Bundesliga

Piatek saiu do banco e, com dois gols, foi o herói do Hertha na virada arrancada no Dérbi de Berlim

O Hertha Berlim possui um dos maiores orçamentos da Bundesliga, mas não tinha o favoritismo antes do Dérbi de Berlim desta sexta-feira. Enquanto os alviazuis vinham próximos da zona de rebaixamento, ainda sem vencer em casa nesta campanha, o Union Berlim não perdia desde a primeira rodada e ocupava a zona de classificação à Liga Europa. O clássico, porém, serviu para que o time de Bruno Labbadia se reerguesse. O Union até abriu o placar, mas uma expulsão aos 23 minutos prejudicou bastante os Eisernen. Assim, o caminho ficou aberto à Velha Senhora, que contou com a qualidade de seu elenco e buscou a virada a partir dos substitutos. A vitória por 3 a 1 no Estádio Olímpico de Berlim concede um respiro mais do que bem-vindo ao Hertha.

Durante a semana, as expectativas sobre o dérbi ficaram expressas nas ruas de Berlim. O Hertha espalhou milhares de bandeiras pela cidade, antes de receber os rivais no Estádio Olímpico. Os primeiros minutos foram de um embate bastante físico. O Hertha dominava a posse de bola e tinha mais iniciativa, mas a partida se concentrava no meio, diante da forte marcação do Union. E os Eisernen acabariam provando o melhor momento, ao abrirem o placar aos 20. Cercado por dois, Marcus Ingvartsen protegeu bem a bola e enxergou a passagem de Taiwo Awoniyi dentro da área. A enfiada aproveitou a velocidade do camisa 14, que ganhou na corrida de dois marcadores. Awoniyi nem pegou tão bem na bola, mas conseguiu tirar do alcance do goleiro Alexander Schwolow e estufou as redes.

O problema do Union é que o time mal conseguiria administrar a situação confortável. Três minutos depois, os visitantes ficaram com um jogador a menos. Robert Andrich levantou demais o pé e acertou a nuca de Lucas Tousart com as travas da chuteira. O volante recebeu o vermelho direto. Assim, o Hertha intensificou sua pressão na primeira etapa. Os alviazuis mantinham mais de 75% de posse de bola, mas não tinham muita velocidade em suas ações e pouco criavam. Os Eisernen seguravam bem o resultado. Na única chance de empate, Julian Ryerson travou a tentativa de Dodi Lukébakio.

Na volta ao segundo tempo, Bruno Labbadia colocou o Hertha no ataque. Krzysztof Piatek e Javairo Dilrosun saíram do banco. Mais intensa em sua movimentação, a equipe da casa buscou o empate aos seis. Matheus Cunha fez boa jogada e arriscou de fora da área. O goleiro Luthe rebateu e, no rebote, Peter Pekarík emendou às redes. Somente então o técnico Urs Fischer preferiu recompor o meio-campo do Union, trocando Awoniyi pelo volante Sebastian Griesbeck. Com a mudança, a defesa se adiantou e os Eisernen começaram a buscar as bolas longas ao ataque. De qualquer forma, o controle era do Hertha.

Ainda que o Union Berlim parecesse mais disposto a buscar a vitória, o Hertha conseguiu a virada antes disso, aos 29. O gol saiu a partir de uma saída errada do goleiro Luthe. Os alviazuis atacaram com velocidade e Dilrosun cruzou rasteiro da esquerda. Piatek girou e bateu, contando com um desvio na marcação para tirar Luthe da jogada. Quatro minutos depois, sairia o terceiro tento. Em mais uma arrancada de Dilrosun, Piatek não conseguiu dominar. A zaga rebateu mal e o polonês então pegou na veia, acertando o canto. No fim, Urs Fischer colocou o Union no ataque, mas não conseguiu diminuir a diferença.

O Union Berlim perde a sequência de oito partidas sem derrotas, além de sofrer seu primeiro revés como visitante nesta Bundesliga. Apesar disso, continua na sexta colocação, com 16 pontos. E o estrago não é tão grande, considerando que os Eisernen só podem perder uma posição no final de semana. Já o Hertha respira. A equipe conquista sua terceira vitória nesta edição da liga e chega aos 11 pontos, ocupando o 11° lugar.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo