ÁfricaCopa Africana de Nações

Senegal aceitará as punições por violência dos torcedores

Técnico da seleção de Senegal, Ferdinand Coly assegurou que a federação do país aceitará qualquer sanção imposta pelos eventos ocorridos neste sábado. Indignados com a eliminação da equipe nas eliminatórias da Copa Africana de Nações, torcedores colocaram fogo em setores do estádio em Dacar e provocaram o abandono da partida contra Costa do Marfim. Os Elefantes venceram por 2 a 0 e estarão na CAN 2013.

“Vamos enfrentar dias difíceis, mas Senegal aceitará as sanções. Enquanto isso, temos que pedir desculpas à Costa do Marfim e tomar as medidas para que isso nunca mais aconteça. Fico triste porque este tipo de situação não tem espaço em um campo de futebol ou em qualquer outro lugar. É algo traumático para os jogadores, principalmente os jovens. O trabalho psicológico será extremamente difícil”, afirmou Coly.

Ministro do interior de Senegal, Mbaye Ndiaye lamentou o episódio: “É uma vergonha. Precisamos aplaudir o comportamento e o senso de fair play da Costa do Marfim, por permanecer em campo diante daquela situação”. Além dos jogadores marfinenses, cerca de 300 torcedores visitantes foram movidos para o centro do campo, protegidos da violência.

A Confederação Africana de Futebol (CAF) ainda não se manifestou sobre o caso. Entre as punições especuladas está o banimento de Senegal dos próximos torneios internacionais ou a perda do mando de campo da seleção em competições oficiais. Os Leões de Teranga seguem vivos na disputa das eliminatórias da Copa de 2014, liderando o Grupo J.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo