Bundesliga

Gladbach x Bayern abriram a Bundesliga com um grande jogo e uma coleção de chances apesar do empate

Sommer e Neuer seriam decisivos ao resultado no Borussia Park, com o suíço terminando a noite como o melhor em campo

A Bundesliga abriu a temporada 2021/22 com um embate de camisas pesadas no Borussia Park. E seria uma partidaça para coroar o novo início da competição. Borussia Mönchengladbach e Bayern de Munique protagonizaram um encontro empolgante durante os 90 minutos, em que o empate por 1 a 1 prevaleceu no placar, mas a vitória poderia ter saído a qualquer lado. O Bayern teve mais controle do jogo e forçou ótimas defesas de Sommer, mas o Gladbach criou uma série de perigos com a velocidade de seu ataque e ainda reclamou muito de pênaltis não dados. Por mais que as visitas aos Potros costumem ser bastante difíceis, os bávaros sentem que a busca pelo decacampeonato pode não ser tão simples.

Existiam expectativas dos dois lados. Afinal, as duas equipes viviam as estreias de seus novos treinadores na Bundesliga. Julian Nagelsmann iniciou sua condução do Bayern, na primeira partida oficial, e tinha a presença de Hansi Flick nas arquibancadas. Já Adi Hütter havia dirigido o Gladbach na Copa da Alemanha e encarava sua primeira prova de fogo após eliminar o Kaiserslautern no torneio eliminatório. Dentro de campo, a novidade principal era a estreia de Dayot Upamecano entre os bávaros, apesar dos desfalques da equipe sobretudo no setor defensivo.

A partida já teria um ritmo frenético desde seus primeiros minutos. E o Borussia Mönchengladbach aproveitava a velocidade de seu ataque para atormentar o Bayern. Os Potros criaram chances logo de cara, com Patrick Hermann e Lars Stindl ameaçando em ótimos lances. Quando os bávaros chegaram, Serge Gnabry errou o alvo em boas condições e ainda estava impedido. De qualquer maneira, o duelo pendia ao time da casa e o Gladbach merecidamente anotou o primeiro gol aos 10. A partir de uma roubada de bola, Herrmann deu a enfiada e Stindl se esticou para efetuar o passe de carrinho. Alassane Pléa ficou de frente com Manuel Neuer e definiu.

O Bayern tentou responder de imediato, logo iniciando o embate entre Yann Sommer e Robert Lewandowski. O goleiro se daria melhor primeiro, com uma boa defesa em dois tempos. Os bávaros foram ganhando terreno com o passar dos minutos, mas ainda encontravam dificuldades para superar a defesa do Gladbach. Uma válvula de escape era Josip Stanisic, muito acionado na lateral direita dos alvirrubros. E quando saiu a conexão entre Thomas Müller e Lewandowski, de novo Sommer faria outra defesaça para evitar o pior, à queima-roupa.

O Gladbach não se restringia tanto ao seu campo defensivo, mas claramente não conseguia reproduzir o bom início de jogo, com a marcação do Bayern se acertando. À medida que o primeiro tempo ia chegando ao final, a partida ficava mais difícil aos anfitriões. Por mais que Sommer vivesse uma noite excelente, parando também Stanisic, o empate aconteceu aos 42. Numa cobrança de escanteio, Joshua Kimmich endereçou o cruzamento no meio da área e Lewandowski se livrou da marcação para definir de primeira, desta vez sem chances de defesa.

Na volta ao segundo tempo, o Bayern aumentou a pressão e dificultava as transições do Gladbach. Com isso, os visitantes até esboçaram a virada, mas sem superar a firmeza de Sommer. Os Potros responderam do outro lado por volta dos dez minutos, mas Neuer também manteria a igualdade ao pegar sem rebote um tiro de Florian Neuhaus. E numa noite em que os goleiros se provavam decisivos, Sommer se saía ainda melhor. O suíço adicionou mais dois milagres à sua lista, em defesas consecutivas com os pés, diante de Alphonso Davies e Lewa.

Aos 20 minutos, o Gladbach renovou as energias de seu ataque, com Marcus Thuram e Jonas Hofmann. A equipe teria sua melhor chance da segunda etapa pouco depois, em novo ataque rápido. Thuram passou a Stindl, que mirou o canto, mas Neuer se esticou para salvar. Do outro lado, o Bayern mexeria aos 30, com as participações de Kingsley Coman e Jamal Musiala. Nada que tenha melhorado de imediato os bávaros, com Thuram perdendo nova chance para o segundo pouco depois, sem conseguir completar um cruzamento. E o francês ainda reclamaria de dois pênaltis após contato com Upamecano, que o VAR revisou e não marcou. O banco dos Potros se revoltou com a decisão da arbitragem, com direito a cartão amarelo para Adi Hütter.

Na reta final do jogo, o Bayern contou com as entradas de Bouna Sarr e Eric Maxim Choupo-Moting. A equipe voltou a se postar no campo de ataque e buscava o segundo gol, acionando bastante Coman na direita. Apesar da pressão e de certa insistência na área, os bávaros não conseguiram o gol milagroso. No melhor lance, Coman conectou com Kimmich, mas o meio-campista finalizou para fora. Diante dos riscos, o Gladbach já se contentou em segurar o empate. Ainda assim, havia uma sensação de oportunidade perdida entre os Potros, até pela questão dos pênaltis reivindicados.

Durante as últimas temporadas, o Gladbach se acostumou a roubar pontos do Bayern e a vencer os multicampeões. Desta maneira, o resultado no Borussia Park passa longe de surpreender. Já é o primeiro desafio à hegemonia bávara, agora sob as ordens de Nagelsmann. Na sequência desta primeira rodada da Bundesliga, o destaque fica para Borussia Dortmund x Eintracht Frankfurt no sábado, dentro do Signal Iduna Park.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo