América do Sul

Defensor conquista o Apertura e sai em busca de sua glória perdida no Campeonato Uruguaio

O Defensor tem importância enorme na descentralização do Campeonato Uruguaio. Em 1976, os violetas interromperam a hegemonia de Nacional e Peñarol, dominante nos 45 anos anteriores de profissionalismo, em conquista simbólica em diferentes aspectos. Desde então, foram mais três títulos nacionais. E a chance da quinta taça está agendada para o final do ano. Neste sábado, La Farola faturou o Torneio Apertura de seu país. O feito possui valor simbólico, já que o rótulo de “campeão uruguaio” será oferecido apenas nas partidas decisivas marcadas para o final da temporada.

Desde o seu último título, em 2008, o Defensor se acostumou com as frustrações. São três vice-campeonatos neste intervalo, alguns deles com requintes de crueldade. Mas há a oportunidade de escrever uma nova história em 2017. Afinal, a rodada derradeira do Apertura já demonstrou que a sorte está ao lado dos violetas. A equipe havia assumido a liderança no final de semana anterior, ao derrotar o Nacional por 3 a 2, com direito a virada no segundo tempo. Assim, precisaria cumprir apenas a sua parte no último compromisso, diante do Fênix. Não seria tão fácil.

No Estádio Centenário, o Nacional protagonizou uma reação espetacular e surgiu como ameaça. Perdia para o lanterna Sud América por 3 a 1 até os 18 do segundo tempo. Em apenas dez minutos, o Bolso conseguiu virar o placar para 4 a 3 e ia botando a mão na taça, diante do empate do Defensor naquele momento. La Farola precisou buscar a vitória por 2 a 1 aos 33 do segundo tempo, graças a Maxi Gómez. O atacante de 20 anos, aliás, terminou como grande herói violeta. Anotou 11 gols em 12 partidas da campanha. Oferece uma alegria extrema a sua torcida, já negociado com o Celta de Vigo para a próxima temporada europeia. E se coloca como uma esperança à seleção uruguaia.

Ao final, o Defensor encerra sua trajetória no Apertura com uma campanha praticamente impecável. Foram 11 vitórias em 15 rodadas, com uma derrota apenas para o Plaza Colônia. Chegaram aos 36 pontos, um a mais que o Nacional, desbancado justamente por causa do confronto direto. Agora, La Farola aguarda o campeão do Clausura para fazer a semifinal do Campeonato Uruguaio. O vencedor desta partida pegará o time de melhor pontuação na tabela geral para a finalíssima.

Além de Maxi Gómez voando em seu ataque, o Defensor possui entre seus destaques jogadores rodados pelo futebol europeu. Andrés Lamas é o esteio da defesa, Matías Cabrera e Mathias Cardacio ajudam a dar consistência ao meio-campo, Gonzalo Bueno é outra opção notável no ataque. Já no banco de reservas, o responsável por dar a melhor liga ao time é Eduardo Acevedo. O antigo defensor da seleção uruguaia também toma um impulso importante em sua carreira à beira do campo. Recupera a taça após ter levado o Clausura oito anos antes, quando estava à frente do Nacional.

Por enquanto, o Defensor não está garantido de volta à Copa Libertadores. Para tanto, precisa ser campeão ou vice no final do ano, ou então aparecer entre as melhores classificações na soma geral das tabelas. Ainda assim, ninguém duvida do potencial dos violetas, que seguem na disputa da Copa Sul-Americana, aguardando o reencontro com a LDU Quito – no primeiro jogo, empataram por 2 a 2 na visita ao Equador. Pelo embalo nas competições domésticas, será um osso duro de roer no torneio continental.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo