América do Sul

A história de um ídolo e de sua seleção

O Uruguai empatou por 1 a 1 com o Paraguai em Assunción e o gol tomado no último lance do segundo tempo poderia ser apenas motivo de lamento. Não é bem assim. Se a vitória seria ótima em termos de classificação nas eliminatórias, por outro lado, o empate manteve o Uruguai na ponta da tabela e serviu também para uma marca individual. Com o gol que abriu o placar contra a albiroja, Diego Forlán se tornou o maior artilheiro da história da seleção uruguaia, com 32 gols. Forlán é agora o jogador com mais partidas disputadas pela Celeste – 82 – e mais gols marcados. Mais do que uma marca para ficar registrada nos históricos da seleção charruá, é um símbolo da ascensão de Forlán, o que de certa forma é também uma metáfora do atual momento do futebol uruguaio.

Durante a infância o esporte preferido de Forlán era o tênis, mas depois que sua irmã sofreu um terrível acidente de carro, que a deixou paraplégica, Diego se voltou mais para a própria família e encontrou-se com o futebol, jogado profissionalmente por seu pai, Pablo, e avô, Juan Carlos Corazzo. Após passagens pelas divisões de base do Peñarol e do Danúbio, foi no Independiente da Argentina que ele se profissionalizou e construiu os primeiros anos de sua carreira. De 1997 a 2001, ou dos seus 18 aos 22 anos, Diego marcou 37 gols com a camisa do clube de Avellaneda, números e desempenho que atraíram os olhares de times da Europa.

Entre os postulantes, foi o Manchester United quem decidiu apostar mais no garoto – € 6,9 milhões -, promissor, mas mais conhecido como filho de Pablo Forlán. Depois de um início razoável com a camisa 21 dos Red Devils em 2002, Forlán acabou caindo de produção.

Aos 23 anos, inadaptado à vida na Inglaterra e às pressões de jogar por um dos maiores clubes do planeta, Forlán virou “forlorn” para a mídia inglesa – algo como miserável, abandonado na tradução direta do inglês. Com apenas 17 gols em 95 aparições entre 2002 e 2004 – muito menos que os 74 marcados por van Nilstelrooy no mesmo período – Diego parecia acabado para o futebol… Um novo Jordi Cruyff. E o Manchester acreditava nisso mesmo. Em agosto de 2004 os Red Devils anunciaram a contratação de Wayne Rooney, grande promessa do Everton, e a saída de Forlán para o Villarreal.

Começava a virada na vida de Diego. Na temporada 2004-05 – seu campeonato de estreia pelo clube – Forlán fez 25 gols em 38 jogos e garantiu a primeira classificação do Villareal para uma Champions League. A temporada 2005-06 foi de mudanças e o desempenho de Forlán caiu um pouco. Mesmo assim ajudou o clube a chegar às semifinais da Liga dos Campeões, perdendo para o Arsenal, e foi novamente figura chave na quinta posição obtida no campeonato Espanhol 2006-07.

A transferência para o Atletico de Madrid não parecia um grande avanço dentro do contexto do futebol europeu, mas, contando com um Forlán inspiradíssimo, os colchoneros se superaram. Em sua primeira temporada pelo clube de Madri, Diego fez uma ótima dupla com Sergio Aguero, marcou 23 gols e ajudou o clube a se classificar para a Liga dos Campeões pela primeira vez em uma década. Na temporada seguinte fez 32 gols em 33 jogos e levou o Atletico a mais uma Champions League. Já na temporada 2009-10, Forlán começou muito mal e chegou até a ficar no banco – e fora dele -, mas apareceu na segunda metade da Liga Europa, fazendo gols decisivos contra Liverpool e sendo o nome da final contra o Fulham, dando o título aos colchoneros.

Na Copa do Mundo, jogando mais recuado, como verdadeiro meia de ligação, foi o cérebro do Uruguai e referência técnica do time, com chutes precisos, cobranças de falta na medida e cadência nos momentos certos. Levou a Celeste a um heróico quarto lugar no Mundial da África do Sul e, não à toa, foi eleito o craque da competição. Indiscutível. A figura do craque, que o mundo parecia ter se desacostumado a ver nas seleções ressurgira, junto a uma desacreditada seleção.

De julho de 2010 para cá, Forlán viveu uma fase conturbada no Atlético, mas brilhante com sua seleção, que, tal qual a história de seu camisa 10, foi do ocaso de ser eliminada nos pênaltis pela Austrália na repescagem da Copa de 2006, mostrou reação ao ir à Copa de 2010 depois de vitória contra a Costa Rica na repescagem, deu a volta por cima ao ser quarta colocada no Mundial e chegou agora como a principal seleção do continente após a conquista da Copa América. Exemplar.

Copa Sul-Americana

Para não perdermos o panorama da competição seguem os confrontos das oitavas de final com resultados dos jogos que já foram realizados.

Universidad Católica 0 x 2 Vélez Sarsfield (jogo de volta na Argentina)

Botafogo 1 x 1 Santa Fe (jogo de volta na Colômbia)

Independiente 1 x 0 LDU ( na soma LDU 2 a 1, classificada para as quartas de final)

São Paulo x Libertad (nenhum jogo feito)

Flamengo x Universidad de Chile (nenhum jogo feito)

Olimpia x Arsenal de Sarandí (nenhum jogo feito)

Godoy Cruz 1 x 1 Universitario-PER (segundo jogo no Peru)

Aurora-BOL 3 x 1 Vasco da Gama (segundo jogo no Brasil)

Mais uruguaias

– Pelo Apertura o Peñarol bateu o Fénix por 2 a 1 e manteve a liderança do torneio, agora com 23 pontos em nove jogos. Os carboneros, no entanto, são seguidos de perto pelo Cerro, grande surpresa do campeonato e que fez 3 a 2 no Defensor Sporting fora de casa. O Cerro tem 22 pontos. A briga deve ter um “vencedor parcial” neste fim de semana, quando Peñarol e Cerro se enfrentam no Centenário.

– O Nacional segue em recuperação. Bateu o Rentistas por 3 a 0 e agora está em quarto lugar, com 16 pontos, um a menos que o terceiro colocado River Plate, mas sete atrás do rival Peñarol.

Peruanas

– Não houve rodada do Descentralizado 2011 no último final de semana. O campeonato recomeça neste sábado depois de a Federação Peruana ter adiado a rodada dos dias 1º e 2 de outubro devido à violência ocorrida no estadio Monumental e que deixou um morto. Houve grande comoção no país por causa do ocorrido e os clubes da primeira e segunda divisão, mesmo endividados, assinaram um protocolo de segurança para eventos esportivos de futebol. Entre as obrigações estão seguro para espectadores cinco horas antes e depois dos jogos, além de registro de torcidas.

– Na tabela a situação é aquela de duas semanas. Alianza Lima mantém a liderança com 48 pontos em 23 jogos. O Juan Aurich é o segundo e tem 43 pontos. León de Huánuco, com 38 pontos, Sport Huancayo, com 34 e Universitario, também com 34, completam os cinco primeiros.

Chilenas

– Na abertura da 12ª rodada a Universidad de Chile reencontrou o caminho das vitórias e fez 3 a 2 no Unión La Calera. A equipe tem agora 32 pontos em 12 jogos, seguida pelo Colo-Colo
com 21 pontos em 11 jogos e do Audax Italiano, com 19 pontos em 11 jogos. A Universidad Católica é a apenas a 9ª colocada, com 14 pontos em 11 jogos.

– Já na Copa do Chile a Universidad Católica faz uma boa campanha e está na final do torneio, depois de bater a Universidad de Concepción por 5 a 4. A UC enfrenta na final o Magallanes, time da segunda divisão chilena e que chegou à decisão após vitória contra o Deportes La Serena.

Venezuelanas

– Não houve rodada do Apertura 2011. O motivo foi a realização dos jogos de volta das oitavas de final da Copa Venezuela.

– O Caracas venceu o Anzoátegui por 3 a 1 e fez 4 a 3 no placar agregado. O Real Esppor venceu o Mineros por 3 a 2, mas ficou fora por causa do critério de gols marcados fora. Já o Trujillanos, atual campeão, venceu o Llaneros de Guanare por 1 a 0, somando 2 a 1 no agregado. O Zamora venceu o CD Lara por 2 a 1 e avançou com soma de 5 a 3. O Tucanes bateu o Angostura na soma – 2 a 1 – o Aragua passou pelo Petare, enquanto o Deportivo Táchira e o Lotería del Táchira ficaram fora ao serem eliminados por El Vigia e Carobobo.

– Os confrontos das quartas de final ficaram da seguinte forma:
Tucanes de Amazonas x Caracas FC
Aragua FC x AC Mineros
Trujillanos FC x Zamora FC
Carabobo FC x Atletico El Vigía

Paraguaias

– Em jogo atrasado o Libertad fez 2 a 1 no Rubio Ñu e diminuiu a distância para o líder Nacional. Já o Olimpia fez dois jogos nas últimas semanas: empatou em 1 a 1 com o Rubio Ñu e 2 a 2 com o Independiente.

– A tabela tem agora o Nacional na liderança, com 23 pontos em 11 jogos, seguido pelo Libertad, com 22 pontos em 11 jogos, Cerro com 19 pontos em 11 jogos, Guaraní com 17 pontos em 11 jogos e Olimpia com 15 pontos só que em dez jogos.

Colombianas

– Na Colômbia segue disputada a Liga Postobón II. O Nacional de Medellín é o primeiro, com 16 pontos em dez jogos, mas divide a liderança com Atletico Junior e Boyacá Chicó, ambos com 16 pontos também. Deportes Quindío, Deportivo Pereira, Millonarios, Itagüi e Atlético Huila completam os oito primeiros.

– Pela Copa Colombia o  Boyacá Chicó empatou em 1 a 1 com o Atlético Nacional e nos pênaltis venceu por 7 a 6, se classificando para a decisão do torneio. A equipe enfrentará na final o Millonarios, que passou pelo Junior de Barranquilla.

Equatorianas

Não houve rodada do Segunda Etapa. Segue a classificação com Deportivo Quito na liderança – 27 pontos em 11 jogos -, Barcelona em segundo lugar com 22 pontos em 12 jogos, Nacional em terceiro, LDU quarta e Emelec quinto.

Bolivianas

Tudo na mesma também no Apertura da Bolívia. No grupo A Real Potosi lidera com 11 pontos em cinco jogos, seguido pelo Guabirá com nove e Universitario de Sucre com oito. No Grupo B Aurora lidera com 12 pontos em cinco jogos, seguido por The Strongest, com dez, e Oriente Petrolero, com oito.

 

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo