Bundesliga

Num mercado de apostas interessantes, o Eintracht Frankfurt também acerta o empréstimo de Hauge

Aos 21 anos, depois de uma temporada no Milan, Hauge chega para se desenvolver na Bundesliga

Jens Petter Hauge não teve a sequência aguardada no Milan durante a última temporada, mas, em algumas das chances que recebeu, deu mostras de talento. Aos 21 anos, o ponta indica uma margem considerável de crescimento e precisa de minutos em campo para se desenvolver. Nesta temporada, ele certamente ganhará mais espaço no Eintracht Frankfurt. O clube alemão anunciou nesta terça-feira o empréstimo do jogador norueguês, que permanecerá no Deutsche Bank Park até o final da temporada. Também foi firmada uma compra obrigatória, caso o novato atinja certos objetivos na Bundesliga.

Hauge chamou atenção do Milan por seu alto nível com o Bodo/Glimt, da Noruega. O ponta ganhou a posição de titular nos aurinegros em 2019 e, na temporada seguinte, arrebentava no Campeonato Norueguês durante a campanha arrasadora de sua equipe. O garoto sequer ficaria para comemorar o título nacional, já que os rossoneri o contrataram no meio da temporada local (que adota calendário anual), após sofrerem com o talento do norueguês durante as preliminares da Liga Europa. Foi suficiente para convencer a diretoria milanista, em negócio que custou €5 milhões.

Ao longo de sua passagem pelo Milan, Hauge anotou cinco gols e deu uma assistência em 24 aparições. O jovem se saiu muito bem na fase de grupos da Liga Europa e também agradou em suas primeiras chances na Serie A. Todavia, não apresentou a mesma efetividade quando ganhou uma sequência maior e até pintou como titular. Durante o segundo turno da liga, acabaria relegado ao banco de reservas, mesmo anotando um gol em sua última aparição no torneio, contra a Sampdoria.

Se o espaço no Milan parecia restrito, o Eintracht Frankfurt deve receber de braços abertos Hauge. Até por seu estilo agressivo e de muita contribuição nos lances de ataque, o norueguês tende a se adaptar muito bem na Bundesliga. Além do mais, pode se tornar uma arma diante da reconstrução realizada pelo técnico Oliver Glasner no Deutsche Bank Park. Em seus tempos de Wolfsburg, o treinador praticava um futebol mais reativo, mas que tende a aproveitar a incisividade do ponta.

O mercado do Eintracht Frankfurt, aliás, é bem interessante. Após a venda de André Silva, as Águias fizeram uma série de contratações para o setor ofensivo, com destaque às compras de Rafael Santos Borré e Jesper Lindström. Até por sua experiência adquirida na última temporada, Hauge pode ser uma referência técnica dentro deste grupo tão jovem. Será interessante ver a produção ofensiva do Frankfurt, ainda mais com as presenças de Amin Younes, Filip Kostic e Daichi Kamada entre as opções. Vale citar ainda a vinda de Christopher Lenz, lateral que veio de graça do Union Berlim.

Vale lembrar que a sequência de Hauge também pode ser importante para suas próprias ambições com a seleção da Noruega. O ponta ganhou algumas chances como titular desde 2020 e, agora, participará da mesma liga em que atuam Erling Braut Haaland e Alexander Sörloth. Mesmo em outros clubes, talvez os compatriotas auxiliem no processo de adaptação do ponta ao novo país. E talento nunca foi muito o problema de Hauge, mesmo que suas mostras em alto nível pareçam limitadas.

Embora tenha perdido André Silva, seu grande artilheiro na última campanha, o Frankfurt parece se fortalecer no conjunto. Monta um ataque com plenas chances de progredir e evoluir com o tempo. Todavia, o início da temporada indica que um pouco de paciência será importante, com a eliminação diante do Waldhof Mannheim na Copa da Alemanha. Se as tantas promessas desabrocharem, as Águias tendem a se tornar ainda mais competitivas em médio prazo.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo