Africa

Em jogo chato, Ronwen Williams garantiu uma pequena diversão ao brilhar nos pênaltis e dar à África do Sul um honroso 3º lugar

Na disputa de 3º lugar da Copa Africana, RD Congo joga melhor e empilha chances claras de gol, mas acaba derrotada nos pênaltis pela África do Sul

África do Sul x República Democrática do Congo se enfrentaram neste sábado (10), no Estádio Félix Houphouët-Boigny, pela disputa do 3º lugar da Copa das Nações Africanas. Em jogo monótono, chato e fraco tecnicamente, os sul-africanos levaram a melhor nos pênaltis após empate por 0 a 0 no tempo normal. Ronwen Williams brilhou, defendeu duas cobranças e garantiu o triunfo de seu país.

Nada aconteceu no 1º tempo e o 0 a 0 no placar provou isso

A primeira finalização da partida saiu com 17 segundos de bola rolando. E foi da RD Congo. A África do Sul saiu jogando errado, Simon Banza recuperou a posse e serviu Grady Diangana. Já dentro da área, o camisa 7 chutou cruzado, mas sem direção. Aos 8′, mais Leopardos no ataque. Silas Wamangituka recebeu lançamento em profundidade e ficou cara a cara com Ronwen Williams. Contudo, tentou driblar o goleiro sul-africano e enfeitou demais. Melhor para o camisa 1, que se atirou na bola e, sem cometer pênalti, a roubou do atacante congolês.

Após início ruim, a África do Sul colocou a bola no chão e buscou frear o ímpeto ofensivo dos congoleses. Com 19′ no relógio, enfim uma boa jogada dos Bafana Bafana (apelido da Seleção Africana). Do meio-campo, Mokoena descolou lindo lançamento para Makgopa, que invadiu a área e encheu o pé, porém exagerou na força. A bola subiu demais, para alívio do goleiro Dimitry Bertaud. E foi literalmente só isso que aconteceu durante os 45′ iniciais.

Morno, estudado e com pouquíssimas chances claras de gol. Assim foi o 1º tempo de África do Sul x RD Congo. As defesas se sobressaíram sobre os ataques e o jogo ficou truncado, com muitos duelos físicos e erros técnicos. No geral, os congoleses, apesar de menos posse de bola, arriscaram mais e estiveram perto de balançar as redes com Silas Wamangituka. Já a Seleção Sul-Africana abusou das ligações diretas e facilitou a vida do adversário.

Congo pressiona e empilha chances, mas não altera o placar

Veio o 2º tempo e a RD Congo aumentou a intensidade no ataque. Aos 5′, em boa tabelinha com Diangana, Banza recebeu na área, girou para cima da marcação e arrematou por cima da meta. No lance seguinte, a dupla funcionou novamente. Dessa vez, o atacante escorou de cabeça e o camisa 7 disparou chute forte, contudo também longe do gol.

Sem reposta, a África do Sul não conseguia trocar três passes e sair da pressão congolesa. Só um time jogava e o gol parecia questão de tempo. Aos 20′, Ronwen Williams cometeu erro crasso, não agarrou bola simples na área e ela se ofereceu a Meschack Elia, que serviu Wamangituka. Sem goleiro, o atacante do Stuttgart conseguiu chutar para fora, levando Sébastien Desabre, treinador do Congo, ao desespero na área técnica.

Na primeira e única escapada sul-africana na etapa complementar, Mayambela pegou a defesa congolesa de surpresa ao receber lançamento longo. O meia experimentou arremate cruzado e obrigou Bertaud a fazer boa intervenção, sem dar rebote. E foi só. A RD Congo martelou muito em busca do gol da vitória e desperdiçou pelo menos mais duas oportunidades claras. Já a África do Sul tentou explorar os contra-ataques e também não foi feliz na estratégia. Assim, o 0 a 0 se manteve e a decisão se encaminhou para os pênaltis.

Ronwen Williams brilha nos pênaltis e garante 3º lugar da África do Sul

Mokoena abriu a disputa para África do Sul e acertou a trave. Moutoussamy se aproveitou do erro adversário, cobrou no alto, com categoria, e colocou a RD Congo na frente. Depois, Sibisi fez o primeiro dos sul-africanos e empatou o duelo. Contudo, Mfulu tratou de recolocar os congoleses em vantagem.

Posteriormente, Thabang Monare e Modiba converteram para a África do Sul, enquanto Cédric Bakambu e Kayembe, do lado congolês, também não desperdiçaram. Assim, a RD Congo tinha dois match points. Zakhele Lepassa deslocou o goleiro e manteve os sul-africanos vivos. Mbemba então tinha a chance de se consagrar e dar a vitória aos congoleses. No entanto, Ronwen Williams pegou e colocou fogo na disputa.

Nas cobranças alternadas, Oswin Appollis fez e colocou pressão no congolês Yoane Wissa. Mas ele esbanjou frieza e deixou tudo igual: 5 a 5. No duelo seguinte, tivemos a definição do vencedor. Siyanda Xulu converteu e botou a África do Sul em vantagem. Já Meschack Elia tremeu na frente de Williams e parou no bom arqueiro sul-africano.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Apaixonado por futebol, uniu o amor pelo esporte mais popular do mundo ao jornalismo. Carioca da gema e grande entusiasta da Premier League, cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na música, vai de Post Malone a Armandinho. Eclético assim como na área técnica. Afinal, Guardiola e Mourinho são suas referências.
Botão Voltar ao topo