Bundesliga

O Augsburg agarrou suas chances, se empenhou na defesa e provocou a derrota do Bayern

Iago foi um dos destaques no triunfo do Augsburg, num resultado que ainda não pode tirar o Bayern da liderança nesta rodada

O Augsburg costuma frequentar a parte inferior da tabela e o objetivo neste início de Bundesliga não é diferente, com a busca pela permanência na primeira divisão. A realidade modesta, porém, não impede a equipe de aprontar. E, se em outras ocasiões os comandados de Markus Weinzierl causaram problemas a versões poderosas do Bayern de Pep Guardiola, Julian Nagelsmann seria também vítima das travessuras dos vizinhos de Baviera. Dentro da WWK Arena, o Augsburg fez uma partida de muito esforço para provocar a segunda derrota dos líderes nesta Bundesliga. Durante o primeiro tempo, a equipe teve bons escapes ao ataque e contou com uma ótima partida do lateral Iago. Já na segunda etapa, preponderou a entrega defensiva, que segurou a vitória por 2 a 1 e freou mais uma vez um Bayern tido como imparável.

O Bayern de Munique entrou em campo num 3-4-3 que se prometia ofensivo, com Serge Gnabry e Omar Richards nas alas. Em quarentena, Joshua Kimmich era um desfalque importante e acabava substituído por Marcel Sabitzer, enquanto Alphonso Davies era opção no banco. Kingsley Coman, lesionado, estava fora. De resto, os visitantes entravam em campo com o que tinham de melhor. Pegavam um Augsburg de jogadores bem mais modestos, como os tarimbados André Hahn e Daniel Caligiuri, misturados com opções ascendentes como Andi Zeqiri e Arne Maier.

O Augsburg se mostrou disposto a aprontar desde os primeiros instantes. Os cinco minutos iniciais foram de incômodo gerado pelos anfitriões, com uma postura agressiva e a busca pelo campo de ataque. Depois disso, porém, logo o Bayern tentaria levar o jogo ao seu curso esperado. Partiu para o campo ofensivo e tentou abrir a defesa adversária, mas com dificuldades para encontrar espaços e finalizações ruins. Era uma partida segura do Augsburg, com linhas compactas e pouca concessão aos favoritos. Tirando um lance em que Rafal Gikiewicz quase falhou numa bola recuada e chutes tortos, a criação dos líderes era pequena.

A partir dos 20 minutos, o Augsburg voltou a acreditar no resultado. E o primeiro gol veio logo no início dessa crescente, aos 23. Iago era muito ativo pelo lado esquerdo e participaria do lance. O cruzamento do brasileiro chegou a Andi Zeqiri, que estava pressionado pela marcação. A bola espirrou para trás e Mads Pedersen disparou um tiro cruzado de primeira, indefensável para Manuel Neuer. O Bayern tentou uma resposta imediata e voltou a se impor no campo de ataque, sem criatividade suficiente. Além disso, os méritos dos anfitriões eram claros pelo vigor em cada dividida.

Aos 35, a conta se tornou pior ao Bayern. O Augsburg marcou o segundo gol, de novo num lance pela esquerda. Num contra-ataque puxado por Zeqiri, após roubar a bola de Sabitzer, Iago cruzou de novo e André Hahn ganhou de Lucas Hernández pelo alto para desferir a cabeçada certeira. Ao menos, o time de Julian Nagelsmann reduziria o prejuízo três minutos depois. Benjamin Pavard cruzou, Thomas Müller desviou com o calcanhar no alto e Robert Lewandowski emendou o sem-pulo para as redes. Entretanto, os visitantes continuaram errando e não esboçaram o empate até o intervalo.

O segundo tempo recomeçou com o Bayern tentando se tornar mais incisivo e o Augsburg focado em se defender. A posse de bola era toda dos alvirrubros, mas a falta de precisão persistia, mesmo com as conclusões acontecendo. Aos sete minutos, Nagelsmann já mudou sua equipe com Alphonso Davies e Jamal Musiala entrando em campo, nos lugares de Richards e Sabitzer. Os visitantes ganhavam qualidade ofensiva e aumentaram o abafa, o que não necessariamente se reverteria no placar. Prevalecia ainda assim a intensidade e a concentração dos anfitriões no posicionamento defensivo.

Mesmo com o domínio do Bayern no jogo, Gikiewicz não era exigido. Aos 24, Nagelsmann aumentou a presença de área com Eric Maxim Choupo-Moting na vaga de Leroy Sané. O time rondava a área, sem penetração. Aos 28, quando Davies conseguiu achar uma fresta graças aos seus dribles, o chute perigoso acabou saindo para fora. Até dava para esperar uma blitz nos minutos finais, já que o Augsburg sequer saía para contra-atacar. Contudo, as oportunidades não foram tão numerosas. Aos 35, Gikiewicz trabalhou contra Lewandowski no mano a mano, antes de Davies chutar por cima do travessão na sobra. Pouco depois, Gikiewicz rebateu um tiro de Musiala. As bolas alçadas não tinham resultado contra uma defesa abnegada. O apito final premiou a luta da equipe de Markus Weinzierl.

O Bayern de Munique ainda não perde a liderança nesta rodada. Os bávaros somam 28 pontos e sustentam uma vantagem de quatro sobre o Borussia Dortmund, segundo colocado. De qualquer maneira, como fizeram Eintracht Frankfurt e Borussia Mönchengladbach (na Copa da Alemanha) recentemente, as falhas na engrenagem ficam expostas. Já o Augsburg deixa a zona de rebaixamento, ao menos temporariamente. A equipe fica com 12 pontos, dois a mais que o Stuttgart, que atualmente ocupa a zona dos playoffs. E vencer os líderes desta maneira permite acreditar numa reação nesta reta final do primeiro turno.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo