AlemanhaBundesliga

A concorrência derrapa e, depois de cinco anos, o Schalke 04 assume a vice-liderança da Bundesliga

Bastou Jupp Heynckes assumir o comando para o Bayern de Munique deslanchar na Bundesliga. Os bávaros venceram os cinco jogos na competição sob as ordens do treinador e já abrem seis pontos de vantagem na liderança. A arrancada dos pentacampeões, porém, também conta com a derrapada dos seus principais concorrentes até então. O Borussia Dortmund somou um mísero ponto nas últimas cinco rodadas, o Hoffenheim também deixou de vencer e o RB Leipzig oscila bastante. Melhor para quem vem no gás posições abaixo. E o domingo termina com um vice-líder que não se via há tempos na Alemanha. Pela primeira vez desde novembro de 2012, o Schalke 04 aparece na segunda colocação da liga.

Os Azuis Reais tiveram um jogo relativamente tranquilo neste domingo. Derrotaram o Hamburgo por 2 a 0 na Veltins Arena. O Schalke abriu o placar aos 17 do primeiro tempo, em pênalti convertido por Franco Di Santo. Já aos 32 da segunda etapa, o segundo gol aconteceu após uma excelente troca de passes. Yevhen Konoplyanka rolou com açúcar para Guido Burgstaller apenas empurrar para as redes vazias. Foi a quarta vitória do clube de Gelsenkirchen nas últimas cinco rodadas, também invicto há seis.

Na última temporada, o desempenho do Schalke decepcionou. O time chegou a flertar com a zona de rebaixamento nas primeiras rodadas e não engrenou, limitado à zona intermediária da tabela. Entretanto, estava claro que este era um elenco que precisava de rodagem. Com vários bons jogadores, os Azuis Reais poderiam amadurecer e voltar a sonhar com as competições europeias. Exatamente o que se vê nesta campanha, por enquanto. Com jovens e veteranos dividindo responsabilidades, a equipe vai rendendo.

O principal talento do Schalke é Leon Goretzka. Falar do meio-campista é chover no molhado, especialmente pelo destaque que ele vem ganhando na seleção alemã. Não deve permanecer na Veltins Arena por muito tempo, mas segue oferecendo bastante à equipe. O zagueiro Thilo Kehrer e o meia Amine Harit são outros dois prodígios que começam a ganhar espaço, enquanto ainda há jogadores de potencial que não têm se destacado tanto, como Max Meyer e Breel Embolo. De qualquer maneira, energia não falta ao time.

Já na velha guarda, quem se sobressai é o veteraníssimo Naldo, que aos 35 anos permanece entre os principais defensores da Bundesliga – desta vez, liderando um sistema com três zagueiros. Ralf Fährmann assumiu o posto de capitão e é um goleiro muito bom, geralmente subestimado. Já no ataque, o papel desempenhado por Burgstaller e Konoplyanka merece o devido destaque. Pode não ser um time completamente brilhante, mas possui qualidade para ir além do que fez no último ano.

Por fim, no banco de reservas há uma grande aposta. Se Julian Nagelsmann já se tornou personagem célebre na Bundesliga, Dominic Tedesco busca estabelecer uma trajetória parecida. O italiano de 32 anos chegou nesta temporada, após trabalhar nas categorias de base do Stuttgart e do Hoffenheim, além do time principal do Erzgebirge Aue. Não dirige uma equipe tão dinâmica ou ofensiva, mas a eficiência vem sendo importante aos Azuis Reais. Resta saber até onde este seu início em alto nível poderá levá-lo, com uma cobrança imensa diante da costumeira pressão que se vive em Gelsenkirchen. Por enquanto a satisfação é inegável.

De qualquer maneira, o cenário na Bundesliga é totalmente movediço. Em um campeonato extremamente equilibrado, basta uma boa sequência para o time despontar – como acontece com o Borussia Mönchengladbach, novo ocupante do G-4, após derrotar o Hertha Berlim neste sábado. A chave para aqueles que almejam a Champions é manter a consistência. E aproveitar enquanto Borussia Dortmund e RB Leipzig, principalmente, derrapam. Pelo potencial de ambos os elencos, são times para não ficar neste bolo por tanto tempo.

Abaixo, a tabela disponível no Soccerway.com:

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo