Apostas, Palmeiras e Santos já estiveram envolvidos em três finais de campeonato, com uma leve vantagem do time alviverde, que venceu duas delas, ou seja, levou a melhor em 66% das ocasiões. A última delas também foi vencida pelo Verdão, em 2015. Relembre todas as decisões entre as duas equipes.

Campeonato Paulista 1959

O time do Palmeiras, campeão do Paulilsta de 1959 (Reprodução/Revista Manchete

Nos anos 50 e 60, Palmeiras e Santos dominaram o cenário do futebol brasileiro com grandes esquadrões. No entanto, o Campeonato Paulista era disputado por pontos corridos e não havia finais. A exceção aconteceu 1959, já que Santos e Palmeiras terminaram empatados. Foi necessário, portanto, realizar partidas extras para determinar o campeão — ou seja, houve final.

Na primeira partida, disputada no Pacaembu, empate por 1 a 1. Pelé abriu o placar para o Peixe, mas Zequinha deixou tudo igual ainda na primeira etapa. O segundo jogo, também no Pacaembu, também terminou em igualdade, desta vez por 2 a 2. Pepe marcou dois de pênalti para o alvinegro praiano, mas Getúlio (contra) e Chinesinho decretaram o empate.

A decisão, portanto, ficou para um terceiro jogo, novamente disputado no Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu, em 10 de janeiro de 1960. Pelé deixou o Santos em vantagem logo nos 15 primeiros minutos, mas Julinho Botelho e Romeiro viraram o jogo para o Palmeiras. A vitória por 2 a 1 garantiu ao Verdão seu 13º título paulista.

O time campeão foi dirigido por Osvaldo Brandão e teve como base a seguinte escalação: Valdir de Moraes; Djalma Santos, Valdemar Carabina, Aldemar e Geraldo Scotto; Zequinha e Chinesinho; Julinho Botelho, Américo Murolo, Romeiro e Nardo.

Campeonato Paulista 2015

O time do Santos campeão paulista em 2015 (Divulgação)

Os dois clubes só voltaram a se encontrar em uma decisão de campeonato 56 anos mais tarde, novamente no Paulistão. Na ocasião, o Peixe chegava à sua sétima final seguida, enquanto o Palmeiras voltava a disputar a decisão após sete anos.

No jogo de ida, realizado no Allianz Parque e com muita polêmica de arbitragem, o Verdão derrotou o Peixe por 1 a 0, com gol do atacante Leandro Pereira, e saiu em vantagem na decisão. Bastava um empate em Santos para ficar com a taça.

A segunda partida da decisão foi disputada em 3 de maio, na Vila Belmiro. O time da casa abriu 2 a 0 logo no primeiro tempo, com gols de David Braz e Ricardo Oliveira, mas Lucas descontou na etapa final. Com 2 a 1 para o Santos, a final foi decidida nos pênaltis.

O goleiro santista Vladimir defendeu a cobrança de Rafael Marques, e Jackson mandou na trave. O Santos foi perfeito nas penalidades e, com 4 a 2 a favor, conquistou 21º título paulista de sua história.

O time campeão foi comandado por Marcelo Fernandes, que substituiu o demitido Enderson Moreira durante a campanha. A escalação da final foi a seguinte: Vladimir; Victor Ferraz, Werley (Gustavo Henrique), David Braz e Chiquinho; Valencia (Leandrinho), Renato e Lucas Lima; Geuvânio, Robinho (Cicinho) e Ricardo Oliveira.

Copa do Brasil 2015

O time do Palmeiras, campeão da Copa do Brasil em 2015 (Divulgação)

Quis o destino que Palmeiras e Santos voltassem a decidir uma competição no mesmo ano. Dessa vez a taça em jogo era a da Copa do Brasil, primeira decisão nacional entre os rivais paulistas.

O jogo de ida foi disputado na Vila Belmiro, e o Peixe levou a melhor: 1 a 0, com gol de Gabigol. A partida, no entanto, ficou marcada por um gol incrível perdido pelo atacante Nilson, que poderia ter alargado ainda mais a vantagem alvinegra.

Na volta, disputada no Allianz Parque no dia 2 de dezembro, brilharam as estrelas de dois ídolos do Palmeiras. Primeiro, a do atacante Dudu: ele marcou dois gols no tempo regulamentar, o que dava o título ao Verdão. Porém, nos instantes finais, Ricardo Oliveira descontou para o Santos. Com 2 a 1 no placar, novamente Palmeiras e Santos decidiram suas vidas nas penalidades.

Foi aí que brilhou a estrela de outro ídolo alviverde: o goleiro Fernando Prass. Ele defendeu a cobrança de Gustavo Henrique e, de quebra, converteu o último pênalti que deu o tricampeonato da Copa do Brasil ao Palmeiras.

O time comandado por Marcelo Oliveira entrou na final com: Fernando Prass; João Pedro (Lucas Taylor), Victor Hugo, Jackson e Zé Roberto; Matheus Sales, Arouca e Robinho; Gabriel Jesus (Rafael Marques), Lucas Barrios (Cristaldo) e Dudu.

No dia 30 de janeiro, o Maracanã presenciará mais uma final entre os dois gigantes do futebol brasileiro. Desta vez, a mais importante delas, já que é a Taça Libertadores 2020 que estará em jogo.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo