América do Sul

Felipão diz que gostaria de ser técnico de Messi: “Um gênio total, decide em uma jogada”

Dirigir Libertadores, além de lamentar a morte de Diego Armando Maradona.

LEIA TAMBÉM: Um dos méritos de Felipão em sua primeira passagem pelo Cruzeiro foi a valorização dos jovens talentos

Messi, aos 33 anos, escreveu o seu nome como um dos maiores da história do futebol. Segue brilhando pelo Barcelona. Vive uma situação de indefinição no clube catalão, com quem tem contrato até junho deste ano. Em 2020, ele manifestou o desejo de sair, depois do vexame que os blaugranas viveram na Champions League, ao serem eliminados com um 8 a 2 para o Bayern de Munique. Com as eleições no Barça previstas para este mês, essa perspectiva de sair pode mudar, caso o novo presidente consiga se entender com o craque – o que o antigo, Josep Maria Bartomeu, não conseguiu, pelo contrário.

“Um jogador que eu gostaria de dirigir na minha carreira é Messi. É um gênio total, define o resultado em uma jogada”, afirmou o treinador, nome histórico do futebol brasileiro. Há pouca, ou quase nenhuma, perspectiva que isso aconteça. Seja como for, certamente seria uma parceria curiosa ver o treinador brasileiro fazendo uso do talento do jogador argentino.

Além de falar sobre Messi, Felipão também comentou sobre as semifinais da Libertadores, que aconteceram esta semana. O Palmeiras venceu o River Plate por 3 a 0, enquanto o Boca Juniors empatou com o Santos por 0 a 0, com os dois jogos em Buenos Aires.

“O River tem um bom jogo, os primeiros minutos do primeiro tempo domino e logo desmoronou em momentos importantes da partida. O Palmeiras é uma grande equipe e acho que é difícil que o River reverta o resultado. Penso que o Palmeiras tem muitas possibilidades de chegar à final. Se eu fosse o treinador do Palmeiras, preferia jogar contra o Santos, porque o Boca é uma equipe muito complicada nas finais”, afirmou o treinador brasileiro.

“Em Boca e Santos, em alguns momentos o Boca dominou, em outros o Santos. Vejo o Boca como uma equipe difícil. Vejo um bom resultado do Santos por não perder fora de casa”, comentou ainda Felipão.

Scolari também respondeu sobre Maradona, que morreu em novembro. “O falecimento de Maradona é uma grande perda para o futebol. Era uma grande pessoa, muito boa, excelente companheiro e amigo”, comentou o brasileiro.

Felipão vive uma temporada difícil no Cruzeiro. Chegou para salvar o time de um possível rebaixamento para a Série C, o que está conseguindo. Sonhar com o acesso, porém, é improvável. Depois de 32 jogos disputados, o Cruzeiro tem 41 pontos. O Juventude, atualmente quarto colocado, na última posição que dá uma vaga na Série A, tem 52 pontos. Restam seis rodadas para o fim da Série B. Nesta sexta-feira, o Cruzeiro enfrenta o Sampaio Corrêa, em partida disputada no Maranhão.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo