Libertadores

Com um golaço de Arrascaeta, a qualidade do Flamengo pesou para uma grande virada na visita ao Vélez

Para muita gente, o Flamengo tem o melhor time da Libertadores no papel. O elenco é recheadíssimo e nem dá para colocar todos os destaques como titulares, sobretudo pelas opções de ataque. Todavia, ainda falta uma equipe mais confiável aos rubro-negros, e por isso há tanta cobrança sobre Rogério Ceni. Coletivamente, o Fla não funcionou tão bem em sua estreia no Grupo G e deixou a desejar na proteção defensiva, com as escolhas mais ofensivas de seu treinador. O Vélez esteve duas vezes à frente no placar dentro do Estádio José Amalfitani e assustou a torcida rubro-negra. De qualquer maneira, a qualidade do Flamengo prevaleceu. O time reverteu as dificuldades e contou com seus talentos para arrancar a virada. Um golaço de Arrascaeta selou o triunfo por 3 a 2, numa atuação que não foi perfeita, mas valeu um resultado grande o suficiente.

O Flamengo entrou em campo sem grandes surpresas, mas não que a escalação agradasse a todos. Sem Rodrigo Caio, Gustavo Henrique acompanhou Willian Arão na zaga. Mais à frente, a formação mais agressiva utilizada por Rogério Ceni, com Diego e Gérson na cabeça de área. Arrascaeta aparecia ao lado Everton Ribeiro na armação, com Bruno Henrique e Gabigol se combinando no ataque.

O começo da partida do Flamengo era promissor no Estádio José Amalfitani. A equipe conseguia marcar em cima e propor mais o jogo, ainda que faltassem chances mais claras. Aos sete, Gabigol ficou a um triz de alcançar um passe por elevação de Everton Ribeiro, mas a bola passou. O Flamengo teria uma reclamação de pênalti sobre Gustavo Henrique minutos depois. Faltava um pouco mais na criação, mas os rubro-negros trocavam bem os passes e tinham paciência para buscar os espaços. O problema estava na defesa, diante da maneira como o time parecia exposto quando o Vélez conseguia acelerar nas costas dos volantes.

O Vélez saiu em vantagem aos 18 minutos, aproveitando um erro de marcação no meio-campo do Flamengo. Lucas Janson explorou o espaço no meio e tabelou com Juan Martín Lucero, que deixou Gustavo Henrique no chão antes de devolver. Dentro da área, o atacante definiu no canto. Os rubro-negros se mostraram tensos pouco depois, irritados com a arbitragem. E precisavam apresentar mais agressividade no ataque, mesmo perdendo aos poucos sua organização. Gabigol teve uma sequência de chances aos 30, mas não era o suficiente. Enquanto isso, o Fortín se sentia mais confortável, com ótima participação de Thiago Almada na ligação.

O Flamengo conseguiu o empate no fim do primeiro tempo, quando cresceu graças a uma sequência de bolas cruzadas e escanteios. Aos 43, veio o gol. Numa sobra fora da área, Gérson fez uma jogada primorosa e abriu com Willian Arão, livre na área. Com espaço, o zagueiro bateu cruzado e balançou as redes. O tento dava um alívio ao Fla, que quase virou na sequência. Gerson deu um bolão para Everton Ribeiro, que quis bater por cima do goleiro e errou. Bruno Henrique ainda tentou completar, mas não chegou a tempo. Os rubro-negros cresciam na base de suas individualidades, especialmente pelo talento de Gerson quando o meio-campista se ligou no jogo. Diego foi outro que fez um papel importante na construção.

Na volta ao segundo tempo, o Vélez tomou mais a bola e começou a procurar o ataque, afetando o embalo do Flamengo. A superioridade momentânea do Fortín logo se refletiu no placar aos oito minutos, com o segundo gol. Pablo Galdames cobrou escanteio, Lautaro Gianetti ajeitou no meio da área e Janson apareceu sozinho para marcar. Os rubro-negros reclamaram do lance, mas, sem VAR na fase de grupos, a arbitragem não poderia verificar o impedimento – que não houve. Os cariocas pelo menos não sentiram tanto dessa vez e, aos 15, ganharam um pênalti. Gabigol abriu o caminho com uma linda finta e ia saindo de frente para o gol, quando foi derrubado pelo goleiro Lucas Hoyos. O próprio Gabigol cobrou o pênalti com uma calma impressionante e empatou novamente.

Arrascaeta quase virou na sequência, mas o Flamengo levou mais um tempo para se impor com firmeza. Rogério Ceni demorou a mexer e, quando o fez, trocou Gustavo Henrique por Bruno Viana aos 28. Os rubro-negros voltaram a encontrar os espaços por volta dos 30. Gabigol era quem chamava a responsabilidade, primeiro mandando um míssil para fora, depois parando no goleiro Hoyos quando estava de frente para o gol. A sequência parecia injetar confiança no Fla, até que o golaço viesse aos 35. Arrascaeta soltou um petardo de fora da área e mandou no alto, tirando de Hoyos. Resposta numa semana em que o meia foi tão discutido, pelo imbróglio envolvendo seu contrato.

Se o Vélez tinha alguma esperança de reagir, ela acabou afundada por um ex-rubro-negro, o meio-campista Federico Mancuello. O veterano saiu do banco aos 39 e, dois minutos depois, foi expulso com o vermelho direto por uma entrada por cima em Gabigol. Rogério ainda colocou Pedro no lugar de Bruno Henrique na sequência, mas era pouco tempo para o centroavante se provar. Mesmo assim, no fim, surgiram boas chances para o quarto. Hoyos defendeu uma batida de Everton Ribeiro e também travou Vitinho na área.

O resultado é importante para o Flamengo dar um passo firme no grupo, derrotando o adversário mais tradicional fora de casa. A chave, de qualquer maneira, não permite muitos descuidos com a presença da LDU Quito e do Unión La Calera. Apesar do resultado positivo, há claros sinais de ajustes necessários do lado rubro-negro, numa atuação em que o coletivo deixou a desejar. Mas, com tanta qualidade à disposição, o Fla soube se refazer e correr atrás do prejuízo para um excepcional resultado.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo