África

Como o futebol resgatou sobreviventes do Ebola em Serra Leoa

O surto de Ebola na África Ocidental que teve início no fim de 2013 vitimou mais de 11 mil pessoas, enquanto 16 mil dos infectados conseguiram sobreviver. Embora a batalha pela vida desse segundo grupo tenha sido muito grande, ela não foi final. Livres da doença, os sobreviventes precisam também combater o preconceito com que passam a viver depois da contração do vírus. Em Serra Leoa, um desses sobreviventes encontrou no futebol o caminho para a sua reintegração e a de seus companheiros à sociedade.

VEJA TAMBÉM: Garotas sírias descobrem como o futebol é maravilhoso em campo de refugiados na Jordânia

O repórter Ben C. Solomon, do New York Times, foi até Kenema, cidade da Província do Leste da Serra Leoa, conhecer e contar a história de Erison Turay, que perdeu vários membros de sua família para o surto de Ebola, incluindo seu pai, sobreviveu ele mesmo à doença e, ao se deparar com a discriminação contra os sobreviventes, decidiu criar o Kenema Ebola Survivors Football Club.

“Quando vou para a cidade, aqueles que sabem que sou um sobrevivente não se aproximam de mim. As pessoas têm medo. (…) Precisamos nos ajudar, então eu criei um clube de futebol, o Kenema Ebola Survivors Football Club. Somos sobreviventes, somos sobreviventes de verdade”, conta Turay, em passagens do pequeno documentário produzido pelo jornal americano.

Ao todo, 137 sobreviventes já se juntaram ao clube, e a alegria de todos eles e dos que acompanharam às primeiras partidas, tanto do time masculino quanto do feminino, registrada nas belas imagens da reportagem revelam a força do futebol. Uma válvula de escape cujo poder de mudança da percepção de uma realidade dura fica claro em uma das frases de Turay: “Sinto-me feliz, como se estivesse no paraíso.”

Confira aqui, em inglês, The Ebola Soccer Survivors, produzido pelo New York Times.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo