América do Sul

Danilo e Zé Rafael brilharam para dar ao Palmeiras o título da Recopa contra o Athletico

Meio-campo mostrou a qualidade habitual, mas desta vez se destacou também por marcar os dois gols que garantiram o título da Recopa

O meio-campo do Palmeiras normalmente é de grande importância no time, mas nem sempre aparece no ataque, com gols e assistências. Desta vez, na noite de quarta-feira, o que vimos foi esse setor brilhar mais uma vez no jogo na sua função, de defesa e construção, mas também na definição. Zé Rafael e Danilo fizeram os dois gols na vitória sobre o Athletico Paranaense pro 2 a 0 no Allianz Parque e sacramentaram a conquista da Recopa Sul-Americana. É a primeira vez que o alviverde conquista esta taça.

Em 1999, depois de vencer a Libertadores, a Conmebol tinha acabado com o torneio, que só voltaria em 2003. Em 2021, com campeão da Libertadores, acabou derrotado pelo Defensa y Justicia. Desta vez, não teve jeito: o alviverde empatou por 2 a 2 no jogo de ida na Arena da Baixada, em um jogo que conseguiu a igualdade no final, e venceu em casa por 2 a 0 cm autoridade. A taça ficará no Allianz. É o quarto título de Abel Ferreira pelo Palmeiras: duas Libertadores, uma Copa do Brasil e agora uma Recopa Sul-Americana.

Foi um confronto parelho no jogo de ida, em que o empate fez jus ao jogo. Nesta segunda partida, o Palmeiras começou bem o jogo, dominou os primeiros 30 minutos do confronto, mas não conseguiu marcar o seu gol. Mesmo com 11 chutes a gol, não acertou nenhum no alvo. E ainda correu algum risco com o Athletico, que levou algum perigo em um lance.

O primeiro gol saiu no começo do segundo tempo. Em uma bela cobrança de falta, Zé Rafael cobrou no alto, no canto direito alto do goleiro Santos, e marcou 1 a 0. Um belo e raro gol de falta, que abriu o jogo aos cinco minutos. Com o placar favorável, o Palmeiras ficou muito confortável no jogo. Pouco sofreu, fez mudanças no time e administrou o jogo. Mas ainda daria tempo de mais.

No fim do jogo, o Palmeiras chegou ao segundo gol em uma jogada pela esquerda. Atuesta recebeu pela esquerda, girou e esperou o momento certo para tocar atrás. Danilo, de frente, chutou rasteiro, no canto, e colocou na rede: 2 a 0 e jogo definido. Não havia mais tempo para mudar o resultado, já que o relógio marcava 42 minutos.

Danilo é frequentemente um dos melhores doo Palmeiras, por vezes um protagonista silencioso do time. Se posiciona bem, faz bons passes e ajuda a dar fluência ao time. Zé Rafael era um meia ofensivo adaptado a uma posição mais central e recuada. É um jogador importante pela resistência física, mas especialmente pela qualidade técnica. Foi assim, aos poucos, que ganhou espaço e protagonismo no time.

Se normalmente esses dois não aparecem nos melhores momentos com muita frequência, desta vez eles foram protagonistas tanto nas suas funções, quanto na hora de balançar as redes. Fizeram os gols e foram os nomes de mais uma taça na história do Palmeiras.

Ao Athletico, há questões a serem revistas, mas não foi um desastre. O time tem capacidade de jogar melhor, especialmente porque seus principais jogadores estiveram bem marcados e apagados. Thiago Heleno foi um único que se salvou na defesa, melhor em campo pelo lado rubro-negro.

Abel Ferreira escreve mais um capítulo de título pelo Palmeiras, ainda que este não seja dos mais desejados. Considerando que ele e esse grupo sentiram o gosto amargo de perder a taça em 2021, agora eles sentem o sabor da vitória.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo