América do Sul

Chileno chama venezuelano de “morto de fome” no Sul-Americano sub-20 e é obrigado a pedir desculpas

O zagueiro Nicolás Díaz, da seleção chilena sub-20, protagonizou um episódio lamentável. Depois de se desentender com o lateral Pablo Bonilla, da seleção da Venezuela, ele o ofendeu dizendo: “Morto de fome”. A reação dos venezuelanos foi imediata de indignação e a repercussão negativa foi grande. O chileno se desculpou no Instagram e, mais tarde, um comunicado no site da federação chilena de futebol foi mais bem elaborada e o jogador, na nota, pede desculpas pelo ato e elogia os venezuelanos e seu povo.

LEIA TAMBÉM: Futebol, boemia e confusão: Quando Brasil e Argentina decidiram a Copa América em pleno Natal

Segundo o Canal del Fútbol, citado pelo jornal La Tercera, a Federação Venezuelana estudava apresentar uma denúncia na Conmebol contra Díaz pelo que ele disse. Para integrantes da delegação venezuelana, a imagem é clara sobre a ofensa proferida pelo jogador chileno. Díaz, do Palestino, se dirigiu a Bonilla, da Portuguesa da Venezuela, dizendo “morto de fome”. Com a repercussão, Díaz foi até a sua conta de Instagram para se desculpar pelo ocorrido.

https://www.instagram.com/p/Bs1wQjZhOvc/

Mais tarde, porém, a federação chilena de futebol (ANFP) publicou um comunicado em seu site com um texto mais elaborado e pedindo desculpas de forma mais aberta. No seu texto publicado no Instagram, o jogador dizia que o venezuelano disse coisas que não valia a pena repetir, mas no texto publicado pela federação chilena esse é um fato omitido. O pedido de desculpas não tem ressalvas.

Estimados senhores Rafael Dudamel, Pablo Bonilla e membros da delegação venezuelana sub-20:

Por meio do presente, quero pedir as mais sinceras desculpas pela minha atitude reprovável contra Pablo Bonilla e o povo venezuelano durante o jogo entre Chile e Venezuela pelo Sul-Americano sub-20.

Tenho consciência da longa história de amizade entre Venezuela e Chile. Durante muitos anos, milhares de chilenos imigraram e foram recebidos de maneira carinhosa e fraterna. Todas as referências que tenho de compatriotas que viveram lá são tremendamente positivas e dão conta de um país lindo, que eu nunca quis ferir com o que disse.

Lamento profundamente minha reação contra Pablo Bonilla. Em nenhum caso a minha intenção foi denegrir ou insultar o povo venezuelano. Assim como milhões de chilenos, eu tive a sorte de conviver com pessoas que vieram da Venezuela para o Chile e pude constatar a sua qualidade humana.

Sem dúvida, esta triste experiência me servirá em minha carreira como jogador. Nós jogadores de futebol temos uma enorme responsabilidade pública. São melhores de pessoas que veem nesta atividade o reflexo de valores como o companheirismo, o respeito e, acima de todas as coisas, o jogo limpo.

“As coisas que acontecem no campo ficam no campo” é um dito que se utiliza de forma habitual nesta atividade, mas não justifica as atitudes irresponsáveis e palavras tão dolorosas como as que eu disse. Meu comportamento como atleta profissional e pessoa pública tem que ser sempre muito mais do que isso.

Peço as mais sinceras desculpas a Pablo Bonilla, ao professor Rafael Dudamel e à toda sua equipe de trabalho, à Federação Venezuelana de Futebol, ao povo venezuelano, a toda comunidade venezuelana que vive no Chile e, claro, a todos aqueles que se sentiram ofendidos pelo que eu disse.

Na próxima rodada em que nos veremos no estádio El Teniente, espero poder dizer as minhas mais sinceras desculpas pessoalmente.

A Venezuela venceu o jogo por 2 a 1 na noite de sábado, segunda vitória da equipe depois de bater a Colômbia na estreia, na quinta. Nesta segunda-feira, a Venezuela enfrenta o Brasil, enquanto o Chile, dono da casa, folga na rodada. O Brasil só jogou uma partida e empatou com a Colômbia em 0 a 0.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo