África

Nigéria em alta

Corrupção entre dirigentes, “gatos” nas seleções de base, vaga na Copa do Mundo em risco… É, o futebol nigeriano não anda nada bem. Mas há esperança. Essa é a mensagem que a classificação de Heartland e Kano Pillars para a semifinal da Liga dos Campeões transmite a todos no país. Pela primeira vez na história, o futebol local terá dois representantes nessa fase do torneio.

A façanha é ainda mais comemorada devido ao fato de a dupla ser a primeira, desde 1996, a alcançar esse estágio do campeonato. Exceção feita, claro, ao Enyimba, campeão em 2003 e 2004 e que, nos últimos anos, deu as cartas. Antes disso, somente o Shooting Stars, que hoje não assusta mais ninguém, conseguiu protagonizar tal campanha. O feito serve de exemplo também, pois, ao contrário do que se costuma ver no continente, os times não tiveram praticamente nenhum apoio da federação nigeriana, bastante criticada no país por só aparecer em momentos de festa.

Mesmo contando com o suporte do governo do estado de Imo, que comanda o clube, o Heartland enfrentou dificuldades financeiras ao longo de sua caminhada e acompanhou até a um protesto dos jogadores pelo não-pagamento do “bicho” de uma partida. Ainda assim, desbancou em sua chave o poderoso Étoile du Sahel, que atravessa uma fase de transição e não conseguiu se classificar. Do outro lado da Nigéria, o Kano Pillars é uma equipe nova e desponta como um modelo a ser seguido no país. Faz a sua estreia na Liga dos Campeões nesta temporada.

Em meio a tudo isso, os nigerianos só lamentam o encontro dos dois times já nas semifinais. O que, de qualquer forma, já representa um alento para o futebol local, que, depois de cinco anos, voltará a ter um representante na final. No embate entre Heartland e Pillars, o fator casa deverá se mostrar decisivo. Os Naze Millionaries foram bem diante de seus torcedores na fase anterior e farão a primeira partida em seus domínios. Sem o meia-atacante Emeka Nwanna, negociado com Israel, apostam suas fichas em Stanley Oporo e Ike Thankgod. O Pillars, por sua vez, vem com problemas na defesa.

Na outra semifinal, um confronto entre dois clubes que vêm chegando com frequência à fase de grupos. Antes coadjuvantes, Al Hilal e TP Mazembe terão a chance de saírem das sombras de Al Ahly e ESS e avançar pela primeira vez em muito tempo à decisão. Os congoleses já conquistaram o título do torneio duas vezes e partem como favoritos. Vivem um excelente momento dentro de seu país e contam, entre outros, com o faro de gol do já conhecido Tresor Mputu. Os sudaneses, por outro lado, trazem a mesma base de outros anos, montada por Heron Ferreira e agora sob o comando de outro brasileiro, Paulo Campos.

As partidas de ida acontecem nesse fim de semana, enquanto que os jogos de volta estão marcados para os dias 17 e 18.

Ainda balança

Joel Santana terá agora que se reportar a um novo chefe. As eleições presidenciais da Safa aconteceram na última semana e tudo acabou em pizza. Assim como Irvin Khoza, o favorito Danny Jordan anunciou a sua saída do pleito na última hora, deixando o caminho livre para o pouco conhecido Kirsten Nematandani se eleger. Naquele que foi considerado pelo ex-presidente Molefi Oliphants um dos episódios mais tristes da história da entidade, Nematandani saiu como o vencedor e, desde então, peça-chave na próxima Copa do Mundo.

Em seu primeiro pronunciamento, o novo mandatário deixou claro que Joel conta com o seu apoio, mas não perdeu tempo e já começou também a palpitar. Afirmou que a comissão técnica deveria conversar mais com os treinadores locais para saber da condição dos jogadores. Nada fora do comum. E mandou ainda uma mensagem clara: “não se trata de um ultimato, mas é preciso voltar dos amistosos com a Noruega e a Islândia com duas vitórias”.

Se entendeu ou não o recado, ninguém tem conhecimento, porém, Joel foi mais uma vez contra a corrente nesta quinta-feira e, a despeito do que vinha sendo pedido pela imprensa local, deixou de fora de sua lista para os dois jogos os nomes de Benni McCarthy e Nasief Morris. Brincando com fogo? Talvez.

Quem fará mais falta?

No próximo dia 10, será disputada mais uma rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo. Costa do Marfim e Gana já estão classificadas, mas ainda restam duas vagas. Quem se juntará a Didier Drogba e Michael Essien na África do Sul? No grupo A, a briga será entre Eto’o e Adebayor. No B, Mikel e Karim Haggui decidem a parada, enquanto que, no C, Aboutrika e Ziani polarizam a disputa. Do lado de quem você está nesses confrontos, caro leitor? Alguma dessas ausências será mais sentida que a outra? Daqui a duas semanas, traremos um panorama do zonal africano.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo