América do Sul

Danubio vence a rodada final decisiva contra o Defensor, conquista o acesso na segundona e joga os rivais para os playoffs

Comandado por Jorge Fossati, o Danubio retorna à primeira divisão do Campeonato Uruguaio de imediato

A segunda divisão do Campeonato Uruguaio vive uma edição particularmente interessante nesta temporada. O acesso do Albion chamou atenção, com o retorno do clube mais antigo do país à primeira divisão após incríveis 113 anos. Porém, esta foi uma corrida na segundona repleta de outros times tradicionais bem mais frequentes na elite. Danubio e Defensor acabaram rebaixados em 2020, lutando paralelamente pela volta à primeira prateleira. E quis o destino que a rodada final reservasse exatamente o confronto direto entre as duas equipes, que concorrem ao posto de “terceiro maior” do Paisito e nutrem uma rivalidade acirrada inclusive nas categorias de base. No fim das contas, o Danubio venceu o “Clássico dos Medianos” por 1 a 0 no Estádio Charrúa, conquistou o acesso e jogou os rivais no caldeirão dos playoffs pela terceira vaga na elite, envolvendo quatro times.

A importância do Danubio como um dos maiores clubes do futebol uruguaio é inquestionável, sobretudo nas últimas duas décadas. La Franja participou da primeira divisão do Campeonato Uruguaio em 71 oportunidades, com a estreia em 1948, além de uma estadia ininterrupta na elite de 1970 a 2020. O clube ostenta também quatro troféus da primeira divisão, o último deles faturado em 2014, além de seis conquistas dos chamados “torneios curtos” – o Apertura e o Clausura, que no Paisito não significam o título principal. A lista de honrarias ainda inclui 22 participações nos torneios continentais, com oito presenças na Copa Libertadores, dez na Sul-Americana e quatro na extinta Copa Conmebol. Estava claro como o rebaixamento era um ponto fora da curva.

O descenso, de qualquer maneira, correspondeu a uma sequência de erros do Danubio. Os alvinegros já tinham feito um campeonato ruim em 2019 e pioraram em 2020, o que provocou o enorme impacto em seu promédio. A má gestão estava clara e as categorias de base, prolíficas ao ponto de revelarem nomes como Edinson Cavani e Álvaro Recoba, se tornaram loteadas a empresários. A queda aconteceu até mesmo com uma rodada de antecipação. Para sacudir a poeira na segundona, La Franja contou com o retorno de Arturo del Campo, presidente histórico dos alvinegros até 2010 e responsável por uma das fases mais importantes do clube.

A campanha do Danubio na segunda divisão, todavia, não seria tão regular assim. A equipe oscilou durante o primeiro turno e chegou a vencer apenas uma partida numa sequência de seis rodadas – quando, inclusive, perdeu o clássico para o Defensor dentro do Estádio Jardines del Hipódromo. A recuperação veio a partir de setembro, com uma sequência mais consistente de vitórias e a permanência na corrida pelo acesso. A derrota no confronto direto para o Albion, a quatro rodadas do fim, parecia custosa. Mas La Franja se recuperou ao vencer o Rocha e empatar no confronto direto com o Cerro.

A rodada final da segundona, realizada nesta terça-feira, resumia a corrida pela segunda posição na tabela a Danubio e Defensor. Os alvinegros tinham a vantagem do empate, com 38 pontos, mas os violetas estavam colados com 37 e tinham o mando no Estádio Charrúa. O Racing, que chegou a liderar boa parte da competição, já não tinha mais chances matemáticas – assim como o Cerro, outro que rondou. E La Franja conseguiu se impor no Clássico dos Medianos logo cedo. Leandro Sosa se tornou o herói da redenção, com um chute espetacular de fora da área que definiu o placar por 1 a 0 logo aos 11 minutos do primeiro tempo. Bastou à festa.

O acesso do Danubio até contou com alguns garotos revelados pela base. Mas, com a venda do prodígio Nicolás Siri ao Montevideo City Torque por US$2,8 milhões, após estourar no campeonato passado com 16 anos, La Franja aproveitou o dinheiro para se cercar de medalhões e jogadores lançados pelo clube anos atrás. A experiência foi um fator importante na luta dentro da segundona.

Esteban Conde (ex-Nacional), Sergio Rodríguez (ex-Rosario Central), Matías Fritzler (ex-Lanús), Ignacio González (ex-Monaco) e Juan Manuel Olivera (ex-Peñarol) formaram uma equipe bastante tarimbada, alguns deles com passagens pela seleção uruguaia e outros campeões no passado com a própria camisa do Danubio. O centroavante Olivera, que começou na base alvinegra e foi bicampeão uruguaio com o clube, embora seja mais lembrado pelo vice da Libertadores de 2011 com o Peñarol, aproveitou a festa do acesso para encerrar a carreira profissional aos 40 anos. Já no banco de reservas, a principal figura: Jorge Fossati.

O currículo de Jorge Fossati fala por si, com um histórico que inclui uma passagem pela seleção do Uruguai antes da chegada de Óscar Tabárez, além do comando de clubes como Internacional, Peñarol, Cerro Porteño e LDU Quito. Nos últimos dois anos, o veterano dirigiu o River Plate local e registrou certo sucesso, com o vice-campeonato do Torneio Intermédio, além de duas participações na Copa Sul-Americana. E, aos 69 anos, ele não recusaria o convite de retornar ao Danubio em agosto, quando o time vivia seu pior momento na segundona e tinha acabado de perder o treinador Leonardo Ramos para o futebol mexicano. Fossati teve uma passagem importante como treinador da Franja na virada do século, com mais de 150 jogos à frente da equipe. Retornou para comandar a recuperação.

Enquanto Danubio e Albion assistem de camarote, no aguardo pelo reinício na primeira divisão, os playoffs de acesso na segundona reunirão outras camisas pesadas. Os participantes serão Racing, Defensor, Cerro e Central Español – todos com pelo menos 50 participações na primeira divisão, no Top 11 de temporadas na elite e participações nas competições continentais. Defensor e Central Español possuem títulos do Campeonato Uruguaio, enquanto o Cerro já foi vice. E isso porque nem sobrou espaço ao Rampla Juniors, outro tradicionalíssimo e ex-campeão nacional, que aparece na modesta décima colocação. Os mata-matas serão disputados em jogos de ida e volta, com semifinais e finais até a consagração do vencedor, que ficará com o terceiro e último acesso. Promessa de mais uma grande história ao final da temporada.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo