O se mantém entre as melhores equipes da América do Sul há mais de meia década, mas a continuidade garantida a Marcelo Gallardo no comando não se repete tanto assim dentro de campo. Os millonarios mudaram bastante desde a conquista da Sul-Americana em 2014 e da Libertadores em 2015, até para manter seu alto nível competitivo. Muitos destaques saíram do Monumental, assim como Gallardo descobriu outros talentos. E entre os nomes que o deve prestar atenção nesta terça-feira, aparece o colombiano – uma “novidade” em relação às campanhas anteriores.

Tanto Palmeiras quanto River Plate possuem elencos rejuvenescidos nesta Libertadores. A base é bem aproveitada pelos alviverdes – com Danilo, Gabriel Menino e Gabriel Verón despontando entre os bons valores da campanha. Da mesma forma, os millonarios contam com seus prodígios. Julián Álvarez e Nicolás de la Cruz são jovens, mas com lampejos anteriores na Libertadores. Santiago Sosa e Cristián Ferreira são outras duas escolhas recorrentes de Gallardo entre os mais novos. Ainda assim, a maior mudança de patamar acabou vivida por Carrascal. O meia de 22 anos foi de promessa a protagonista entre uma edição e outra do torneio continental.

Carrascal não é produto da base do River Plate. Formado pelo Millonarios, o garoto chegou a ter uma experiência no time B do e também vestiu a camisa do Karpaty Lviv em duas edições do Campeonato Ucraniano. A transferência ao Monumental aconteceu em janeiro de 2019, quando o clube desembolsou €2,5 milhões. Juan Fernando Quintero ainda estava em alta após a conquista da Libertadores de 2018 e os millonarios já pensavam num potencial substituto. Seria uma aposta muito bem feita pelos argentinos, ainda que tenha levado um tempo a se pagar.

Carrascal pouco atuou no River Plate ao longo de 2019, quase sempre saindo do banco de reservas. Gallardo parecia mais preocupado em sua adaptação e na evolução física. Curiosamente, o novato começou a ganhar mais espaço no time pelo Campeonato Argentino enquanto a disputa na Libertadores de 2019 se afunilava. O meia entrou em três partidas pela competição continental, mas viu de fora a derrota para o Flamengo em Lima. Seria a partir de 2020 que o talento do colombiano realmente desabrochou. Importante ao seu crescimento, aliás, foi o Torneio Pré-Olímpico no início do ano. A competição tirou o jovem das partidas do River, mas ele seria como o melhor jogador da Colômbia no certame, autor de três gols e de alguns lampejos de craque. Assim, voltaria com moral a Núñez para a sequência da temporada.

Durante a fase de grupos da Libertadores, Carrascal participou do mistão que perdeu para a LDU em Quito e saiu do banco nos 8 a 0 sobre o Binacional, anotando seu gol e dando uma assistência. O colombiano ganhou espaço mesmo a partir da retomada das competições, após a pausa gerada pela pandemia. E começou a desequilibrar no torneio continental. Ganharia moral no fechamento da fase de grupos, saindo do banco e fazendo gol contra a LDU. Contra o Athletico Paranaense, nas oitavas, virou uma arma a partir do segundo tempo em ambos os encontros. E a explosão aconteceu diante do Nacional, nas quartas.

Carrascal tinha feito uma boa partida na vitória por 2 a 0 em Avellaneda, antes de causar pesadelos nos uruguaios durante os 6 a 2 no Gran Parque Central. O camisa 8 abriu o placar com um golaço e criou diversas jogadas, em especial no primeiro tempo. Com Julián Álvarez devendo e sem que Nacho Fernández exerça a mesma influência de outros tempos, o colombiano acaba ocupando uma lacuna como referência técnica. Algo que também exerceu no Superclássico diante do Boca Juniors no último final de semana, dando boas mostras de seu talento ao centralizar a armação.

Gallardo atuou nas últimas partidas pela Libertadores com três atacantes. Carrascal é certamente o mais habilidoso deles, aberto pela esquerda. O camisa 8 se encarrega da criação e forma um setor muito forte com Nicolás de la Cruz. O colombiano tem habilidade de sobra no mano a mano e também boa visão de jogo para servir os companheiros. Mais do que isso, é um bom definidor, especialmente em tiros de média distância. Enquanto Rafael Santos Borré e Matías Suárez são atacantes com mais oportunismo, os cuidados maiores do Palmeiras devem se concentrar mesmo diante da habilidade do camisa 8. E seu jogo parece evoluir, com a agressividade e a potência física exigidas por Gallardo.

Carrascal não é exatamente um reforço ao River Plate, mas traz novas possibilidades em relação ao time de 2019. E é um jogador com potencial de crescimento, aos 22 anos. A competição continental serve como grande vitrine e, agora, o Palmeiras surge como principal desafio de sua carreira. Será um teste bastante interessante à capacidade do jovem, especialmente pela maneira como ele lidará com a pressão da ocasião e sobre como poderá gerar um desequilíbrio nos lances individuais. Talvez não seja o primeiro nome a chamar atenção na escalação de Gallardo para esta terça. Mas com certeza vai merecer atenção dos palmeirenses.