Bundesliga

Götze retorna à Alemanha para ser a face principal do Eintracht Frankfurt rumo à Champions

Götze indicava seu desejo de retornar à Bundesliga e chega como um reforço de peso ao bom momento do Frankfurt

De volta à Champions League depois de 62 anos, o Eintracht Frankfurt anunciou um reforço de peso para a competição continental: Mario Götze é o novo jogador do clube. Aos 30 anos, o meia desembarca no Deutsche Bank Park em alta, depois de uma boa temporada com a camisa do PSV. Saudável e em forma, o armador voltou a exibir seu talento com mais regularidade e recuperou seu prestígio sob as ordens de Roger Schmidt – mesmo que sem atingir novamente o potencial do início de sua carreira. Agora, terá a chance de se estabelecer num novo ambiente dentro da Alemanha e com boas perspectivas de se marcar também como ídolo das Águias neste período importante da agremiação. Custa €4 milhões, em novo contrato assinado até junho de 2025.

O Eintracht Frankfurt será o terceiro clube diferente da Bundesliga que Götze defenderá. A ligação com o Borussia Dortmund é umbilical, especialmente pela maneira como estourou pelos aurinegros, enquanto o Bayern de Munique também representa um período notável de sua trajetória – sem emplacar totalmente, mas se transformando em herói de Copa do Mundo. O Frankfurt oferece um ambiente de menos pressão e objetivos mais modestos, que podem auxiliar o meia, mas sem afastá-lo totalmente do alto nível.

As duas últimas temporadas, pelo PSV, marcaram o ressurgimento de Götze. O meia se transferiu para a Eredivisie e escapou das expectativas altas da Bundesliga. Além do mais, também tinha uma nova motivação após meses em que sua carreira parecia sob risco de um fim abrupto, diante de um problema metabólico. O meia chegou a enfrentar dificuldades com a balança e também uma propensão maior às lesões. Durante a segunda passagem pelo Dortmund, esteve distante de repetir seu auge e não emendava grande sequência. Mudou até de empresário e resolveu repensar seu caminho, rumo a Eindhoven.

Sem contrato, Götze assinou com o PSV sem custos e aproveitou a chance de trabalhar com Roger Schmidt. Virou um ponto focal da equipe e recobrou sua confiança. Os números do meia não são tão estrondosos assim, considerando os 18 gols e 18 assistências em 77 partidas. De qualquer maneira, ele conseguiu ter uma frequência de minutos que não experimentava desde os tempos de Bayern e ofereceu algumas atuações brilhantes. O talento seguia presente ali, para decidir partidas pontuais e auxiliar uma boa temporada da equipe, faturando a Copa da Holanda. O armador virou até capitão em algumas partidas, sinal de sua liderança.

Com a saída de Roger Schmidt para o Benfica, Götze passou a considerar abertamente sua transferência para a atual temporada. Não escondia certo desejo de retornar à Alemanha, mesmo tendo propostas de outras ligas. E o Eintracht Frankfurt oferece excelentes condições, sem precisar necessariamente estourar seu teto salarial com o negócio. É um clube organizado, de bons desempenhos e com uma torcida apaixonada. Além do mais, segue com ambições altas após conquistar a Liga Europa e se classificar para a Champions League. Götze desembarca para elevar o patamar das Águias, como alguém muito experimentado em partidas desse calibre. Seus lampejos poderão fazer a diferença.

“O fato de um jogador como Mario Götze ter escolhido o Eintracht Frankfurt com convicção, mesmo tendo numerosas ofertas, fala primeiro sobre a excelente imagem que o clube desenvolveu nos anos recentes. Sentíamos falta de ter um jogador como ele. As habilidades de Mario ajudarão enormemente nosso jogo, especialmente quando tivermos a posse contra adversários fechados. Além disso, ele garante força em quase todas as posições ofensivas, o que nos dá mais variações táticas. Por fim, ele traz muitos anos de experiência no nível internacional mais alto”, comentou o diretor esportivo Markus Krösche.

Já Götze adicionou: “Esse clube atravessa um desenvolvimento extraordinário e segue um caminho empolgante e ambicioso, que agora posso acompanhar de perto. As discussões com Markus Krösche e Oliver Glasner logo mostraram que temos as mesmas ideias e perseguimos os mesmos objetivos. Esse clube tem uma grande fundação. Do estádio aos torcedores, passando pela cidade, tudo me agrada. Estou realmente ansioso por meu retorno à Bundesliga”.

O encaixe de Götze no Frankfurt deverá ser simples. Considerando o esquema com dois meias de ligação, usado pelo técnico Oliver Glasner, será alguém para revezar ao lado dos jovens Jesper Lindström e Daichi Kamada no setor. O medalhão dá profundidade ao elenco, garante mais rodagem e também uma classe a mais. Tende a ser também uma face mais visada das Águias nesse passo rumo à Champions e, quem sabe, a boas campanhas mais frequentes dentro do próprio Campeonato Alemão.

O mercado do Eintracht Frankfurt é bem movimentado até o momento. O clube já tinha buscado o zagueiro Hrvoje Smolcic, de 21 anos, no Rijeka. Também acertou as permanências de Jens Petter Hauge e Kristijan Jakic, ambos emprestados na temporada passada. E aproveitou bons nomes sem contrato, em especial o centroavante Randal Kolo Muani (Nantes) e o zagueiro Jérôme Onguéné (Red Bull Salzburg), além do lateral Aurélio Buta (Royal Antuérpia) e do ponta Faride Alidou (Hamburgo). Melhor ainda, a base principal não sofreu perdas significativas até o momento, com saídas pontuais de reservas.

Aos 30 anos, Götze ainda tem tempo para escrever grandes capítulos em sua carreira. As expectativas quebradas e os problemas físicos geram naturais indagações sobre o meia, mas sua qualidade técnica nunca foi uma questão. Até por seu estilo de jogo, tem totais condições de se tornar um armador bastante produtivo dentro de um sistema que o abrace – e isso parece possível em Frankfurt. Quem sabe, para que o herói do tetracampeonato mundial da Alemanha desfrute da adoração de uma das torcidas mais apaixonadas do país. Sua história merece uma passagem bem sucedida pelo Deutsche Bank Park.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo