América do Sul

Chamuscados

No dia 9 de fevereiro de 2011 a seleção do Uruguai fez história. A vitória por 1 a 0 sobre a Argentina no Sul-Americano Sub-20 garantiu a presença da Celeste nas Olimpíadas de 2012, e encerrou um período de 84 anos de ausência. Mais que isso, o feito consolidou a retomada do futebol da seleção uruguaia, que havia começado com o quarto lugar na Copa do Mundo de 2010 e que teria seu auge na conquista da Copa América de 2011. Os charruás voltaram a acreditar na mística de sua camisa e ansiaram pela chegada dos Jogos Olímpicos, competição em que o Uruguai construiu a sua fama e se consolidou como potência no esporte ao conseguir a medalha de ouro em 1924 e 1928. As Olimpíadas chegaram e o favorito Uruguai já voltou pra casa. Em menos de uma semana o sonho acabou. Ficaram, porém, algumas feridas abertas. Feridas estas que não machucam apenas essa geração, mas o projeto uruguaio visando à Copa do Mundo de 2014.

A começar pelo técnico Óscar Tabárez. Embora ainda seja incontestável por seus feitos de 2006 pra cá, El Maestro não é mais unanimidade entre os torcedores da Celeste e os jornalistas que acompanham o futebol local. A decisão de fazer apenas uma substituição – Lodeiro no lugar de Viudez – com o time perdendo por 1 a 0 e precisando ganhar da Grã Bretanha causou perplexidade. Da mesma maneira, a forma da eliminação do Uruguai gerou muitas críticas. Em nenhum momento a equipe jogou o futebol que dela se esperava. Por isso mesmo a simplória declaração de El Maestro de que “as coisas não funcionaram” foi recebida com muitas ressalvas, principalmente pelo tempo que o Uruguai teve para se preparar.

Vale sempre a lembrança: a maioria dos jogadores da Celeste se reuniu para treinar no dia 19 de junho e permaneceu trabalhando até a viagem para Londres. É bem verdade que Suárez, Cavani, Arévalo e alguns atletas envolvidos na disputa do Campeonato Uruguaio chegaram depois, mas nada justifica a falta de futebol demonstrada pela seleção. O que ficou claro é que, apesar de ter o time em mente, Tabárez não sabia em qual esquema tático deveria encaixar suas peças. Ou então ele acreditou que poderia encaixá-las em várias opções. O Uruguai que começou jogando contra os Emirados Árabes no 3-4-1-2 passou para o 4-3-1-2 no segundo tempo da estreia, para o 4-2-3-1 e 3-4-3 contra Senegal e para o 4-3-3 com momentos de 4-4-2 contra a Grã Bretanha. Tirando alguns brilharecos contra os Emirados Árabes, nada funcionou.

A defesa formada por Coates e Rolín não foi segura. Os laterais Albín, Arias e Aguirregaray foram presas fáceis dos jogadores agudos pelos lados do campo, enquanto Calzada e Torito Rodríguez não foram parceiros à altura de Arévalo Rios na volância. No setor de criação, Gaston Ramírez recebeu e tentou muitos passes, mas não foi efetivo. Em muitos momentos o camisa 10 uruguaio abusou das bolas longas e foi lento na transição defesa-ataque. Lodeiro mostrou a inconstância de sempre, enquanto Suárez e Cavani… Bem…. A dupla merece um parágrafo à parte, já que deixa Londres quase tão chamuscada quanto Tabárez.

Com atletas de qualidade e rodagem em todas as posições, esperava-se que Luis Suárez e Edinson Cavani dessem o extra que transformaria a Celeste sub-23 de boa equipe a candidata à medalha de ouro. Não deram. Seja por estarem no período de “pré-temporada” europeia ou por não se entenderem, o fato é que ambos tiveram desempenho muito abaixo da crítica. Suárez até tentou algumas jogadas, mas, atrapalhado, pouco criou. Cavani, por sua vez, nem isso fez e continua sem ter uma boa sequência de atuações pela seleção. É bem verdade que o crônico problema da criação de jogadas, que acontece também na equipe principal, atrapalhou o desempenho da dupla, mas é nos momentos em que as coisas não funcionam que um time aposta na capacidade de seus craques. Em nenhum momento Suárez e Cavani fizeram algo diferente para furar a retranca dos adversários… Pior: Suárez perdeu uma chance clara de gol contra a Grã Bretanha, enquanto Cavani falhou no segundo gol de Senegal. Assim fica difícil…

De qualquer forma o momento não é de terra arrasada ou caça às bruxas. Diferentemente do Brasil, a medalha de ouro uruguaia era um desejo e não uma obrigação. O time que foi à Londres não é o que vai disputar o restante das Eliminatórias e Copa das Confederações e o Uruguai não deixou de ser um dos favoritos em ambas as disputas. Tabárez também está longe de perder o emprego, enquanto Suárez e Cavani com certeza ainda tem muita coisa para dar à Celeste. O que aconteceu foi uma certa chamuscada em um projeto que até então se mostrava límpido, correto e quase perfeito. Se havia a expectativa de que o time Olímpico daria mais opções para a seleção principal, isso foi por água abaixo. Da mesma maneira, El Maestro ainda vai ter que resolver a pendência do setor de criação… Forlán fica? Ramírez está pronto? Cavani e Suárez são confiáveis? É… Foi uma senhora chamuscada.

Copa Sul-Americana

Mais uma série de jogos da Sul-Americana foram realizados nesta semana. Abaixo os resultados dos times abordados neste espaço:

Deportes Iquique-CHI 2×0 Nacional-URU
Blooming-BOL 1×1 Universidad Católica-CHI
Emelec-EQU 1×0 Universidad San Martín-PER
La Equidad-COL 0x1 Mineros-VEN
Deportes Tolima-COL 3×1 Deportivo Lara-VEN
Deportivo Quito-EQU 1×0 León de Huánuco-PER
Unión Comercio-PER 0x0 Envigado-COL
Monagas-VEN 0x2 LDU Loja-EQU

Mais uruguaias

A federação anunciou que o Apertura 2012 começa no dia 25 de agosto. O primeiro torneio da temporada se chamará Raul Bentancor, em homenagem ao ex-jogador e técnico uruguaio, avô do zagueiro Alejandro Lembo. Já o Clausura levará o nome “100 años del club Defensor”.

Chilenas

– A Universidad de Chile perdeu a decisão da Copa Suruga para o Kashima Antlers, em jogo disputado em território japonês. O torneio reúne anualmente o ganhador da Sul-Americana e da Copa da Liga do Japão. Como vem se tornando costume, La U saiu atrás no marcador: Iwamasa e Renato Cajá fizeram o 2 a 0 para a equipe japonesa. Os chilenos diminuíram ainda na primeira etapa com Iwamasa jogando contra as próprias redes e chegaram ao empate no segundo tempo com um gol de Aránguiz. Nos pênaltis, porém, deu Kashima: 7 a 6. Francisco Castro perdeu a cobrança para La U.

– A semana não foi de todo ruim para os azules. O zagueiro Waldo Ponce se apresentou e começou a treinar. Vale dizer que a Universidad de Chile acabou mudando bastante do semestre passado para cá. O trio de ataque contra o Kashima foi totalmente distinto daquele que disputou a semifinal da Libertadores. Os azules jogaram com Ubilla, Gutiérrez e Civelli. Na Libertadores era: Henríquez, Fernandez e Lorenzetti.

– No campeonato chileno a liderança é do Rangers, que fez 5 a 0 no Deportes Iquique e que chegou a oito pontos em quatro jogos. Em segundo lugar, mas com a mesma pontuação, está o Audax Italiano, que venceu o Santiago Wanderers por 4 a 1. O Cobresal também tem oito pontos, mas está em terceiro, depois de empatar por 1 a 1 com a Universidad de Concepción.

– A Universidad Católica empatou por 2 a 2 com o Deportes Antofagasta e soma agora sete pontos em quatro rodadas, ocupando a sexta posição. O Colo Colo ficou no 1 a 1 com a Unión La Calera e é o sétimo, com cinco pontos.

Equatorianas

– No Equador o Barcelona, campeão do Primera Etapa, segue imbatível também no torneio do segundo semestre. A Equipe de Guayaquil venceu o Deportivo Quito por 1 a 0 no fim de semana e empatou por 1 a 1 com o Manta na quarta-feira. Com os resultados, os Toreros têm dez pontos em quatro jogos. A segunda posição está com a LDU, que bateu o Independiente por 1 a 0 e que chegou a oito pontos. O Manta é o terceiro, com sete pontos, seguido pelo Emelec, que também tem sete.

– O Deportivo Quito é o lanterna da competição, com um ponto em quatro rodadas.

Colombianas

– Começou no último fim de semana o Finalización 2012 da Colômbia. Tivemos apenas um empate: Quindío 0x0 Junior. Desta maneira Itagüí, Millonarios, Boyacá Chicó, Deportivo Cali, Once Caldas, Tolima e Independiente Medellín lideram a competição, com três pontos cada.

– Destaque para a vitória do Millonarios: 2 a 0 no rival Santa Fe, com direito a gol do estreante Wason Rentería, ex-Santos.

Paraguaias

– O Cerro Porteño iniciou o Clausura 2012 tendo a faixa de campeão carimbada. A equipe azulgrana perdeu por 2 a 1 para o Guaraní. Já o rival Olimpia fez 3 a 0 no Rubio Ñu. O jogo marcou a reestreia do técnico Chiqui Arce pela equipe do bairro de Santísima Trinidad, da qual ele havia saído para a seleção paraguaia. Já o Libertad venceu o Nacional por 1 a 0.

– Como esta foi a primeira rodada, lideram a competição: Olimpia, Tacuary, Guaraní, Libertad e Sportivo Luqueño.

Bolivianas

– A semana teve duas rodadas do Apertura da Bolívia: a segunda e a terceira. Vale lembrar: a primeira foi remarcada por conta da greve dos jogadores. Depois de dois jogos o Aurora lidera, com seis pontos. A equipe venceu o clássico de Cochabamba contra o Jorge Wilstermann por 2 a 0 e bateu o Universitario por 2 a 1.

– O segundo lugar é do La Paz, que empatou por 0 a 0 com o Oriente Petrolero e que ganhou do Real Potosí por 3 a 0.

– Os dois grandes do país não estão muito bem das pernas. O The Strongest perdeu do Universitario por 1 a 0 e ganhou do San José por 4 a 1. Já o Bolívar perdeu do Petrolero e do Blooming por 1 a 0.

Peruanas

– O Sporting Cristal empatou o jogo atrasado que tinha contra o Alianza Lima e abriu uma diferença de dois pontos na liderança do Descentralizado. O resultado se somou à vitória por 2 a 0 contra o Inti Gas, obtida no fim de semana.

– Agora o Sporting Cristal tem 52 pontos, seguido pelo Real Garcilaso, que bateu o Melgar por 2 a 0 e chegou a 50 pontos, e pela Universidad César Vallejo, que ficou no 1 a 1 com o Universitario e que está em terceiro lugar, com 49 pontos.

– O Alianza Lima é o 13º. O Universitario ocupa a 11ª posição, o Juan Aurich é o quinto e a Universidad San Martín ocupa a posição de 12º.

Venezuelanas

– O Apertura da Venezuela começa no dia 11 de agosto.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo