Bundesliga

Dez reforços interessantes para a metade final da Bundesliga nesta econômica janela de inverno

Graças ao seu apoio, as colunas das cinco grandes ligas da Europa estão de volta, e esta é a Die Meister, com informações e análises sobre o futebol alemão. Faça parte do nosso financiamento coletivo no Apoia.se e nos ajude a bater mais metas

A Bundesliga atravessou uma janela de transferências bastante contida neste inverno – como também ocorreu nas demais grandes ligas europeias. Os 18 clubes da primeira divisão alemã desembolsaram apenas €48,6 milhões em reforços ao longo de janeiro. Ainda foi o terceiro campeonato que mais gastou na Europa, mas o volume de investimentos caiu drasticamente em comparação com outros anos. Os gastos foram reduzidos em 76,3%, em relação a janeiro de 2020, num enxugamento óbvio diante da perda de receitas com a pandemia. Assim, os times tiveram que ser mais inteligentes em seus movimentos.

Gigantes como Bayern de Munique e Borussia Dortmund não trouxeram ninguém de fora. Os mercados mais movimentados se concentraram em clubes ameaçados pelo rebaixamento ou com problemas de lesão. Apesar disso, a maioria preferiu apostar em empréstimos ou acertos sem custos. Mesmo o endinheirado Hertha Berlim adotaria tal caminho desta vez.

O clube que mais “gastou” foi o RB Leipzig, desembolsando €20 milhões. Porém, o valor ficará em casa, repassado à sede da Red Bull em Salzburg diante da vinda de Dominik Szoboszlai. Depois, aparece o Bayer Leverkusen, que tirou €14,7 milhões dos cofres cheios desde a venda de Kai Havertz. Já o terceiro no pódio é o Borussia Mönchengladbach, que investiu €9 milhões no garoto Kouadio Koné. Entretanto, o prodígio só deixará o Toulouse na próxima temporada. De resto, ninguém empreenderia mais do que €1,2 milhão.

Apesar da economia, diferentes clubes fizeram bons negócios. Abaixo, trouxemos uma lista de jogadores que merecem ser observados neste segundo turno da Bundesliga. Foram apenas considerados os atletas que se juntam ao elenco de imediato – Kouadio Koné, por exemplo, não foi elegível. Além disso, para aumentar a diversidade e falar sobre mais clubes, escolhemos um representante por time. Confira a lista:

Luka Jovic (Eintracht Frankfurt)

O Eintracht Frankfurt trouxe de volta o seu filho pródigo e, bem, ficou provado como Jovic não desaprendeu a jogar futebol. O clima do centroavante é outro na Alemanha e, com confiança, não demorou a corresponder. As Águias pagaram €1 milhão pelo empréstimo junto ao Real Madrid, valor que foi recompensado de imediato pelo sérvio de 23 anos. Jovic anotou três gols em suas primeiras quatro aparições pelo Frankfurt, sempre saindo do banco, e fortalece uma equipe que se torna candidata à vaga na Champions League pelo bom momento recente. Baita negócio, mesmo com André Silva gastando a bola. Já Bas Dost foi vendido ao Club Brugge e garantiu €4 milhões aos cofres. Outra perda foi o capitão David Abraham, que preferiu voltar à Argentina e defenderá o Huracán de Chabás, da sua cidade-natal.

Dominik Szoboszlai (RB Leipzig)

Szoboszlai atraiu o interesse de diversos clubes europeus ao longo dos últimos meses, mas o RB Leipzig se aproveitou da conexão com o Red Bull Salzburg para transferir o talento da Áustria para a Alemanha, em custo de €20 milhões. O meio-campista de 20 anos ainda não foi relacionado, com problemas nos adutores, mas deve reforçar os Touros Vermelhos na reta final da temporada. É um jogador de extrema categoria e que bate muito bem na bola, sobretudo nas cobranças de falta. Durante a última Champions League, mostrou-se ainda um pouco cru, o que a rodagem na Bundesliga pode ajudar. Certamente crescerá nas mãos de Julian Nagelsmann.

Sami Khedira (Hertha Berlim)

O Hertha Berlim fez uma janela de transferências bem mais contida desta vez. Ainda assim, a Velha Senhora precisava de reforços e repatriou Khedira após 11 anos longe da Bundesliga. Há uma grande incógnita sobre o rendimento do meio-campista de 33 anos, considerando os problemas físicos nas últimas temporadas e que ele sequer atuou pela Juventus na atual campanha. Em contrapartida, é uma liderança clara, que poderá fazer a diferença num time desequilibrado dentro de campo e que não exibe uma unidade. Vale o risco dos berlinenses, já que os juventinos liberaram o veterano de seu contrato. Num elenco com vários talentos, mas ninguém tão tarimbado, Khedira será referência. Outro reforço foi o ponta Nemanja Radonjic, emprestado pelo Olympique de Marseille.

Klaas-Jan Huntelaar (Schalke 04)

O Schalke 04 realizou o mercado mais movimentado da Alemanha neste inverno. Pudera, com a situação limítrofe na zona de rebaixamento. A defesa foi o setor que mais ganhou novos nomes. Sead Kolasinac foi o primeiro, emprestado, atendendo o chamado do antigo clube e já assumindo a braçadeira de capitão. Shkodran Mustafi veio após encerrar seu contrato com o Arsenal, ocupando a lacuna no miolo de zaga, e William chegou por empréstimo do Wolfsburg. Mesmo assim, nenhum deles com a estatura de Huntelaar. O velho ídolo estava na reserva do Ajax, mas ainda anotando seus golzinhos. Atendeu o pedido dos Azuis Reais e contou com a colaboração dos Ajacieden, que facilitaram a mudança sem custos. Aos 37 anos, traz sua história para evitar o iminente rebaixamento, mas também deverá contribuir com gols, se alternando com o jovem Matthew Hoppe na frente. O Schalke, por outro lado, sofreu a principal perda desta janela na Alemanha. Ozan Kabak não vinha tão bem na atual temporada, mas é um zagueiro de imenso potencial. Sai por empréstimo ao Liverpool, com opção de compra.

Max Meyer (Colônia)

Diante da ameaça da segunda divisão, o Colônia foi outro que correu atrás de reforços nesta janela de inverno. Emmanuel Dennis veio por empréstimo do Club Brugge e dá novo vigor ao ataque, com bons momentos inclusive na Champions League. Com sua chegada, Anthony Modeste foi liberado por empréstimo ao Saint-Étienne. Já o nome mais badalado é o de Max Meyer. Por conta de seu salário exorbitante, o meio-campista se tornou um peso no Crystal Palace, onde não vingou. Volta à Alemanha com um contrato de seis meses, aproveitando a vitrine nos Bodes para apresentar o que ainda pode jogar e se recolocar em um time melhor. Talento não falta ao meio-campista, que ainda pode se desenvolver aos 25 anos, mas precisa reconstruir sua imagem após a queda de rendimento desde sua última temporada no Schalke.

Danny da Costa (Mainz 05)

Mais um candidatíssimo ao rebaixamento, o Mainz 05 realizou negócios cirúrgicos na atual janela de transferências. Os alvirrubros buscaram duas novas opções no Eintracht Frankfurt: o meio-campista Dominik Kohr e o ala Danny da Costa. O segundo chegou a ser um jogador importante na equipe de Adi Hütter, mas perdeu espaço gradualmente e vinha esquentando o banco na atual temporada. Aos 27 anos, Da Costa é um jogador de muita força física e capacidade no apoio. Seus gols e assistências podem ajudar o Mainz a respirar um pouco mais, e ele já fez a diferença na vitória recente sobre o RB Leipzig. O Mainz, porém, emprestou Jean-Philippe Mateta ao Crystal Palace por €3,5 milhão. O centroavante não estava em sua melhor forma pelo clube, mas ainda sobrava na artilharia. É um movimento mais interessado na grana que no plano esportivo, talvez já admitindo a volta à segunda divisão.

Demarai Gray (Bayer Leverkusen)

Se nas últimas temporadas o Bayer Leverkusen foi de um primeiro turno morno a uma crescente no segundo turno da Bundesliga, o movimento parece o contrário em 2020/21. Os Aspirinas vivem um momento ruim e, além de deixarem o G-4 do campeonato, caíram na Pokal para um adversário da quarta divisão. Até por esse declínio, com dinheiro em caixa após a venda de Kai Havertz, a diretoria se mexeu um pouco mais. Com as muitas lesões na lateral direita, Jeremie Frimpong e Timothy Fosu-Mensah desembarcaram para a posição. O primeiro veio do Celtic por €11 milhões, enquanto o segundo acabou cedido pelo Manchester United por €1,7 milhões. Já no ataque, agora há a opção de Demarai Gray. O ponta de 24 anos chegou a ser titular no Leicester, mas vinha sendo pouco aproveitado por Brendan Rodgers e estava no segundo quadro. Tentará recuperar seu moral, num investimento que custou apenas €2 milhões, já que seu vínculo na Inglaterra estava próximo do fim.

Leon Dajaku (Union Berlim)

O Union Berlim trouxe dois novos nomes para seguir competindo na parte de cima da Bundesliga. Petar Musa é um jovem centroavante que chega por empréstimo do Slavia Praga. Outro garoto emprestado é Leon Dajaku, meia de 19 anos que estava no Bayern II. Após iniciar sua trajetória na base do Stuttgart, o adolescente foi levado pelos bávaros e foi um dos destaques na conquista da terceira divisão em 2019/20. Agora, terá a chance de se provar na elite. Dajaku entrou em duas partidas dos Eisernen e deve ser utilizado mais como um segundo atacante de mobilidade, servindo de alternativa ante a lesão de Max Kruse.

Lászlo Bénes (Augsburg)

Bénes ganhará minutos importantes para seguir sua ascensão na Alemanha. O eslovaco foi levado para o segundo quadro do Borussia Mönchengladbach, mas chegou a ganhar destaque durante um empréstimo ao Holstein Kiel na segundona. Durante a temporada passada, virou alternativa a Marco Rose no Gladbach e entrou algumas vezes, demonstrando qualidade para bater na bola. Porém, perdeu espaço na atual temporada e, emprestado, pode ser útil no setor de criação do Augsburg. É o único novo nome aos bávaros, que tinham investido bastante durante o início da temporada e cumprem uma boa campanha dentro de seu objetivo de fugir do rebaixamento.

Georginio Rutter (Hoffenheim)

Aos 18 anos, Georginio Rutter deve ser uma aposta para o futuro do Hoffenheim. Ainda assim, a adição do francês por apenas €500 mil parece um ótimo movimento dos alviazuis. Formado pelo Rennes, o garoto disputou suas primeiras partidas como profissional na atual temporada. Esteve em campo cinco vezes e marcou o único gol justamente em sua estreia na Champions League, balançando as redes do Sevilla no fechamento da fase de grupos. Rutter também tem rodagem nas seleções francesas de base, presente na equipe que faria bom papel no Mundial Sub-17 de 2019, disputado no Brasil.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo