Argentina

Quem é galinha?

Na Argentina, quem não torce para o River costuma chamá-lo de ‘Galinha’. Para explicarmos este apelido, temos que voltar ao ano de 1966. Na terceira e última partida final da Libertadores, contra o Peñarol, o River chegou a estar ganhando por 2 x 0, mas perdeu por 4 x 2. Quando foi disputar seu jogo seguinte, contra o Banfield, na casa do adversário, o elenco do River foi recebido com galinhas pelos torcedores locais.

Em seus últimos dois jogos, porém, o River mostrou que não tem nada de galinha. Primeiro, eliminou o Botafogo de maneira incrível no Monumental: vitória de 4 x 2, de virada, com um homem a menos desde quando o placar era de 2 x 1 e com um gol nos acréscimos. Já no final de semana passado, no mesmo estádio, o River conseguiu um empate histórico diante do Rosario Central.

Os Canallas abriram o placar no primeiro tempo e ampliaram a vantagem aos três minutos da etapa final. Martín Garcia, autor do primeiro gol, havia entrado em campo aos 19 minutos de partida, no lugar de Kily González. O River chegou ao empate com gols marcados aos 17 e 29 do segundo tempo. Mas o confronto não teve ‘apenas’ quatro gols. Aos 48, o Central voltou a ficar na frente. E aos 53, os Millonarios empataram.

Passarella teve grande participação nesse resultado. No intervalo, o treinador colocou em campo Buonanotte e Falcao, que marcariam o segundo e o terceiro gols do River, respectivamente. Aliás, falando em Falcao, ele já havia feito três gols no jogo anterior, diante do Botafogo. O curioso é que o atleta marcou o último gol de seu time em ambas as partidas, através de cabeçadas nos acréscimos.

Um fato engrandece ainda mais os feitos alcançados pelo River em seus dois últimos compromissos: a derrota de 4 x 1 sofrida para o Tigre, antes do jogo contra o Botafogo em Buenos Aires. Imagine se o grupo tivesse ficado abalado com uma queda dessas. Está aí mais uma prova de que o atual River não pode ser chamado de ‘Galinha’.

Dupla estacionada

Independiente e Boca perderam na 11ª. rodada do Apertura. Fora de casa, o Rojo foi derrotado pelo Banfield, por 2 x 0. Mesmo assim, continua com dois pontos de vantagem em relação aos Xeneizes. Lucchetti, goleiro do Taladro, marcou o segundo gol, através de uma cobrança de pênalti. Agora ele tem quatro no torneio.

Em Rosario, o Newell’s venceu o Boca pela contagem mínima. Esta foi a primeira partida do técnico Ricardo Caruso Lombardi no comando dos Leprosos. O mais interessante é que o jogo foi o segundo do Apertura em que Lombardi conseguiu três pontos diante do atual campeão da Libertadores. A vitória anterior havia sido conquistada quando Lombardi trabalhava no Argentinos Juniors. O torcedor do Boca já começa a ficar preocupado com o desempenho da equipe, que não vence há três partidas, considerando a Copa Sul-Americana.

Echaniz conseguiu

Finalmente o Olimpo conseguiu acabar com o jejum de vitória no Apertura. Na última rodada, o Aurinegro derrotou o Huracán por 3 x 1, em casa. O tão sonhado triunfo não aparecia havia sete partidas (três empates e quatro derrotas). Esta foi a segunda vitória do Olimpo no torneio. A outra havia sido obtida contra o Arsenal, na terceira rodada. Com os três pontos e o empate do Rosario Central diante do River, o Olimpo deixou a lanterna. Todavia, no ranking do rebaixamento, continua na última colocação. Ou seja: estaria rebaixado se a temporada terminasse hoje. Já o Huracán também está mal no ranking citado. Ocupa a 18ª. posição, que o levaria à repescagem.

A rodada também fez com que o Olimpo não permanecesse isolado no último lugar da classificação dos ataques. O Olimpo alcançou o Gimnasia La Plata, que não marcou gol em seu último compromisso e continua com sete.

Deixando de lado a má campanha do Huracán, uma explicação para o reencontro do Olimpo com a vitória pode ser a troca de técnico. Guillermo Rivarola, que havia pedido demissão depois da derrota sofrida para o Independiente, foi substituído pelo treinador interino Gustavo Echaniz. Seria o início de uma nova fase ou não passa de uma breve improvisação? A segunda opção é a correta, pois Roberto Saporiti já foi contratado para assumir o cargo.

LIGERAS

– O Tigre derrotou o Estudiantes no primeiro tempo, em La Plata, por 2 x 0. Já no segundo, foi o Pincha que venceu pelo mesmo placar. Seus gols foram feitos aos 38 minutos e aos 44. Maggiolo, o autor do segundo gol do Estudiantes, havia entrado em campo aos 14 minutos da etapa final.

– No duelo entre os ‘Gimnasias’, o de Jujuy derrotou o de La Plata por 4 x 0. Os últimos dois gols foram marcados por jogadores que deixaram o banco de reservas no segundo tempo: Carranza e Quinteros.

– Vélez e Arsenal empataram por 0 x 0 em Buenos Aires. Aos 41 minutos da etapa inicial, o Fortín teve uma cobrança de pênalti, mas Balvorín chutou para fora.

– Em seu estádio, o San Lorenzo venceu o Argentinos Juniors por 2 x 1. Silvera abriu o placar para o Ciclón aos quatro minutos do primeiro tempo e foi expulso aos 44.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo